quarta-feira, 20 de maio de 2020

Missões - Episódio 101: O Banker

Eles chegam ao campo de flores e a nave pousa lá. Róguine desliga a nave, todos descem dela e ele tranca-a. - Vamos esperar eles saírem do banker ou alguém grita? - pergunta Patrick. - Eu vou gritar o meu nome, como o Santys falou! - diz Róguine. - Vegas! Norman! É o Róguine! Eu sou o Róguine, estou aqui! - grita ele bastante alto. - Eu acho melhor nos armarmos, talvez eles nos ataquem na hora, levantem as armas! - alerta Rogério. Eles levantam. Atrás deles, a porta do banker é aberta. Eles viram-se para atrás e veem um homem de capacete apontando a sua arma de dentro do banker. - Quem são vocês? O que querem? - pergunta ele. Com todos apontando suas armas ao homem, Róguine coloca sua arma no chão e chega mais perto dele. - Saia, não chegue muito perto! - avisa o homem. - Pode ficar calmo, não queremos machucar ninguém! - diz ele. - Então diga logo o que vocês estão fazendo aqui! - pede ele. - Eu vou ser direto! Eu sou o Róguine, antigo controlador amigo do Norman e do Vegas! Nós fomos ao bar que íamos bastante e encontramos o Santys lá, que revelou que eles vivem aqui! - revela Rog. O homem fica muito surpreso, tira o capacete, olha para Róguine e depois de alguns segundos o reconhece. - Inacreditável! Você está vivo! - diz ele, logo se levantando e saindo do banker. - Norman o seu nome, não? - diz Róguine o reconhecendo. Ele começa a chorar e logo abraça Róguine. - Eu não consigo acreditar, você veio, meu amigo! Você está vivo! - diz Norman às lágrimas. - Sim, eu vim, e não foi fácil! - afirma Róguine. - Como você chegou? E quem são eles? Ai, minha mãe do céu, é difícil de acreditar! - diz Norman emocionado. É uma longa história! Mas onde está Vegas? - pergunta Róguine. Outro homem acaba saindo do banker. Ele olha atentamente para Róguine. - Espere um pouco... Róguine? - diz ele. - Vegas! - se surpreende Róguine. Os dois logo correm e se abraçam fortemente. - Belisca e me acorde, é inacreditável, você voltou! - diz Vegas extremamente emocionado. - Saudades de você, parceiro! Eu voltei pra valer! - afirma Róguine colocando suas mãos no ombro dele. Após isso, Róguine apresenta Rogério e o restante a Vegas e Norman, fazendo todos se cumprimentarem. - É melhor nós entrarmos no banker e nos sentar para conversarmos melhor! - diz Vegas. Todos logo entram no banker. - Estou até agora sem acreditar nisso, parece que temos muito papo pra falar! - comenta Vegas, enquanto eles descem as escadas do banker. - Sim, temos, e muito! - afirma Róguine. Descendo as escadas, eles logo sentam em alguns sofás e poltronas da sala, onde tem televisão, algumas estantes, mesas e é bem espaçosa. - Vocês querem que eu faça um café, para nós batermos um papo melhor? - pergunta Vegas. - Sim, eu quero, por favor - pede Róguine. - Eu nunca imaginaria que depois de todo esse tempo, isolados e sem saber da notícia de muita gente, surgiria você do nada em frente à nossa casa, você está devendo muitas explicações! - diz Norman dando um riso. - Sim, eu estou sim - afirma Róguine dando uma risada também. - Eu já imagino o que você passou até você descobrir onde ficamos! - diz Norman. - Amigo, eu passei por muita coisa, confesso que achar você foi muito mais fácil do que eu imaginava, mas antes de procurar vocês muita coisa aconteceu mesmo! - diz Róguine. - Depois que estávamos cientes que perderíamos a guerra, eu, Vegas e Santys decidimos recrutar o máximo de pessoas da família e amigos para nos esconder e vivermos nesse banker, mas não conseguimos! - diz Norman. - Mas por que? - pergunta Rog.


- Cavaleiro da Morte estava cada vez mais perto de vencer a guerra, já tinha matado Victor Hudson e o tempo que nós tivemos era pouco para chamarmos pessoas próximas da gente de diferentes lugares! Era questão de dias até Cavaleiro vencer a guerra e ir a qualquer planeta significava um risco muito grande! Infelizmente vários amigos nossos, e também pessoas da família, morreram ao nosso lado em uma batalha em 1944 no planeta Niumanytre, onde foi a nossa última! Foi no fim da guerra, quando boa parte dos exércitos e bases de Victor Hudson já estavam mortos e destruídos! Nós conseguimos vencer a batalha, mas só sobraram nós três, e era certeza que se ligássemos ou tentasse algum contato por rádio ou telefone, seríamos rastreados! E outros familiares nossos ou estavam mortos, ou estavam a três planetas de nós! - diz Norman. Vegas termina de fazer o café e dá uma xícara a Róguine e Cristiano. - Foi fácil vocês fugirem de Niumanytre e se isolarem aqui? - pergunta Róguine. - Não, tivemos que fugir de algumas naves do exército inimigo e tomar muita cautela, mas ainda bem conseguimos e décadas depois estamos bem, com exceção de Santys, acredito! - diz Norman. - Nós visitamos ele, está completamente pálido! - comenta Róguine. - Ele se viciou muito em bebidas, eu e Norman sempre alertamos ele a não exagerar na dose, mas ele não nos escutava e começou a fazer algumas besteiras, inclusive a nos perturbar! - diz Vegas. - O que ele fez? - pergunta Róguine. - Quebrou uma das televisões, a sorte é que temos outra! Além disso ele quebrou inúmeros pratos da cozinha, xingava sem motivo, quebrava muita coisa, nos batia... ele se transformou completamente por causa das bebidas! Nós até tentamos tirar isso dele à força, mas não adiantava, ele sabe fabricar cerveja, e quando tentávamos tirar bebida dele, ele fazia confusão! Ele tirava a nossa paz, e chegou uma hora que não estávamos mais aguentando e decidimos expulsá-lo daqui até ele abandonar as bebidas! Foi difícil fazer isso, porque é nosso amigo, mas estava complicada a situação - diz Vegas. - Quando eu vi o Santys hoje, ele não estava assim ruim da cabeça! Ele estava obeso e com um corpo estranho e pálido, mas ele se comportou normalmente, nós conversamos muito - afirma Róguine. - Com certeza ele estava com uma cerveja na mão enquanto conversava! - diz Norman. - Você está certo, eu até alertei ele sobre as bebidas, mas parece que não vai adiantar, só está esperando a própria morte, ele se sente fracassado - diz Rog. - Santys talvez perdeu mais do que nós, ele tinha uma família enorme, e tudo foi por água a baixo! Mas ele infelizmente não superou isso e usou o álcool como ferramenta para esquecer das desgraças passadas! - diz Vegas. - Mas mudando de assunto, conte o que aconteceu até você chegar aqui! - pede Norman. Assim, todos ajudam a Róguine falar os acontecimentos do fim da guerra em 1944 até aquele momento. Vegas entrega o café a Róguine. Ele começa a bebê-lo. - Acho que faltou um pouco de pó - comenta Róguine sobre o café. - Trezentos anos fazendo café da manhã e até agora não acerta um! - diz Norman dando uma riso. - E você que consegue ficar uma hora perto do forno e queima todos os bolos que faz! - retruca Vegas. - Bolo é meio complicado de fazer, agora café da manhã é demais, irmão, você ainda me supera! - afirma Norman. - Falou o grande especialista em fazer bolos, eu vou te ensinar a fazer torrada, aí você vai acertar! - sacaneia Vegas. Todos dão risadas. - E eu vou te dar uma receita pra aprender a fazer pão e café, é um pouco difícil mas eu acho que você vai conseguir fazer bem! - devolve Vegas.


- Melhor que você eu acho que sim - diz Norman. - Desculpe, Róguine, perdão, pessoal! A gente estava aqui falando de coisas sérias e vem esse bobo falar de pão e café, já podemos continuar o que estávamos falando! - diz Vegas. - Tudo bem, deixe eu só me segurar aqui - diz Róguine, colocando a mão na boca segurando risada. - Por mim já podem continuar o papo de café, bolo, eu até que gostei, achei interessante! - afirma Patrick. - Ok... (rs), continuando, a briga que tivemos contra Cavaleiro da Morte foi feia, a gente começou a tentar sufocar ele com nossos poderes, e conseguimos, chegou uma hora que prendemos ele, tentei fazer ele dizer como podemos desativar a força Eigaing Ohne, mas ele se soltou rapidamente! Ele é muito poderoso e não conseguimos prendê-lo por muito tempo! - diz Róguine. Vegas o interrompe. - E depois? - pergunta ele. - Continuamos a luta, o Scott que achávamos que tinha morrido, apareceu, nos ajudou, mas o Cavaleiro conseguiu quebrar todo mundo! A nossa esperança de sobrevivência estava toda ali! Ficou todo mundo deitado e ajoelhado, e ele falando que já tinha vencido e que não podíamos mais fazer nada! E Cavaleiro, chegando perto de Rogério, enfiou a sua facona no peito dele, mas como tínhamos recebido o poder do líquido que eu falei agora pouco, e juntando a isso o Controle nos ajudando, Rogério recebeu uma cura imediata e ainda ficou com o corpo inteiro com choque e trovão! Se recuperou totalmente com muita sorte e só ficou brigando com Cavaleiro! No fim da luta o Cavaleiro acabou caindo de um penhasco e resgatamos Rogério com a nave dele! O Leonardo conseguiu pegar a chave durante a luta e agora estamos com ela, e não sabemos como ficou Cavaleiro da Morte depois disso, mas com certeza ele ficou bem, o penhasco não era tão perigoso assim para ele - diz Róguine. - A nossa vontade de mudar New World ficou mais forte depois de nos livramos de Cavaleiro, muito por causa disso procuramos vocês, tendo uma ponta de esperança que poderíamos achá-los e poder fazer alguma coisa! - diz Rogério. Vegas coça o queixo. - Vocês já tiveram algum plano de derrotar Cavaleiro? - pergunta Leonardo. - Olha... nunca pensamos disso, acho que tivemos uma segunda chance aqui dentro desse banker, realmente é muito difícil deter tudo o que aquele sociopata construiu! Tudo o que ele tinha que fazer para si, ele fez, não tem como voltar mais atrás, já era! - afirma Vegas. - Mas deve haver um jeito! - diz Rogério. - Infelizmente não há, somos apenas mais de meia dúzia de pessoas, o que podemos fazer? - pergunta Norman. - Não sei, o Controle nos guiou todo esse tempo para um dia chegarmos nesse objetivo! Pode ser loucura, mas nós ainda acreditamos nisso, sei que podemos fazer qualquer coisa, nos superamos dentro daquele sítio e assim como vocês, perdemos tudo! Minha esposa morreu por causa do Wind, vi muitos amigos meus morrerem de tanto lutar e tive que aguentar minha filha indo embora ao meu lado por aquele desgraçado! Começamos com esse objetivo, alguns foram sacrificados por isso e fizemos uma verdadeira prova de fogo essa semana, para que depois não façamos mais nada? Não pode ser em vão! - diz Rogério. - Acho que vocês deveriam esquecer disso, eu analisei todas as possibilidades, eu teria de ser um mágico para reverter tudo o que foi destruído! Você é um mágico também, Norman? - pergunta Vegas. - Na cozinha eu sou - diz ele. - Ah, sai pra lá! - diz Vegas. - É sério, você nunca imaginou em tentar, de qualquer forma, mudar tudo isso? O Controle nunca te deu ideia? - pergunta Róguine.


- Nunca me deu, talvez porque nunca mais tenho precisado! - diz Vegas. - Por que acha que não precisou? - pergunta Róguine. - Por que não existe mais um jeito, eu acho que o nosso destino é esse, dentro desse banker vivendo os nossos vários próximos dias tranquilos já convictos que New World já era! - diz Vegas. - Não é o que o Controle acha, e também não é o que achamos! É como o Rogério disse, perdemos coisas, perdemos pessoas, e tudo isso não pode ser em vão, tem que servir para que bilhões de pessoas sejam salvas, para que novas gerações tenham paz! Toda a injustiça e violência começou há quase oitenta anos atrás, mas não quer dizer que ela tem de continuar, bilhões estão contando com a gente! Sabe, somos todos controladores, podemos fazer coisas enormes, muito melhores do que fizemos esse tempo todo! Podemos estar bem, mas o resto da humanidade na galáxia não! - diz Scott. - Emocionante essa sua afirmação, mas a minha simples resposta é não! Tudo isso já era, o Controle quer que sejamos deuses e não somos! E temos que aceitar a realidade, não tem como, tudo já foi perdido, por isso temos que seguir em frente aqui, sorte de nós que estamos aqui juntos! - afirma Vegas. - Eu lhe entendo, mas de mim e das pessoas que estão comigo, o propósito é outro, estamos dispostos a nos arriscar e fazer o que for preciso! Se não é o que você e o Norman querem, tudo bem, vamos seguir o nosso caminho mesmo assim! - afirma Róguine. - Podem seguir, estão à vontade para ficarem aqui e bolarem qualquer plano maluco e mirabolante, só não me metam nessa! - diz Vegas. - Vamos deixar esse papo chato para lá, conheçam melhor esse banker, ele é grande, tem umas setes salas e é de luxo! - diz Norman. Todos se levantam dos sofás e passeiam por ele, observando salas com quadros, computadores e algumas máquinas luxuosas de produzir roupa, armas, tecido e outras coisas. - Aquela sala lá do fundo, é sobre o quê? - pergunta Gabriel, sobre a última do corredor do andar mais baixo, o terceiro. - É só uma sala de bagunça, não tem nada demais lá - diz Norman. Vendo todas as salas, todos se espalham em diferentes delas para ver como as máquinas funcionam. Rogério e Leonardo entram na sala de computadores, a mais perto da última do corredor do andar mais baixo, e ficam sozinhos lá olhando e mexendo em alguns computadores de alta tecnologia. - Incrível como ele conseguiu colocar tudo isso aqui dentro às escondidas! - diz Leonardo. - É, antes da guerra estourar ele já planejou tudo isso aqui, caso perdesse a guerra, pois é um gênio - comenta Rogério. - E ele nem acreditou que perderia aquela guerra, mas é bom que ele conseguiu se planejar bem - diz Leonardo. - Sim! Sabe, a minha vontade é de viver aqui dentro mesmo, sem se preocupar com nada, tendo recursos e tudo! Mas sinto que o peso dessa galáxia está todo nas nossas costas, nós somos capazes de virar o jogo, é uma coisa muito difícil, mas eu sinto que podemos! - afirma Rogério. - Sabe-se lá como faremos isso, e se vamos fazer! - diz Léo. - Nós vamos achar um jeito, a razão não explica, mas eu sinto isso, estou confiante, não sei o porquê - diz Rogério. - Talvez porque você foi o único hoje de pé junto comigo que esteve desde o início, quando estávamos tendo problemas com Paolo, pois passamos por muitas coisas desde lá! - diz Leonardo. - Antes eu ainda tive problemas, com os meus quinze anos de cadeia que o canalha do meu irmão me fez passar! E vendo minha filha morrer por causa daquele psicopata, o Tomas, Alberto, Robert... eu me sinto mais determinado em desfazer o que aquele ditador fez com bilhões de pessoas, e lutar por isso! - afirma Rogério. - Com você falando assim, eu também fico, onde você vai, eu vou também, parceiro! Se você pular, eu também pulo! Se entrar no buraco, eu entro junto contigo! Tudo para que a justiça seja feita e Cavaleiro da Morte pague tudo o que fez! - afirma Leonardo.


Logo depois, eles ouvem um barulho muito alto de explosão. - Que droga é essa? - exclama Leonardo. Os dois rapidamente saem da sala de computadores e veem a porta da última sala do corredor caída e quebrada, com alguns raios sobre ela. Dentro da sala, também veem uma máquina com colorações estranhas nela.



domingo, 22 de março de 2020

Missões - Episódio 100: Uma Nova Esperança

- Vamos bater nesses asteroides, cuidado, Róguine! O que é isso? - alerta Lucimar assustada. - Pode ficar calma, não vamos bater neles, essa parte é muito cheia mesmo, mas eu sei pilotar uma nave aqui - acalma Róguine. - Mas pra quê tantos asteroides assim? - pergunta Claudia. - Para eles atingirem invasores que se surpreenderem com eles! Por isso tem muitos aqui em movimento, mas eu sei pilotar no meio dessa brincadeira, sou um dos poucos que conhece isso - afirma Rog. A nave entra em grande movimento ao desviar de muitos asteroides. - Eu ainda acho que vamos bater em um deles, isso só pode ser sacanagem! O que é isso, Róguine? - diz Leonardo apavorado. - Isso é aventura! Fiquem todos tranquilos, um dos maiores pilotos da galáxia está no controle - afirma Róguine. - Eu tenho um mal pressentimento sobre isso! - diz Leonardo. - Eu entendi a referência! - diz Rogério. - Eu não entendi porcaria nenhuma - afirma Patrick. - Você não é um terráqueo, não vai entender mesmo! - afirma Roger. - Vocês estão falando de um assunto inútil que eu não faço ideia do que seja enquanto estamos correndo perigo, abram os olhos! - diz Scott. - Não estamos correndo perigo, vocês estão desesperados à toa, mesmo se um asteroide bater nessa nave, esse monstro aqui aguenta, relaxem! - diz Rog. - Bando de amadores! - brinca Gabriel. - Eu vi as suas pernas tremendo um pouco, você acha que eu não vi? - diz Patrick. - Isso é fome - diz Gab. - Pega um chocolate ali na geladeira, come só um pouco, vamos ficar oito horas nessa nave até chegarmos a Faquigrufa - diz Cristiano. - Aqui tem ''Snikers''? - pergunta Rogério. - Risadinhas é o que eu vou causar caso eu contar uma piada! O que é isso? - pergunta Scott. - Roger, você se esqueceu que não está na Terra? - pergunta Leonardo. - Ah, sim, é mesmo, eu saí da Terra mas parece eu levei ela junto - diz Rogério. - Pela informação que eu tenho no GPS, vamos chegar em Faquigrufa daqui a aproximadamente oito horas e quarenta e um minutos - dá a informação Róguine. - Sugiro nós dormirmos, quando nós entrarmos em Faquigrufa ainda vai levar horas para a gente pisar no planeta, isso vai ajudar a nós economizarmos comida e recuperar mais energia depois da luta que tivemos! - dá a ideia Leonardo. - Vou deitar agora, eu mereço, e vocês também! - diz Lucimar. - Isso, vamos gente, nós precisamos disso! - afirma Gab. Todos se ajeitam e deitam dormindo rapidamente. Mais de oito horas depois, com a nave já fora do corredor de asteroides, ela fica perto de Faquigrufa navegando sobre o planeta. - Pessoal, acordem! Daqui a pouco vamos entrar em Faquigrufa! - alerta Róguine. Todos acordam na hora. - Uau, esse planeta é bastante colorido! - diz Lucimar. - Sim, é um dos mais bonitos que tem, Victor Hudson e os seus amigos cientistas criaram esse planeta para ser o melhor em paisagens naturais - explica Róguine. - Eu quero é saber como vamos achar Vegas nessa esfera gigante, se ele ainda estiver vivo! - comenta Leonardo. - Podem ficar um pouco mais tranquilos, eu já sei o lugar que vamos - diz Róguine. - Talvez ele nem exista mais! - afirma Léo. - Você pode estar certo, mas não sabemos! Nós vamos para a cidade de Gantylhing, lá tinha um bar muito grande e extremamente famoso, os controladores adoravam beber e se divertir lá, inclusive eu! Não só eles iam para lá, pessoas poderosas e populares da galáxia iam para lá frequentemente, era um bar completo, tinha campeonatos de diferentes jogos como sinuca, xadrez e vários outros! Era considerado um dos melhores bares de New World e um dos grandes controladores, mas que eu não tinha intimidade, era dono desse bar! Mas ele era muito parceiro de Vegas e praticamente todo final de semana era ia para lá! - explica Róguine.


- Mas será que esse bar não está infestado de soldados da morte? Se chegarmos lá podemos bater de frente com eles e podemos arrumar problema, talvez não dê - diz Rogério. - Só vamos entrar nesse bar se o lugar estiver abandonado ou com apenas pessoas normais e civis estando perto dele! Essa nave tem um aparelho que escuta barulho a vários metros de distância, se tiver soldados da morte nesse bar, provavelmente vamos ouvi-los por esse aparelho! - diz Róguine. - Então está resolvido? - pergunta Gabriel. - Não, o bar além de poder ter soldados da morte, ele mesmo vazio ou abandonado não vai assegurar que vamos achar Vegas! Talvez não tenhamos pistas, mas é uma esperança que eu tenho pois é o primeiro lugar que eu iria procurar Vegas, e nós vamos para lá! Talvez ele esteja morto ou vivo, eu não sei, mas caso a melhor opção estiver feita, achá-lo pode ser essencial para a gente continuar nessa luta pela galáxia, ela era inteligentíssimo, um dos caras mais sábios que eu já conheci, tinha um conhecimento muito alto de ciência, tecnologia, física e várias outras coisas, eu o considero um grande gênio, não é à toa que Victor Hudson o deixou administrar Saumurto, era um dos maiores braços direitos de Victor! Era um dos meus melhores amigos também, assim como Hudson, é claro! E eu sempre sonhei em reencontrá-lo, pensando no que ele faria para desfazer todo esse estrago feito por Cavaleiro - comenta Róguine. - Eu espero que tenhamos sorte em encontrá-lo, a galáxia precisa disso! - diz Rogério. - Assim não apenas nós iriamos ter sorte, New World também! - diz Scott. - Eu acho que devemos ter pés no chão, pois caso não conseguirmos ter algum sinal dele, teremos que achar um outro jeito de libertar a galáxia! - afirma Rogério. - Nós vamos achar o jeito certo, eu acredito nisso, estamos investindo para conseguirmos isso há um bom tempo, qualquer tropeço nunca vai nos derrubar, nunca! - diz Leonardo. - Vamos entrar no planeta agora mesmo, cinco, quatro, três, dois, um - fala Róguine, com a nave entrando na atmosfera de Saumurto logo depois. - Em duas horas vamos para Gatylhing, e encontraremos o bar! - diz Rog. Duas horas depois, eles começam a sobrevoar a cidade, que não dá nenhum sinal de habitantes. Róguine fica surpreso com o estado que a cidade está. - O lugar é bem grande, mas para uma cidade que antes era muito popular, agora está completamente perdida e abandonada! Pasmem! - diz ele. - Muitos lugares, boa parte deles são casas e prédios destruídos, Gatylhing deve ter sofrido com a guerra! - diz Leonardo. - Como dá para ver, sofreu mesmo, uma cidade que era muito iluminada e era uma das que mais atraíam pessoas de outros planetas, simplesmente deixada para trás completamente! - diz Rog. - Já dá para enxergar o bar daqui? - pergunta Gabriel. - Não, mas em meia hora vamos encontrar o bar e vamos ver se há pessoas lá dentro, mas eu acho muito difícil, até agora não vemos nenhum sinal de vida aqui! E eu estou economizando combustível o máximo possível, não sabemos se teremos como carregar essa nave, por isso a velocidade está lenta - diz Róguine. Trinta e poucos minutos depois, eles avistam o bar há mais de quarenta metros acima e Róguine ativa o som à longa distância da nave. Todos tentam ouvir algum som de dentro do bar. Após dois minutos, eles não conseguem escutar nada dentro do bar. - Parece que não tem realmente ninguém lá dentro - diz Patrick. - Nenhum ruído estamos conseguindo ouvir! Mas mesmo assim podemos encontrar alguma pista nesse bar, não é impossível - afirma Róguine.


- Se conseguirmos, vai ser um grande passo, e eu acho que vamos! - diz Rogério. - Que você esteja certo - diz Léo. A nave, continuando tendo a invisibilidade, pousa em frente ao bar. Todos descem dela armados, Róguine desliga o motor e tranca-a. - Nunca vi um bar tão enorme - comenta Gabriel. - Há quanto tempo eu não venho aqui? Fazem várias décadas, já me diverti muito nesse lugar, parece que voltei no tempo, apesar de não ter mais aquelas cores vivas, barulho e alto movimento! - comenta Róg. - O que Cavaleiro da Morte não poderia fazer em um lugar tão sensacional como esse? - diz Patrick, observando o local com vários lixos no chão, vários bichos, casas e lojas velhas. - Então vamos entrar logo? - diz Scott. Róguine vai até a porta de entrada do bar, tenta abri-la, mas ela está trancada. - O jeito vai ser quebrá-la - afirma Scott. - É o jeito, e o bom é que esse bar pode estar novo em folha! - afirma Rogério. Róguine dá três fortíssimos socos na porta dura e uma parte dela quebra. Todos entram no buraco da parte quebrada da porta e entram no bar. - Será que aqui não tem luz? Não dá para enxergar muita coisa mesmo com lanterna! - comenta Gabriel. - Claro que não, uma cidade abandonada dessa não tem luz alguma - diz Cristiano. Róguine com a lanterna procura alguma tomada. Achando uma, ele aperta o botão dela e uma lâmpada é acesa. - Ué? Ainda tem luz? - pergunta Rogério. Róguine coloca as mãos na cintura e fica desconfiado. - Teria que ter alguém aqui para permitir entrada de energia! - diz ele. - Será que não poderia ser uma energia reserva? - pergunta Patrick. - Não, aqui nunca teve uma energia reserva, eu conheço bem esse bar, alguém teria que estar aqui para fazer a luz funcionar! - afirma Róguine. Rogério chega mais perto de Róguine para falar em seu ouvido. - Então alguém pode estar aqui! - diz ele. - Você está certo! - diz ele em voz baixa. - Pessoal, se armem direito, podemos ter uma companhia aqui! - avisa Róguine sussurrando. Todos tiram suas pistolas do bolso e começam a caminhar lentamente pelo bar sem fazer barulho, com Róguine e Scott segurando as lanternas. Eles chegam ao grande balcão do primeiro andar do bar, entram nele e chegam à cozinha. Vendo se há alguém dentro da cozinha, não acham ninguém e saem de lá. Já tendo caminhado por todo o enorme primeiro andar, tendo apenas mesas, cadeiras, o balcão os banheiros e a cozinha, eles sobem as escadas baixamente para o segundo andar. Chegando a esse andar, vêem mais mesas e cadeiras, outro balcão e também uma porta para o salão de jogos, com o lugar totalmente escuro e eles apenas enxergando com as lanternas. Muito lentamente e sem barulho algum, eles seguem caminhando observando com detalhes o local, mas todos juntos. De surpresa, todos ouvem uma bala sendo disparada em uma lâmpada. Eles na hora levantam as suas armas e Róguine e Scott mexem a lâmpada para todos os lados procurando quem atirou. Um homem se levanta atrás do balcão apontando uma forte arma com bomba para eles. As lanternas logo o iluminam de longe. - Quem são vocês? - pergunta o homem idoso e obeso de óculos. - Gostaria que respondesse primeiro! - afirma Róguine. - O que estão fazendo aqui? O que querem? - pergunta o idoso novamente. - Antes, me diga se há mais alguém aqui dentro! - diz Róguine. - Eu não vou te dar essa informação, e se vocês não me responderem primeiro, as coisas podem piorar! - afirma o homem. - Nós não estamos aqui para machucar ninguém, só estamos procurando informações! - afirma Rog. - Que informações? - pergunta ele. - Eu não posso te dizer, mas se me falar quem é você e porque está aqui, podemos nos entender e acabar logo com isso! - diz Róguine.


- Se me falar que informações são essas que você procura, eu posso te ajudar! - afirma o homem. - Vegas! - diz ele. - Vegas? O que tem ele? - pergunta o idoso. - Você o conhece? Sabe onde ele está? -pergunta Róguine. - Nunca o conheci pessoalmente, mas por que querem saber dele? - pergunta ele. - Somos pessoas pacíficas, não estamos procurando fazer alguma coisa contra ele, só queremos saber onde ele está e vê-lo! - diz Rog. - O que me faria acreditar em vocês? - pergunta o idoso. - Então você o conhece, não? - pergunta Rog. - Se me disserem o motivo de quererem saber onde ele está, eu agradeço! - diz o homem. - Eu agradeceria muito também se você dizer porque está aqui! - diz ele. - Eu vivo aqui há um tempo, eu fiquei sem nenhum rumo, encontrei esse bar e agora eu fico aqui! - afirma o homem. - Sobrevoamos uma enorme parte da cidade e não encontramos ninguém, parece que você tem muita sorte! - afirma Róguine. - Sim, eu tive - diz o idoso. - Olhe, vou lhe dizer o que vamos fazer! Vamos passar por todo esse bar para termos certeza se há mais pessoas aqui, mas você vai ter que continuar nesse balcão onde está, apenas assim vamos confiar em você! - afirma Róguine. - Tudo bem, eu admito, eu estou sozinho! - afirma o idoso. - Mas faremos mesmo assim! - diz Rogério. - Podem checar, só tem eu aqui mesmo! - diz ele. Todos logo ligam as luzes do segundo andar do bar, entram na sala de jogos, nos banheiros e não acham ninguém. Depois todos voltam onde estavam. - Vocês só não checaram a cozinha atrás de mim - diz o homem. - Se você não se importar, coloque a sua arma no chão para nós entrarmos! - diz Róguine. - Se você não sabe, eu ainda não confio em vocês! - diz ele. - Nós também não, mas ainda assim vamos deixá-las no chão também! - afirma Róguine. Todos logo colocam as armas no chão, ainda desconfiados sabendo que estão correndo risco. O idoso também coloca. Todos entram no balcão, com exceção de Gabriel e Patrick, que a mando de Rogério ficam encostados ao balcão de frente desarmados. Eles entram na cozinha, ligam a luz dela, abrem todas as coisas e não acham ninguém. - Satisfeitos? - diz o homem. Eles saem da cozinha e o idoso chega perto de Róguine. - Qual é a ligação que você tem com o Vegas? - pergunta ele. - Vou falar logo de uma vez! Eu era um dos amigos dele, um dos grandes controladores parceiros dele! Depois da guerra dos anos 1940, eu tive que fugir de ataques e me esconder depois da morte de Victor Hudson e a vitória de Cavaleiro da Morte e seu exército na guerra! Mas eu não sei do paradeiro dele, inclusive eu não sei onde estão alguns amigos meus! - explica Róguine. - Eu já sei quem você é, te reconheci! - afirma o idoso. - Então fale! - diz ele. - Róguine! Você é o Róguine e eu não consigo acreditar - diz o idoso. - Você acertou! E qual é o seu nome? - pergunta ele. O idoso levanta a manga de seu casaco e mostra uma marca de raio em seu braço. Róguine se surpreende completamente. - Você... seu nome é... Santys! - diz ele. Logo depois, os dois se abraçam. - Eu não acredito que você voltou, parceiro! - diz Santys às lágrimas. - Nem eu, eu não acredito nisso, eu te encontrei! Muito tempo se passou! - diz Róguine completamente surpreso e emocionado. - Como você conseguiu chegar até aqui? É inacreditável! Depois de tanto tempo, amigo! - diz Santys. - É uma longa história! É melhor nós nos sentarmos para conversarmos melhor! - afirma Róguine. - Incrível, é um milagre você aparecer aqui do nada, como conseguiu? - diz Santys sem acreditar. - Uau, não esperava essa! - diz Rogério. - É um dos grandes amigos meus, também é controlador! - diz Róguine. - Muito prazer, Santys , eu sou Rogério! - cumprimenta ele. - Muito prazer! Eu estou até agora de boca aberta! - diz Santys.


Todos os outros cumprimentam Santys. - Você prefere que nós sentemos aqui encima ou lá embaixo? - pergunta Róguine. - Tanto faz, vocês que sabem! - diz Santys. - Aqui é melhor, tem a sala de jogos - diz Gabriel. Todos concordam, Patrick acende todas as luzes e eles sentam com Santys em uma grande mesa. - Então, Santys, primeiro me diga, onde está o Vegas e os outros? - pergunta Róguine. - Felizmente eu posso dizer que o Vegas está vivo! - diz ele. - Isso! E onde ele está? - comemora e pergunta Róguine. - Ele está há quatro quilômetros daqui! Desde quando a guerra estava prestes a estourar, ele montou um banker debaixo da Terra para caso nós perdermos a guerra, ele se esconder e viver lá! Como isso aconteceu, ele está lá agora! - diz Santys. - Interessante, e eu nunca soube desse banker! A guerra foi muito agitada e eu vi muitas poucas vezes ele nessa época, isso fez com que eu não soubesse disso! - diz Róguine. - Sim, era um, dois ou três controladores parceiros de Victor Hudson e amigos nossos comandando os ataques em cada lugar, estivemos muito separados, mas eu fiquei junto com o Vegas e o Norman na guerra inteira, inclusive o Norman mora com o Vegas no Banker! - diz Santys. - Que legal, estou feliz por ele estar bem também! Mas onde estão o restante, o Peter Black, o Louis, o Ciro, o Christian...? - pergunta Róguine. - Eu tive oportunidade de batalhar uma vez junto com o Louis na guerra, o nosso exército estava lutando em Ouplasu, tivemos que dar muito o nosso sangue, mas infelizmente ele morreu, ele correu sozinho para tentar matar uma enorme quantidade de soldados, já que o nosso exército foi todo morto, mas não deu certo e se eu o ajudasse seria um suicídio pra mim, e não daria certo! Perdemos aquela batalha mas eu consegui fugir junto com o Vegas! O Norman estava em outro planeta naquela hora - diz Santys. - Triste que ele tenha morrido, mas ainda fico feliz por vocês estarem bem! Já o restante você sabe o que houve com eles? - pergunta Róguine. - Outra revelação frustante, em uma única batalha feita em Hagaliuo, o Peter Black, Ciro e Christian morreram juntos batalhando e também o exército deles perdeu a batalha, inclusive o Cavaleiro da Morte estava lá comandando! Não s ei se ele chegou a matar um deles ou todos os três, mas eu sei porque o Chivas me contou! E eu vou falar uma coisa importante, não faço do que aconteceu com o Chivas! Desde 1944 ou se não me engano em 1945, eu não ouvi falar mais dele! Muitas batalhas a guerra teve, desde esse ano chegou a ser muito difícil todos nós mantivermos contato, pois era até risco de sofrermos rastreamento de algum inimigo, sair de um planeta ao outro causava muito risco de capturamento! Era uma época muito complicada! - diz Santys. - Chivas era um dos meus maiores parceiros também, inclusive o Ciro, uma pena ele ter morrido! - diz Rog. - Minha família inteira morreu na guerra, a minha esposa, as minhas duas filhas, minha mãe, meu pai, ninguém sobreviveu! As famílias dos nossos amigos morreram também, e se há mais algum deles vivo além de mim, você, Norman e o Vegas, eu não sei! - diz Santys. - Os que eu sei que não sobreviveram, são o Rick, que morreu do meu lado em Niumanytre, mas aquela batalha nós vencemos, e também morreu o Mannie, a Carolyne, o Bill, o Jorge e o Nicholas! - diz Róguine. - Dentre esses aí, eu não sabia de onde parou a Carolyne, o Jorge e o Mannie, eu não tinha muita intimidade com eles, mas sinto muito! - diz Santys. - Foram tempos muito complicados, toda aquela infelicidade nos separou e fez a galáxia ruir! A guerra matou bilhões de pessoas, mas depois da guerra mais bilhões com certeza se foram, Cavaleiro da Morte é o maior psicopata e assassino que a humanidade já teve! - afirma Róguine


- Ele fez absolutamente tudo que queria, estar no maior topo da galáxia e de toda a humanidade e fazer as piores atrocidades, eu desconfio de que ele tenha sido treinado por um demônio! - diz Santys. - Se isso acontecesse, eu não ficaria surpreso! - diz Rogério. - Vocês querem alguma bebida? Um vinho, cachaça...? - pergunta Sant. - Um vinho só, por favor! - pede Leonardo. Todos os outros recusam. - Eu prefiro ficar longe dessas bebidas, eu estou muito velho, sou controlador mas ainda sou muito sensível a essa coisas, posso até me viciar - diz Róguine. - Ah, para, Róguine! Toma só um copinho, não vai te matar, relaxe! - insiste Santys. - Não, eu já fui muito viciado em bebida na minha época jovem, não quero que isso volte! - afirma Róguine. - Só uma gota, é uma cachaça da melhor qualidade, e não faz nem você cair com mais de sete goles! - diz Santys. - Não, obrigado, eu não quero! E eu vou falar uma coisa, com todo o respeito, você está muito pálido e obeso! E também o que você fazendo aqui no bar? - pergunta Róguine. - Então, colega, eu tive uma briga muito feia com o Vegas, nós não estamos mais nos falando, e agora eu estou morando aqui mesmo! - diz Santys. - O que aconteceu entre vocês? - pergunta ele. - Sabe como é, né? Você quer esquecer das desgraças passadas, superar muita coisa, mas fazendo isso se divertindo com álcool, tomando latas e mais latas, até ficar bem vacinado contra o trauma, mas fazendo asneiras! - diz Santys tomando uma garrafa de cerveja. - Olhe, não é assim que você supera o passado, olhe para você mesmo, amigo, extremamente obeso, com um rosto inchado, corpo inchado! Você precisa se cuidar, estou falando isso como seu parceiro, você está velho como eu, não pode encher tanto o seu corpo e sangue com muito álcool e essas porcarias só levam à mais desgraça! - orienta Róguine. - Cara, eu perdi tudo o que eu tinha, perdi tudo o que eu tinha que perder, não sobrou absolutamente nada de mim, se eu morrer vai ficar tranquilo, eu já estou morto na verdade! Sinto que o álcool me fortalece e me distrai, inclusive estou eu tomando agora esse ouro! - diz Santys. Róguine pega a garrafa de Santys e coloca do seu lado da mesa. - Escute, pare! Você está se matando, estou te dando um conselho, você não está morto! Mas se você continuar assim vai morrer cada vez mais! - alerta Róguine. - Agora já era, parceiro! Sem isso eu não vivo, eu já me perdi, tudo já foi tirado de mim, o que me espera é a morte depois de deliciosos litros diários - afirma Santys, de cabeça baixa e tomando um cigarro. - O que você fez para o Vegas brigar com você? - pergunta Scott. - O perturbei bastante por culpa do álcool quando eu ainda vivia com ele no banker, depois ele não aguentou mais, o Norman também, e me expulsaram! - diz Santys. - Cara, você pode ter perdido muita coisa, mas você ainda tem o Vegas, o Norman e agora a nós! Você não precisa se acabar desse jeito, se liberte disso e leve uma vida mais tranquila com a gente! - diz Róguine. - Não tem como! - afirma Sant. - Por que? - pergunta ele. - A minha hora já chegou, e sinto que o meu destino deve ser esse mesmo! Eu fui por muito tempo um saco de pancadas, com perdas e mais perdas, eu não tenho absolutamente mais nada a perder, estou sendo sincero! - afirma Santys. - Nem tudo está perdido, você pode se libertar disso, pode fazer um novo começo, eu estou aqui para te ajudar! - diz Róguine. - Eu morri há décadas, em mim só sobrou fragmentos, só estou esperando a minha hora! - diz Santys. - Você pode superar! Eu e meus amigos também perdemos tudo, talvez tanto quanto você! Eu, então, nem se fala! Além de eu nunca ter sido capaz de gerar um filho, terminei a relação com minha esposa no meio da guerra, perdi dois irmãos, uma irmã e toda a minha família também! O Rogério, por exemplo, perdeu a esposa e a filha, o Leonardo perdeu o irmão! E mesmo assim estamos aqui dispostos a salvar a galáxia! - diz Rog.


- Sério que vocês ainda tem esperança nisso? - pergunta Sant. - Sim, muito por causa disso estamos à procura de Vegas! - diz Róguine. - Então ele está à disposição de vocês! Eu vou falar como vocês vão chegar no banker e encontrá-lo, não fica tão longe, só há quatro quilômetros daqui! - diz Santys. - Então fale - pede Rog. - Vocês devem sair do bar pela mesma porta que vocês entraram, vão virar à esquerda e seguir em linha reta por mais dois quilômetros e meio, vocês inclusive vão encontrar uma manada de elefantes! Mas fiquem tranquilos, eles são mansos! Depois de encontrar a manada, vocês vão virar para a rua à esquerda deles, devem encontrar mais alguns bichos aleatórios que invadem cidades e vão seguir em linha reta também até vocês encontrarem um campo cheio de flores, e o banker está embaixo de algumas flores, não dá para encontrá-lo! Pode ser que você encontre eles fora do banker, senão vocês gritam e eles podem aparecer! Eu acho melhor você Róguine gritar o seu nome para que eles saem de lá e vejam vocês! - explica Santys. - Correto, eu vou fazer isso - diz Róguine. - Vamos ficar por aqui mesmo por enquanto? - pergunta Cristiano. - Sim, daqui a pouco a gente visita Vegas! - diz Rogério. Após conversarem bem mais, eles saem do bar, já estando de noite. - Obrigado, pessoal! Fizeram uma boa companhia! - agradece Santys em frente à porta do bar. - Eu que te agradeço! E me escute, se cuide, tome conta da sua saúde, lembre-se do que eu te disse! Tchau, irmão! - se despede Róguine. - Tchau! - retribui Sant. Todos entram na nave, Róguine decola ela e eles partem para encontrar Vegas.



Obrigado por acompanharem Missões até o centésimo episódio!

terça-feira, 10 de março de 2020

Missões - Episódio 99: Passeio

- Já estamos chegando? - pergunta Cristiano. - Sim, em dois minutos já estamos lá! - diz Róguine. - Eu cheguei a pensar que nunca mais veria minha mãe, minha vó e irmã! Estava com quase certeza que meu fim estava chegando, mas agora eu vejo que posso viver mais, é um alívio e uma felicidade enorme! - afirma Gabriel. - Tudo isso não aconteceria se não tivéssemos nos esforçado, o que passamos até nos livrarmos de Cavaleiro, acredito que muitas poucas pessoas se superariam como nós! - diz Rogério. - Eu nem consigo mais acreditar que conseguimos isso, é inacreditável, apesar de todo o processo difícil que nos colocou no limite do que possamos fazer, sinto que estamos indo no caminho certo! - diz Leonardo. - Passamos por essa fase, sinto que ainda teremos muitas outras, estamos no meio do caminho e apesar de várias perdas e vitórias, o nosso objetivo está incompleto! Poderíamos estar mortos agora e conseguimos superar a maior luta que já tivemos, estamos todos de parabéns! Mas temos ainda que continuarmos focados nesse longo caminho até a salvação da galáxia - afirma Róguine. - Você tem razão, temos que comemorar depois desse nosso escape maluco, mas ainda tem muita bagunça para arrumar na casa! - diz Gabriel. Após isso, a nave logo pousa em frente à caverna onde Claudia, Lucimar e Maria Clara estão. De dentro dela, as três ouvem a aterrissagem e sem dizer nenhuma palavra, elas permanecem no fim da caverna e ficam caladas, desconfiadas que sejam os Soldados da Morte para capturá-las. Todos descem da nave e entram na caverna. Caminhando até o fim da caverna, eles encontram-as. - Eu não acredito, vocês estão aqui! - se emociona Lucimar. - Papai, Biel, vocês voltaram! - comemora a pequena Maria Clara. Claudia e elas correm para abraçar Cristiano e Gabriel. Abraçando Cristiano, Claudia chora. - Tinha certeza que vocês estavam mortos! - afirma Claudia emocionada. - Nós vencemos e estamos juntos de novo! - diz Cristiano. - Graças a Deus vocês estão bem, não sei que outro milagre vocês fizeram! - diz Lucimar às lágrimas. - Acredito que ele tenha nos ajudado mesmo, mãe! - diz Cristiano. - Pessoal, sei que estamos todos comemorando muito que estamos bem e juntos de novo, mas vamos fazer isso na nave, é muito perigoso estarmos aqui fazendo barulho com ela lá fora, podemos ser pegos! - alerta Rogério. É melhor irmos mesmo, vamos! - diz Léo. Todos saem da caverna e entram na nave. Róguine como piloto faz a nave começar a voar. - Quando eu, Claudia e Maria estavam na caverna, nós tivemos que ficar em silêncio toda hora, com medo de que os Soldados da Morte nos achassem! A gente estava orando toda hora pra que desse tudo certo, e deu! Estou muito feliz que conseguimos passar por uma situação dessa de novo! - diz Lucimar. - Nunca fomos tão fortes, tivemos um único jeito de escapar daquela furada, lutando bastante deixando muito sangue pelo caminho! Quase morri no caminho, senão fosse uma mulher que caiu do céu que fez eu me recuperar rápido! Não sei como eu consegui sobreviver, foi muita sorte, era para eu estar morto! - diz Scott. - Pode ter sido sorte, mas não foi à toa, você lutou por isso, demos a vida por isso, lutamos contra o homem mais poderoso do universo, não sei se o matamos, ele caiu de um penhasco enorme, mas é muito difícil ele ter morrido por causa de uma queda - afirma Patrick. - Óbvio que ele não morreu, o penhasco nem é tão alto assim, e eu só o empurrei para ele porque eu não tinha mais força o suficiente para destruir ele! Nem adiantaria vocês me ajudarem, porque estavam todos machucados e fracos, na verdade ainda estão! Agora temos que nos recuperarmos depois dessa brincadeira toda! - diz Rogério



- Eu tenho uma revelação importante para dar a vocês, não sei se ficarão surpresos, mas era o esperado - diz Róguine. Gabriel olha para baixo pensando e já tem ideia do que seja. - Pode falar, eu já sei o que é! - afirma o garoto. - Eu senti isso e o Controle confirmou! Vocês passaram pelo processo e o caminho suficiente até se tornarem controladores! - revela Rog. Todos ficam felizes e animados com a revelação. - Depois de tudo que passamos, isso tinha que acontecer de qualquer jeito, demos mais um grande passo! - diz Leonardo. - Eu também estava sentindo, depois de começarmos o plano de fugir daquele sítio, eu nunca estive tão perto do Controle, era uma das nossas únicas esperanças, senão fosse ela perderíamos! - diz Scott. - Incrível, eu confesso estar surpreso, para mim teríamos que fazer mais coisas e treinar muito mais também até conseguirmos! - diz Cristiano. - Vocês passaram dos limites, enfrentaram um caminho que era para dar errado, mas por nosso empenho deu certo, o Controle viu a força que vocês tinham e a persistência de escapar daquilo e continuar com o nosso objetivo principal! Ele nos ajudou muito na batalha, mas não foi só a parte dele que fez isso, foi porque estávamos perto dele e também somos capazes de escapar de coisas impossíveis - afirma Róguine. - O Controle é uma coisa incompreensível, nós sentimos ele, ele nos dar forças físicas e espirituais e faz surgir na nossa mente ideias que nunca pensaríamos em ter! Não sabemos nem o que é, mas o seguimos porque sabemos que precisamos dele! - diz Patrick. - Talvez um dia, eu não sei, saberemos onde surgiu e o que é essa coisa chamada Controle, ele nunca quis revelar nada, a ciência também não consegue explicar, mas ele sempre me diz essas palavras: ''Apenas siga o caminho que deve ser feito e a luz você pode encontrar'', é essa frase que me motiva!  - diz Rog. - O que significa exatamente essa ''luz''? - pergunta Gabriel. - Acredito que seja as resoluções das coisas, as nossas vitórias - diz Róguine. - Ou seria especificamente o fim do nosso objetivo? - pergunta Leonardo. - Só sei que o caminho devemos fazer, essa tal luz talvez acharemos depois - afirma Róguine. - Mudando de assunto, estamos indo ao espaço e ainda temos que achar um jeito de derrotar esse império de Cavaleiro, para onde nós vamos então? Vamos usar o quê pra isso se não temos nada agora? - pergunta Claudia. - Eu já sei onde vamos, não sei se a viagem vai ser tranquila, mas temos que chegar em Faquigrufa! - diz Rog. - Onde é isso? - pergunta Lucimar. - Fica a dois planetas daqui, é o oitavo planeta do Sistema Solar de New World e nós vamos passar por um enorme corredor de asteroides que provavelmente é desconhecido por todos! Os únicos que sabiam da existência dele eram Victor Hudson, sua família e alguns amigos dele que eram controladores, que eram os meus também! Vamos correr o risco de ser capturados ou vistos, muitos anos se passaram e não sabemos se Cavaleiro da Morte descobriu esse corredor! Ele é invisível, só eu sei mais ou menos a posição e a localização dele, só se consegue entrar lá se for sem querer ou se saber dele, e qualquer que entre lá também fica invisível e enxerga-o! Victor Hudson criou esse corredor de asteroides, que inclusive liga todos os planetas da galáxia, para alguma emergência séria em caso de quem era próximo de Victor Hudson, mudar de planeta sem ser visto! E esse corredor não permite a alguma máquina ou aparelho identificar, ele é imperceptível a qualquer material físico que não o toque ou entre! - explica Róguine. - Mas para quê nós vamos para lá? - pergunta Leonardo.


- Eu tinha um amigo que vivia lá, era junto comigo um dos maiores amigos de Hudson e um dos maiores controladores que existia! O nome dele era Vegas, e desde a vitória de Cavaleiro da Morte na guerra espacial dos anos 1940, eu não sei do paradeiro dele! Hudson deixou ele ser o responsável por aquele planeta, a cuidar das decisões dele, claro que com o consentimento de Victor Hudson, que era o rei da galáxia, mas ele era considerado o líder de Faquigrufa! Uma vez ele disse a mim que caso o reinado de Hudson caísse por causa de uma guerra, alegando inclusive ser impossível, ele se esconderia em uma casa muito escondida e humilde nesse planeta com uma aparência disfarçada e beberia muito chocolate quente lendo uma tonelada de livros de ciência! Claro que ele disse isso brincando, mas tenho certeza que ele faria isso! - diz ele. - Espere aí, deixa eu ver se entendi, você quer ir a Faquigrufa só por causa de uma fala de um amigo seu há uns oitenta anos atrás? - pergunta Leonardo. - Pode parecer estranho, mas é isso mesmo! Eu sempre quis saber onde ele e mais alguns amigos meus estão! Se estão mortos, se estão escondidos, eu não sei, não tem como eu saber! Por mais que seja algo simples e pareça tosco, é a única pista que eu tenho de algum antigo conhecido meu! Não temos nada aqui, não temos exército, não temos armas suficiente, não temos absolutamente nada, nossas condições agora de derrotar esse império de Cavaleiro da Morte é zero, mas nós temos que fazer de tudo para um dia isso acontecer, o Controle sabe disso! Não sabemos o que está por vir, mas ainda estamos no caminho, e no momento a única coisa que temos de informação é o provável esconderijo de Vegas! Encontrá-lo pode ser importante, pode nos dar alguma ideia de como melhorar esse estrago feito por Cavaleiro e libertarmos New World! Pode ser um tiro no escuro e mesmo sendo algo com poucas possibilidades, eu acredito! - diz Róguine. - Eu também acredito, vamos fazer de qualquer jeito, é por New World, mesmo por uma pequena possibilidade! - diz Rogério. - Não estamos aqui para passear e nos esconder, temos que colocar a nossa cara e continuar! - diz Léo. - Se é pra isso que estamos aqui, vamos em frente, qualquer oportunidade que aparecer temos que aproveitar, não estamos aqui à toa - diz Scott. - Começamos toda essa luta, agora temos que terminar, faremos tudo por Lara, Tomas, Robert, Alberto, Melissa, Natalie, Marina e todos que já se foram! Nosso papel é esse aqui - afirma Gabriel. - Senão der certo, o que importa é a nossa tentativa que é a mais nobre - diz Patrick. - Róguine, quanto tempo para chegarmos ao espaço? - pergunta Léo. - Umas duas horas e meia, poderia ser menos, mas não quero gastar muito combustível indo tão rápido! Essa nave tem que funcionar por muito tempo, vamos fazer uma viagem longa até Faquigrufa, caso de algum jeito não sejamos capturados, ainda estamos correndo algum risco - diz Róguine. - Mas a máquina rastreadora de Cavaleiro não foi quebrada? - pergunta Rogério. - Foi sim, não sei se há uma outra, acredito que não, mas vai que eles coloquem alguma coisa perto ou dentro do corredor de asteroides que rastreie mesmo assim, eu não sei, mas acho difícil! - diz Rog. - Quando estávamos na outra nave, Cavaleiro ainda achou ela mesmo você tendo quebrado o computador dela - diz Gabriel. - Com certeza aquela nave tinha um rastreador escondido que não achamos, por isso não escapamos! Já essa nave que é dele, provavelmente não tem rastreador algum, porque ele estava no bolso de Cavaleiro e foi quebrado, acredito que era o único, porque acho que ele não permitiria a mais ninguém rastrear a nave pessoal dele - afirma Róguine. - Então está explicado - diz Gab.


Três horas se passam e eles saem de Saumurto chegando ao espaço. - Última vez que ficamos no espaço foi quando ele nos capturou, aproveitem melhor esse lugar! - diz Rog. - Não sei porque não estamos flutuando - diz Claudia. - Essa nave tem uma tecnologia gravitacional, ela permite que a gravidade da Terra que também é utilizada nos planetas de New World seja usada nessa nave! Essa é a nave pequena mais completa e tecnológica que existe, acredito eu! Mas se vocês quiserem eu posso colocar a mesma gravidade do espaço, assim vamos flutuar - diz Róguine. - Então faça! - pede Lucimar. A gravidade tradicional da Terra é desativada e todos flutuam. Mais de uma hora depois, a nave chega perto do corredor de asteroides. - Estamos quase na mesma localização do corredor agora, vi aqui no mapa do computador da nave, com claro eu simulando a localização dele, já que mais ou menos a posição dele eu sei, eu estudei essa localização - diz Róguine. - Pelo visto você conhece muito sobre mapa espacial - afirma Leonardo. - Isso é obrigatório, eu sou um controlador de máxima experiência e antigo amigo de Victor Hudson, se eu não souber disso faça eu nascer de novo então! - brinca Róguine. - Eu vivi a época do Reinado Universal, não tem como eu não saber disso - continua ele. - Ah, tudo bem, pois eu já iria te chamar de analfabeto, juro - debocha Leonardo. - Lave a sua boca, amigo, que eu vou falar sobre o corredor de asteroides, algo mais relevante - debocha Rog também. - Durma com essa! - corneta Rogério. - A qualquer momento podemos entrar nesse corredor de asteroides, vamos rodear um pouco nesse lugar e quando tocarmos nele, vamos entrar no corredor, ele é invisível! - diz Róguine. Nove minutos se passam e a nave consegue tocar no corredor de asteroides. - É agora! - diz Gabriel empolgado. Róguine coloca a nave para entrar no corredor, ela entra e todos ficam maravilhados.


quarta-feira, 31 de julho de 2019

Missões - Episódio 98: Sacrifício

Presente...


Mais de quarenta minutos depois de todos terem sido presos no reservatório, a água que está saindo de uma grande bica começa a subir e eles ficam cada vez mais perto da morte. - Acho melhor, antes de todos morrerem, lembrarem de exatamente todas as coisas boas que vivemos, curtimos e passamos! Absolutamente tudo! - diz Leonardo. - A coisa que eu mais lembro foram os momentos que passei com minha namorada Marylin! Foram maravilhosos e Marylin foi a única coisa boa que eu tinha durante boa parte da guerra! Infelizmente ela se foi e o que me restou foi a lembrança de seu rosto e tudo que fizemos e enfrentamos juntos! Eu tinha dito uma vez que ela desapareceu, mas é duro pra mim falar a verdade, por isso eu menti! Porém Marylin sempre esteve na minha vida, mesmo que ela tenha morrido! Eu lembro dela todos os dias e sei que ela está aqui comigo ao meu lado, pois eu imagino-a junto a mim sempre! - diz Scott. - Apesar de eu ter nascido no caos, eu vivi durante boa parte do tempo em um lugar seguro, com meu pai, minha mãe, Patrick e minha vó! Era em um bairro pequeno na cidade de Kokuliva, simplesmente foram os melhores momentos de minha vida quando eu morei lá! Não tinha confusão, o lugar era seguro e o único que podíamos ficar, pois era perigoso sair! Mas o exército de Michael derrubou o lugar e tivemos que fugir a caminhões! Poderíamos morrer, mas estamos aqui perto aqui perto de sofrer o que temíamos! - diz Gabriel. - Nós jogávamos sinuca, futebol, vôlei e nos divertíamos naquele bairro como se não tivesse guerra! Fomos criados lá, por isso não sabíamos o quão aquela guerra era perigosa, mas aprendemos no dia que fugimos! O bairro inteiro era protegido por um grande muro que foi construído por pessoas que previram e esperavam a guerra a qualquer momento, já que ela estava prestes a começar por causa de revoltas! Mas eu lembro de muitos momentos que passamos lá, era uma paz imensa, parecia que estávamos em um planeta com estado normal! - diz Patrick. - Enquanto isso, a água vai subindo cada vez mais! - diz Cristiano lamentando. - Meus melhores momentos foram quando eu trabalhava e ficava com Marina! Eu amava o meu trabalho, viajava com minha esposa e aproveitava a minha vida como nunca! Isso acabou quando Paolo armou pra cima de mim e fez a minha vida virar uma decepção e tristeza enorme! Mas é melhor esquecer isso e lembrar do que é bom! - diz Rogério. - Quando eu morava com meu irmão, foi a melhor coisa que já me aconteceu! Vivíamos em uma fazenda que ficava perto de minha cidade, nós nos divertíamos plantando, colhendo, às vezes íamos para a cidade fazer compras e ir ao cinema! Claro, a nossa família ficava junto a nós, foi uma época que durou muito, mas coisas entraram no nosso caminho até eu estar aqui e Tomas ter esse destino que teve! Mas sempre quando eu lembro dos anos que passamos naquela fazenda, eu sorrio, mas agora eu choro! - diz Leonardo. - Eu irei dizer algo e vocês saberão o motivo de estarmos aqui! - diz Róguine. - Vai culpar alguém? Se for isso, é o momento errado! - diz Leonardo. - Não, muito pelo contrário, mas vou falar uma coisa que nenhum de vocês sabe! Espero que não fiquem tristes, mas é por um bem muito maior, um bem que pode acontecer! E por isso vocês possuem o dever de procurar esse bem. - O que você quer dizer com isso? - pergunta Rogério. - O Controle sempre teve o objetivo de tentar, de alguma forma, fazer tudo dessa galáxia mudar! Ele decidiu escolher as pessoas mais capacitadas de enfrentar um enorme desafio pra isso acontecer, só que essas pessoas são nós! - diz Róguine.


- Disso nós sabemos, mas não há nada que possamos fazer, estamos no fim da linha, infelizmente não deu certo pra nós e essa galáxia! - diz Scott. - Mas é aí que vocês se enganam! Nós poderíamos não estar aqui e essa galáxia não ter mais nenhuma esperança, mas estamos! Antes de atacarmos a prisão pra resgatarmos Leonardo e Lucimar, o Controle tinha me dito algo que tinha que acontecer pra que essa galáxia tenha chances de ser salva do mau que Cavaleiro da Morte causou! Ele disse que o único jeito de continuarmos nessa luta era nós sermos derrotados naquela prisão e sermos pegos! Porque se isso não acontecesse, a galáxia continuaria do jeito que está pra sempre! - afirma Róguine. - Então estamos aqui por causa de um plano? - pergunta Rogério. - Foi por causa de uma previsão do Controle que eu decidi esconder! Ele disse que eu devia esperar a hora certa para voltar a convencer vocês a continuar a lutarem! E a hora certa é agora! O Controle sabia das condições do nosso ataque a sabia também o que poderia acontecer pra aquele ataque dar errado! Ele não me disse o quê, mas eu sei que as coisas iriam acontecer conforme ele previu! E foi o que aconteceu, e estamos aqui prontos pra enfrentar e fazer o que deve ser feito! Se eu soubesse que perderíamos a custo de nada, não estaríamos aqui! Mas eu sei que perdemos por uma causa gigante, por isso devemos estar preparados pra enfrentar mais obstáculos! Não é hora de chorar, lamentar ou lembrar do passado! É hora de lutar, é hora de prepararmos as nossas forças pra nos levantarmos e fugir daqui! Perdemos? Sim! Estamos fracos? Sim! Mas nós temos o dever de darmos as nossas vidas para que as bilhões de pessoas que moram em New World que estão passando fome, sede e todo o tipo de sofrimento possível... passam a viver em paz! Temos que contra atacar o que Cavaleiro da Morte causou, temos que transformar e colocar de volta o que foi destruído, que foram a paz, a liberdade, propriedade e a vida! Eu sei que que é difícil, mas passamos por coisas terríveis, por isso devemos trocar as nossas forças e a nossa luta no bem maior que sabemos o que é! Caso vocês não queiram fazer isso e desistir, essa galáxia não terá mais salvação porque não terá mais esperança e a esperança somos nós! O Controle sabe o que somos capazes e o que podemos fazer, então levantem-se e vamos fortalecer a esperança e fazê-la acontecer! - diz Róguine. Todos pensam em tudo que Róguine disse. - Quer saber uma coisa? Eu vou continuar na luta! Chega de lamentar, temos o dever de fazer isso, é pra isso que estamos aqui, porque desistirmos é transformar tudo o que passamos em algo em vão! - diz Rogério. - Eu concordo, estou na luta também sem pensar duas vezes! - diz Leonardo. - Mesmo com tudo que sofremos, temos que nos levantar mesmo, eu estou dentro! - diz Cristiano. - Eu também estou! - diz Gabriel. - Inclusive eu! - afirma Patrick. - Sem dúvidas o que vamos fazer agora irá servir pra coisas muito maiores! Eu não tenho outra escolha, porque é a única! Eu continuo na luta também! - diz Scott. - Já que sabemos o que deve ser feito, vamos agir logo antes que a água comece a nos matar! Com toda a nossa força possível, nós temos que quebrar essas correntes que estão nos prendendo! Vamos começar logo! - alerta Róguine. Todos tentam fortalecer os seus poderes e tentam quebrar as correntes puxando cada mão pra um lado com toda a força possível. Róguine faz contato com o Controle e começa a fortalecer todos os seus poderes. - Fazer isso é bastante duro, acho que não vamos conseguir tão fácil! - diz Leonardo.


Após treze minutos de muito esforço e sufoco pra quebrar as correntes, com a água quase chegando aos pés deles, Róguine consegue quebrar a corrente com os poderes do fogo, força e choque. - Consegui! - diz ele. Róguine se pendura na corrente que estava preso e joga os seus poderes nas dos outros. - Precisamos nos apressar, temos que quebrar todas essas correntes antes que a água suba até a nossa cabeça! - afirma Róguine. Com mais facilidade na tentativa de quebra das correntes, Róguine consegue em poucos minutos ajudar a todos quebrarem as suas. - Ufa, conseguimos! - diz Rogério. - Agora vamos mergulhar até o fundo, tentar tirar a rosca e sair daqui! - diz Róguine. - Vamos ter que passar um sufoco agora, não podemos ficar muito tempo em baixo d'água! - diz Gabriel. - Mas nós temos, porque se não fizermos, quem vai fazer? - diz Leonardo. - Vamos logo, não podemos demorar um segundo! - diz Scott. - Calma, antes de fizermos isso, eu vou dizer quem vai tentar virar a rosca primeiro e quem vai esperar a vez para os outros subirem para tentar virar também! - diz Róguine. - Fale! - diz Cristiano. - Eu, Rogério, Scott e Gabriel vamos tentar primeiro! Cristiano, você espera com Patrick e Leonardo até eles subirem! - diz Róguine. - Ok, vamos lá! - diz Cristiano. Rogério, Róguine, Scott e Gabriel nadam até o fundo do reservatório e tentam virar a rosca e tirá-la com muita força. Eles conseguem tirar a rosca do lugar, toda a água desce e todos caem pra fora do reservatório. Após a queda, todos se levantam rapidamente, vendo que há uma grande cerca em volta do reservatório e ninguém no local, que possui muitas árvores em volta. - Essa cerca é muito grande, será que há um jeito de quebrá-la ? - pergunta Patrick. - O único jeito de sairmos daqui é escalando! - diz Scott. - Temos ainda muito o que fazer pra sair daqui, vamos escalar essa cerca agora antes que alguém nos veja! Quebrá-la pode causar barulho e atenção de guardas, não podemos correr esse risco, não temos armas e somos apenas sete! Vamos subir agora - diz Róguine. Todos correm para a cerca e começam a subir nela. - Tomem muito cuidado pra não caírem, segurem o máximo possível e vão com calma, temos que chegar até o topo logo! - afirma Róguine. - Isso não está nem um pouco fácil! - diz Gabriel. - Pode ser a nossa última jogada até tivermos um fim! - diz Patrick. - Mesmo assim seria um fim digno! - afirma Cristiano. - Estamos indo bem, só temos que manter a força! - diz Rogério. - Só que escalar isso aqui, com poucos lugares pra colocar o pé, é duro! - diz Leonardo. - É melhor a gente parar de falar e nos concentrarmos! Se alguém cair vai atrasar a fuga! - diz Scott. Alguns minutos depois, todos conseguem chegar ao topo da cerca e enxergam o vasto mato do lugar. - Isso aqui é muito grande e confuso, nós precisamos de um mapa para nos orientar! - diz Rogério. - Vendo algumas casas de longe e um restaurante perto daqui, já dá para perceber que não há só grama, pelo contrário, a grama está muito bem cuidada a não tem tantas árvores! Acho que esse local não é só um lugar simples com casas! - diz Róguine. - Quando descermos, nós conversamos e decidimos pra que lado vamos ir, temos que continuar! - diz Cristiano. Todos começam a descer da cerca e ficam por alguns minutos de dificuldade na descida, já que o ferro é bastante escorregadio. Eles conseguem descer no meio de algumas árvores que escondem-os. - Agora qual será o lado mais seguro de irmos? - pergunta Patrick. - Eu acho melhor nós não tentarmos adivinhar onde devemos ir, porque não sabemos onde tem guardas, onde não tem e onde é movimentado ou não! Precisamos de um mapa para isso como falamos antes! - diz Leonardo. - Eu concordo, nós estamos na maior enrascada possível, se não tivermos uma mapa, estamos longe de conseguir o que queremos e vamos perder de novo! - diz Scott.


- Há um restaurante perto como o Róguine disse, pode ser que achemos um papel, placa ou qualquer coisa que nos localize! - diz Cristiano. - Então vamos precisar matar alguém pra conseguirmos fazer isso! - diz Gabriel. - Vamos ter que fazer, Gabriel! É para isso que estamos aqui e é o porquê de estarmos em pé e vivos! - diz Patrick. - Eu nunca gostei de matar, mas infelizmente eu sou obrigado pela sobrevivência! - diz Gabriel. - Então vamos, precisamos nos apressar! - diz Scott. - Calma, antes de irmos, peço que vocês forcem mais os seus poderes e fiquem muito atentos, estamos prestes a fazer a maior luta que teremos em nossas vidas, pelo menos até ela acabar! - diz Róguine. - Como você sabe disso? - pergunta Patrick. - O Controle me disse! A hora da decisão se podemos dar esperança para a galáxia ou não, é agora! Antes de começarmos, vamos nos abraçar e desejar muita boa sorte, porque um de nós pode morrer, ou talvez mais de um! Não vai ser fácil, será quase impossível, por isso devemos nos preparar da maior forma possível tanto fisicamente quanto emocionalmente! É a grande luta de nossas vidas, ou nós seremos vitoriosos ou seremos derrotados! - afirma Róguine consolando todos. Eles se abraçam, todos choram e a preparação fica muito dramática e desesperadora. - Se não conseguirmos, nos tornaremos heróis fracassados que perderam a oportunidade de mudar o destino de algo gigante! - diz Scott. - Nós vamos conseguir e isso vai dar certo, porque se não der, certamente Cavaleiro da Morte vai continuar no poder e não vamos fazer nenhuma diferença e esse é o nosso papel, fazer diferença e salvar! Não vamos nos entristecer agora, vamos levantar as nossas cabeças, ser fortes e mostrar quem realmente somos aos que vão nos machucar e a Cavaleiro da Morte! - afirma Leonardo. - Ouviram ele, não é? Vamos lá e não abaixaremos a nossa cabeça! Eu tenho certeza de uma coisa, Cavaleiro da Morte se meteu com as pessoas erradas! - diz Rogério. - Então vamos lá! Vamos mostrar quem é que manda! - diz Gabriel. Assim, todos ficam um pouco mais confiantes e já partem para o restaurante. Chegando de frente ao restaurante, eles ficam atrás de algumas árvores e vigiam-o. Dois guardas saem do restaurante e ficam sentados em duas cadeiras para continuarem o trabalho. - Quem aparece de surpresa para atacar? - pergunta Rogério com voz baixa a todos. - Eu! - diz Leonardo. - Tome muito cuidado então, seja rápido e muito preciso! - diz Rogério. - Eu vou com você, é arriscado você começar sozinho! - diz Scott. - Ok! - diz Léo. - Um, dois, três... já! - diz Scott. Leonardo e Scott logo correm em direção aos guardas e antes de pegarem as armas dos bolsos, os dois logo dão um forte chute no rosto deles. Leonardo dá dois socos em um deles enquanto Scott dá um chute na barriga fazendo ele bater na parede do restaurante. Um dos guardas revida dando um grande soco em Leonardo fazendo-o cair. Scott leva três fortes socos, também cai e tem o rosto um pouco ensaguentado. Os dois guardas conseguem pegar as armas e apontam para os dois. - O que vocês querem aqui? - pergunta um deles. Rogério, Róguine, Gabriel, Patrick e Cristiano aparecem, os guardas reagem atirando, mas os cinco dão um grande pulo, chutam as suas cabeças e dão vários socos e chutes neles. Róguine usa o poder do fogo e joga neles, mas os guardas se defendem colocando os poderes de choque e furacão em volta deles. Todos tentam atacá-los, mas não conseguem pela forte defesa dos guardas. - Só esperem até Cavaleiro da Morte saberem que vocês estão fazendo isso! - diz um dos guardas, que faz ainda mais força para se defender com o seu poder do choque. Todos eles forçam ainda mais o ataque e os guardas ficam enfraquecidos com os seus poderes. De tanto segurar e não ter mais forças pra se defender com os poderes, os dois guardas tiram os seus poderes, estendem as suas mãos e se rendem. Róguine logo joga o seu poder do fogo nos dois, eles gritam por um rápido momento de dor e Scott pega as suas armas e atira nos dois matando eles. Scott dá uma das armas a Leonardo, os dois entram no restaurante e atiram em todas as nove pessoas que estão dentro. Elas morrem na hora e Róguine e os outros entram no local. - Fechem a porta, rápido! - pede Leonardo. Gabriel e Cristiano rapidamente fecham a porta de entrada no restaurante e todos observam o lugar. - Se espalhem e procurem algum mapa logo e verifiquem se há mais pessoas aqui! - diz Rogério. Todos fazem isso e uma moça sai do banheiro e se depara com eles. Scott logo levanta a sua arma para atirar nela. - Calma, não faça isso agora! - diz Leonardo. - Por que? - pergunta Scott. - Ela pode dar informações a nós, não podemos perder a oportunidade de fazer isso! - afirma Léo. - Ok, pegue uma corda pra amarrarmos-a! - pede Scott. - Pessoal, se alguém achar alguma corda, me deem por favor! - diz Leonardo.


Patrick acha uma, entrega a Léo e ele amarra a moça. - O que vocês querem fazer aqui? - pergunta desesperada a moça. - Queremos fazer o bem, mas pra isso precisamos fazer mais do que já fizemos agora! - afirma Gabriel chegando perto dela. - Ela não precisa saber de nada, a calada dá mais segurança! - diz Leonardo. - Ok então - diz ele. - Fique calada você! Se gritar ou fazer qualquer aberração, eu vou te matar! - diz Léo. - Ok! - afirma a mulher preocupada. - Encontramos uma placa perto do banheiro! - alerta Rogério. Leonardo, Scott, Gabriel e Patrick chegam onde os outros estão e vêem a placa. - Nós estamos em um sítio do exército enorme, praticamente no meio dele! - diz Róguine apontando para o restaurante em que eles estão no mapa. - Esse lugar é muito gigante, eu nunca imaginaria que estaríamos nesse tipo de local! - diz Cristiano. - Realmente! Sair daqui vai ser uma tarefa sofrível! - diz Patrick. - Vamos quebrar o plástico dessa placa, pegar o mapa dentro dele e fugir daqui! Precisamos perguntar várias coisas a essa mulher em outra área que tem muitas árvores! Rápido, ninguém pode nos ver! - alerta Rogério. Leonardo pega o mapa, Scott carrega a moça e todos logo saem do local indo para as árvores que estão atrás do restaurante, com todos estando com algumas armas nas mãos que eram das pessoas que eles mataram. Eles sobem em uma cerca de seis metros e vão para o meio da pequena floresta em que há apenas árvores. Scott coloca a moça no chão. - Quem é você e por que você está nesse sítio? - pergunta Leonardo. - Meu nome é Laryanne, eu sou namorada de um Soldado da Morte, eu moro aqui! - diz ela co medo. - Sabe onde estão os outros Soldados? - pergunta ele. - Estão todos agora no sudoeste desse sítio, na única entrada pública dele! - diz ela. - Sabe onde está Cavaleiro da Morte? - pergunta ele. - Quem são vocês e o querem? - pergunta Laryanne. - Aqui quem pergunta sou eu e quem responde é você! Se fazer isso de novo, você já sabe o que irei fazer! - ameaça Leonardo. - Tudo bem, está certo! Cavaleiro da Morte, até onde eu sei, saiu do sítio! - responde ela. - Onde ele foi? - questiona Léo. - Eu não sei! - afirma ela. Leonardo puxa-a pela gola de sua camisa. - Você está mentindo, eu sei quando mentem! Então é melhor você soltar a verdade de uma vez! - diz Léo. - Calma, não precisa ameaçá-la, deixe que eu faça as perguntas! - diz Rogério. - Ok, tente fazer melhor que isso! - diz Leonardo. - Deixe eu te fazer uma pergunta, você sabe o que Cavaleiro da Morte fez e concorda com o controle que Cavaleiro da Morte tem nessa galáxia? Fale a verdade, não vamos te machucar, queremos apenas informações e te deixamos em paz! - diz Rogério. - Então... não concordo! - diz ela. - Por que? - pergunta Rogério. - Cavaleiro da Morte é um genocida e é responsável por bilhões de mortes apenas para ser poderoso, meu namorado só é um Soldado da Morte porque é obrigado! - afirma ela. - Nós estamos aqui para lutar contra isso! Nós queremos que essa galáxia seja livre e justa após várias décadas de sofrimento e um poder tirano! Queremos mudar isso, passamos por muitas coisas difíceis até estarmos aqui lutando! Eu sei que parece esquisto apenas sete pessoas querendo mudar algo gigante, mas acreditamos no que estamos fazendo! - afirma Rogério. - O que querem fazer é impossível! Há um exército gigante que podem facilmente exterminá-los! É bom que vocês queiram que as coisas melhorem, mas vocês não estão percebendo a dificuldade disso! - diz Laryanne. - Nós somos capazes de fazer isso! Na verdade, somos capazes de qualquer coisa, o Controle sabe disso e por isso estamos aqui! - diz Rogério. - O que é Controle? - pergunta ela. - Não temos muito tempo, só precisamos saber como fugimos daqui! - alerta Scott. - Isso mesmo, precisamos imediatamente achar um jeito, estamos em risco enorme de falhar! - afirma Róguine.


- Se vocês tentarem fugir, só com as armas que vocês têm, não vão conseguir! Vocês podem serem muito fortes e poderosos, mas teriam que passar por cima de centenas de guardas e um exército muito grande! Apenas Cavaleiro da Morte poderia fazer isso, mais ninguém! - diz ela. - Então não tem um jeito de sairmos dessa? Não temos mesmo? - pergunta Patrick preocupadíssimo. - Sim, porque eu conheço um jeito, que é a única alternativa para vocês fugirem! - diz ela. - Fale logo que jeito é esse! - pede Leonardo. - Essa floresta em que estamos agora não existe à toa! Ela serve para proteger e cobrir uma pequena casa em que há apenas uma piscina dentro! E não é qualquer piscina, é uma piscina que possui uma água, que se alguém banhar-se com ela, fica extremamente poderoso! - afirma Laryanne. - Como assim? Qual é o sentido da existência dessa piscina? - pergunta Cristiano. - O motivo pode parecer estranho, mas é verdade! Nesse sítio há um teatro, e no teatro os Soldados da Morte fazem espetáculos usando algumas criaturas estranhas criadas pelo próprio Cavaleiro da Morte! Essas criaturas antes eram homens, mas foram capturados pelos Soldados e transformados em monstros apenas para participarem de peças de teatro! Elas andam de quatro pernas, têm dois metros de altura e comprimento, são azuis com escamas verdes com dentes enormes e olhos pequenos! Cavaleiro da Morte sempre fez isso e há muitas criaturas presas em uma grande casa que são treinadas para as peças! Nessa casa, outras são também criadas! Há diferentes tipos de criaturas, mas nesse sítio há apenas um, mas mesmo assim há muitos bichos desses aqui! Cavaleiro faz em muitos outros sítios também, pois é uma forma de entretenimento para ele! - diz Laryanne. - Mas o que aquela água que deixa alguém poderoso tem a ver com isso? - pergunta Gabriel. - O poder dado pela água é colocado nos bichos, e ele é usado para os espetáculos e as peças! Só que os bichos não fazem as suas próprias decisões, pois eles são controlados pelos Soldados da Morte em cordas que foram criadas exclusivamente para os monstros! Resumindo, os bichos são escravos! - diz ela. - Onde fica essa casa? - pergunta Rogério. - Fica no canto do sítio, é só vocês continuarem andando para o leste e encontrarão! Mas com certeza há guardas lá e eu apenas ouvi falar dessa casa, pois eu não tenho permissão nem de vê-la, apenas os Soldados da Morte! - diz ela. - É lá onde iremos então! - afirma Róguine. - O único caminho que temos que percorrer é esse! E você sabe onde fica a casa onde vivem as criaturas? - pergunta Scott. - A Noroeste do sítio! Alguém me dê o mapa, por favor! - pede ela. Leonardo entrega o mapa e ela aponta para a posição aproximada da casa. - É mais ou menos aqui que fica essa casa! - afirma Laryanne. - Obrigado por nos ajudar tanto assim! E desculpe por ser grosseiro com você no início, a nossa situação não é boa! - diz Léo. - Não tem problemas, eu compreendo! - diz ela. - Vamos agora tentar passar pelos guardas e nos banhar nessa água! Corra logo para onde você estava e seja discreta! - alerta Rogério. - Sim, estou indo! - diz Laryanne. Ela logo sai do local e caminha para o restaurante. - Vamos continuar a luta agora! Faremos isso pelo futuro, e também por Lara, Tomas, Robert, Natalie, Alberto, Melisse, Marina, Yuri e todos os nossos amigos que morreram injustamente! Nós perdemos tudo o que tínhamos, mas sobrou de nós uma coisa que ainda no resta que é a última a morrer, a esperança! Vamos! - diz Rogério. Todos começam a caminhar pela floresta para a casa onde há a piscina especial.


Eles chegam em frente à casa, escondidos atrás de algumas árvores no fim da floresta. - Tem dois guardas aqui, devemos atacar logo? - pergunta Patrick baixamente. - Vamos esperar para vermos se há mais por aqui! - diz Róguine. Quatro minutos se passam e nenhum outro guarda aparece. - Já podemos atacar, só precisamos atirar neles de uma vez e tentar entrar logo nessa casa! - afirma Leonardo. - Vou contar e vocês atiram! Três, dois, um! - conta Rogério. Todos logo atiram nos dois guardas sem parar. Os guardas tentam ver quem está atirando, mas morrem após muitos tiros de uma vez com balas muito potentes. Todos eles saem da floresta e correm direto para a porta da casa. Cristiano tenta abrir a porta, mas ela está trancada. - Procurem uma chave rápido! - pede Cris. Scott e Gabriel mexem nos bolsos dos guardas, Gabriel acha uma, entrega a seu pai e Cristiano abre a porta da casa. Todos eles entram na casa e Scott tranca a porta com a chave que ele mesmo achou em outro bolso de outro guarda. - Essa piscina é menor do que eu imaginava! - diz Scott. - Eu desconfio se o poder que essa piscina trás é tão grande assim! - diz Rogério. - Pelo que ela disse, é realmente grande! - afirma Leonardo. - O poder dessa água é a nossa única arma que pode nos tirar daqui! Sendo um poder muito forte ou não, isso pode nos facilitar muito! A cor dessa água, azul clara, é a mesma de uma bebida que os controladores usavam para ficar mais fortalecidos nos poderes! Mas talvez essa água seja diferente daquela bebida, mas com algumas coisas iguais - diz Róguine. - Você sabe dizer que poderes essa água pode dar? - pergunta Gabriel. - Acho que qualquer um, não sabemos muita coisa sobre isso, mas temos que aproveitar e tomarmos banho nela, é uma grande chance! - diz Róguine. - Ok, vamos! - diz Léo. Todos entram na piscina e mergulham na água fresca e limpa. - Vocês estão sentindo algo? Acho que o efeito da colocação do poder é imperceptível - afirma Scott. Todos começam a sentir uma enorme dor em seus corpos, com raios aparecendo em todas as partes. - O que é isso?! Eu não estou aguentando! - grita Gabriel. - Chega! Isso está nos matando, que macumba é essa? - reclama Leonardo. - Acalmem-se, vamos ter que aguentar isso por mais um tempo, é necessário! - diz Róguine sofrendo com todos. Um minuto se passa, a dor acaba e os raios desaparecerem acalmando-os. - Nossa, eu nunca tive tanta dor na minha vida, foi um dos meus piores minutos! - diz Cristiano. - Você já viu isso antes, Rogui? - pergunta Rogério. - Não, nem na minha época eu tinha sentido algo tão doloroso como eu senti agora! - afirma Róguine. Gabriel sai da piscina e dá um leve soco na parede, ficando surpreso com a potência que ele teve. - Pessoal, olha isso! - chama atenção Gabriel dando um outro soco, só que forte e quebrando com facilidade boa parte da parede deixando um grande buraco. - Uau! Não é que essa água dá muito poder mesmo? - diz Cristiano. - Duvido que essa água vai me dar o poder do fogo! - diz Leonardo. Léo usa uma técnica de usar poderes e descobre que está errado. - Eu não acredito! - diz Leonardo surpreendido por agora possuir o poder. Todos fazem essa mesma técnica e descobrem os seus novos poderes. Rogério sente que possui muito mais força do que ele tinha, Róguine percebe que todos os seus poderes ficaram extremamente mais fortes, Scott recebe um grande poder do choque e raios, Gabriel ganha o poder do furacão, Patrick recebe o poder de se transformar o seu corpo em um metal muito resistente e Cristiano consegue o poder do ilusionismo e de flutuar.


- Isso é incrível, eu tenho agora o mesmo poder que o Tomas e Natalie tinham! - diz Gabriel. - Estranho esse poder que tenho agora, mas é sensacional! - afirma Cristiano. - Agora precisamos sair daqui, não temos tempo, esse lugar é um pouco isolado, mas algum Soldado pode vir aqui! Vamos nos preparar para fugir daqui e lutarmos contra o exército! - diz Rogério. - Sim! Pessoal, vamos ter que ir agora, não temos tempo pra testar ou ficar vendo os nossos poderes, temos uma missão dificílima pela frente! - diz Róguine. - Agora chegou a nossa hora! - lamenta Gabriel. Scott coloca sua mão no ombro de Gabriel para o consolar. - Vamos fazer de tudo pra que ninguém se vá! Mas caso morrer seja necessário para salvar a galáxia, faremos! Não tem como salvarmos algo que já está perdido sem algum sacrifício! - diz Scott. Gabriel chora e se cala. Todos os outros fazem o mesmo. - Antes de irmos, vamos respirar fundo, ficarmos frios e calmos, porque o que vamos agora vai ser a nossa maior luta! - afirma Leonardo. - Eu não estou preparado! - diz Scott. - Nenhum de nós estamos, mas é algo que deve ser feito! Vamos deixar as nossas emoções de lado e encarar com facilidade isso! - diz Rogério enxugando suas lágrimas com a mão. - Ok, já ficamos mais que o tempo suficiente, precisamos sair logo daqui, estou muito preocupado! - diz Cristiano. - Ok, vamos! - diz Léo. Todos saem da casa e entram na pequena floresta que fica ao lado. - Gente, parem de andar um pouco e ouçam a minha ideia! - pede Leonardo. Todos fazem isso. - Por que não tentamos, de alguma forma, invadir a base das criaturas e soltá-las? Talvez elas sejam bons instrumentos pra fugirmos daqui! - dá a ideia Léo. - Mas e se as criaturas não forem amigáveis? - pergunta Scott. - Então tentamos mostrar de alguma forma que não queremos machucá-las! - diz ele. - Boa ideia, não é certeza se isso possa dar certo, mas pode ser o caminho mais fácil que passarmos por um exército inteiro sozinhos! - diz Rogério. - Nossa relação com as criaturas não é um grande problema, nós temos poder suficiente pra matá-las ou nos defendermos, a não ser que elas sejam mais fortes que nós! - diz Róguine. - São criaturas de circo, então eu acho que elas não são muito poderosas e nem possuem habilidades de luta ou matança, mas pode ser que seja o contrário, ainda mais que elas são obras de Cavaleiro da Morte! - diz Cristiano. - Então vamos fazer isso mesmo, certo? - pergunta Scott. - Sim, caso não der certo, nós tentamos o plano inicial de passarmos sozinhos pelo exército inteiro! - afirma Rogério. - Precisamos então invadir a base e passar por Soldados da Morte provavelmente! - diz Patrick. - E é isso que vamos fazer! - afirma Rogério. - Esforcem mais os seus poderes, vamos agora mesmo nos guiar pelo mapa até a base e fazer o que deve ser feito! Avante! - diz Leonardo. Ao lado da base, dois Soldados da Morte se sentam em um banco. - Você deu comida aos Cimons? - pergunta um deles. - Dei, eles estavam famintos depois do espetáculo de quatro horas! Ficaram mortos de cansado e estão dormindo até agora! - diz o outro. - Eles deram muito trabalho? - pergunta ele. - Sim, tiveram que tomar várias surras para fazerem as coreografias com mais rapidez! - afirma o outro. Duas pequenas bolas de fogo aparecem no ar e caem encima deles. Eles correm para dentro da base pra pararem as queimaduras e Scott e Cristiano dão alguns tiros neles. Os Soldados morrem na hora.


Todos eles vão para detrás da base. - Temos que abrir essa parede com muita calma e cuidado, alguém pode escutar tudo! - alerta Scott. - Deixem que eu mesmo faço isso! - diz Róguine. Ele coloca o seu poder do choque na parede para fazer um pequeno buraco nela. Uma parte pequena da parede é cortada e Róguine, com o poder do ar, flutua ela e coloco-a no chão de dentro da base. Eles entram na base dentro de um banheiro curto. Róguine coloca a parte da parede em seu devido lugar. - Agora vamos fazer o seguinte, o primeiro que vermos na nossa frente nós matamos na mesma hora! Temos que acabar com todos que estão dentro daqui! - diz Rogério. - É isso que eu ia dizer, mas já está falado! - diz Léo. - Vamos tentar escutar se há Soldados por aqui perto, vamos ter que começar a luta agora! - diz Cris. - Isso mesmo, agora por favor, fiquem quietos e só fazem o que ele disse! - diz Rogério. Algumas conversas são ouvidas de longe por eles. - Já sabem o que fazer, não? - pergunta Róguine. Todos confirmam balançando as cabeças. Leonardo abre a porta do banheiro e todos entram em um corredor. Um Soldado entra lá e Léo logo atira duas pequenas bolas de fogo com o poder do choque de Róguine dentro encima dele. O Soldado morre sem fazer algum barulho com uma morte súbita. Eles continuam andando pelo corredor e mais três aparecem. Todos atiram todos os seus poderes encima deles e mais uma vez matam rápido e sem provocar barulhos. Saindo do corredor, eles entram em uma cozinha sem porta, se encontram com cinco homens e Róguine, sozinho, atira fogo, choque e raios de trovões encima deles, assassinando-os com muita facilidade. Rogério rapidamente chega perto dele. - Como você conseguiu fazer isso tão fácil? - pergunta ele em sussurro. - Nem eu sei exatamente, mas aquele líquido é incrível! - afirma Róguine. Mais um Soldado, mas armado, entra na cozinha. - Deixem comigo! - diz Rogério baixo. Ele dá um salto no ar e um golpe com as duas pernas na cabeça dele. Chegando ao chão, derruba-o com um chute forte na perna, se ajoelha e dá cinco socos em seu rosto. Ele desmaia e logo Rogério se levanta e dá um chute em seu peito tão forte, que o mata.- Você tem razão, Rog! - afirma Rogério - Vamos sair daqui! - alerta Scott. Com eles saindo da cozinha, Gabriel pega a pistola do Solado morto por Roger. Outro corredor surge no caminho deles e mais cinco Soldados são mortos por Róguine e Léo. Eles chegam ao fim do corredor e acham uma porta, ouvindo algumas conversas atrás del. - Agora! Um, dois, três - conta Roger. Ele abre a porta se deparando com uma grande sala cheio de Soldados da Morte dentro e na hora todos jogam os seus poderes, com Gabriel jogando o seu poder do furacão, Róguine jogando o poder do trovão, Scott com seu poder do choque, Cristiano flutuando e atirando com seu poder, Leonardo jogando o poder do fogo, Patrick transformando um pouco de seu corpo em metal e Rogério lutando corpo a corpo. De uma vez Roger mata quatro Soldados da Mortes com seus chutes e socos letais. Róguine e Leonardo, com muita facilidade, atiram seus poderes em todas as direções matando logo onze. Gabriel leva dois tiros no braço após ficar poucos segundos sem jogar poder e atirando, mas logo retorna ao uso e consegue levantar seis Soldados até quatro metros acima do chão, e em uma velocidade imensa, joga eles de volta ao solo matando-os. Cristiano tenta fazer alguma ilusão com seu poder enquanto atira nos Soldados, mas não consegue. Todos os Soldados da sala morrem e Rogério e os outros vão muito discretamente para mais lugares da base, como quartos e banheiros, mas não acham mais nenhum outro Soldado.


Ao entrarem em mais um corredor, eles percebem através de rugidos que há salas com Cimons dentro. - E agora? Abrimos uma das salas ou não nos arriscamos? - pergunta Cristiano baixamente. - Temos que arriscar, não tem outro jeito, estamos aqui para fugir, sem esses bichos não conseguimos isso!  - diz Rogério. - E se eles forem nos atacar, forem mais fortes que nós e nos matarem? - pergunta Patrick. - Então pelo menos morreremos heroicamente tentando! - afirma Léo. - Eu abro dessa vez! - diz Scott. - Vai logo! - diz Roger. Scott conta até três, abre a porta e com eles já preparados para atirar em Soldados, encontram inúmeros Cimons presos em caixas de vidros transparentes grandes. Os bichos ficam assustados, gritam rugindo muito alto e batem nos vidros para saírem, porém eles são muito resistentes. - Ferrou! - lamenta Gabriel. - Tem de haver um jeito de calarmos eles! - diz Scott. - É melhor sairmos daqui! - diz Róguine. - Não! - diz Patrick. - Não tem outro jeito, vão nos descobrir aqui! - afirma Leonardo. Patrick, já transformado em metal, pega encima de uma prateleira alguns chicotes de ferro que dão choque, joga-os no chão e pula encima deles quebrando-os chamando a atenção de todos os Cimons. - Shhhhhh! - pede silêncio Leonardo aos bichos. Eles param de rugir e gritar ficando calados, vendo que Patrick destruiu os chicotes em que eles são maltratados. - Eu tive que arrumar um jeito deles confiarem em nós, então fiz isso! - afirma Patrick. - Bem pensado, mais alguns segundos e sairíamos daqui! - diz Rogério. - Será que ganhamos a confiança deles mesmo? Sei não, eles são bichos horrorosos - diz Cristiano. - Eu acho que sim, mas para termos certeza disso, vamos colocar nossas armas nos bolsos, estender nossos braços e abrirmos as portas dessas caixas para eles saírem! - diz Rogério. - Antes disso temos que saber se algum Soldado da Morte veio por causa dessa barulhada! - diz Leonardo. Rogério anda até a porta da sala, abre-a e observa o corredor. Não escutando nada e percebendo que o barulho não chamou atenção, ele fecha. - Ok, vamos fazer exatamente o que eu disse! - diz ele. As armas são colocadas nos bolsos e as mãos deles são estendidas. - Quem abre? - pergunta Léo. Eu! - diz Roger. - Deixe eu ir agora, você já foi! - diz Cristiano. - Não, eu sou mais rápido e ágil caso isso der errado! - afirma Rogério. - Fala sério, eu sempre sou um dos últimos a fazer coisas importantes, eu sou sempre coadjuvante! - reclama Cristiano. - Ok, abre a porta, chorão! - diz Rogério. - Pelo menos vou fazer uma coisa de muito destaque entre nós! - diz Cris. - Abre logo essa porcaria! - reclama Leonardo. Cristiano, com muito receio e se preparando para morrer, vira aos poucos a rosca da porta de vidro calmamente. Virando ela inteira e abrindo a porta, os Cimons saem dela, não atacam e ficam rodeando eles. - Que droga, o que eles vão fazer? - pergunta Gabriel desesperado. Rogério toca em um deles. O Cimon tocado lambe o rosto de Roger. - Eles confiam em nós, agora vamos soltar todos os outros, nos juntar a eles e tentar fugir daqui! - diz Rogério. - Sem demora, vamos antes que venham gente até aqui - diz Rógune. Eles saem da sala junto aos Cimons, entram nas outras e soltam mais deles. Com mais de sessenta Cimons juntos, Rogério e os outros lideram-os levando eles até uma grande quadra vazia que há na casa, onde no fundo dela há um portão grande que é a saída do lado dessa casa, que está fechado. Todos fazem silêncio para nenhum Soldado ouvir-os de fora da base.


Rogério sobe nas costas de um Cimon e tenta fazer um teste para ver se eles sabem correr bem, batendo em suas costas e o sacudindo um pouco. O teste dá certo, mas quando Rogério tenta fazer ele parar de correr puxando a sua cabeça, o Cimon não para e Roger cai. Com isso, o Cimon acaba parando a corrida. - Precisamos de cordas, com elas nós podemos avisar como eles podem parar quando começarmos a correr com eles até os portões do sítio! - afirma Rogério. - Do lado dessa quadra há um quarto abandonado aberto cheio de cordas, podemos cortá-los e colocar em cada um deles! - diz Leonardo. Assim, ele pega todas as cordas, cortam em pedaços e botam no pescoço de cada Cimon para a facilitação na locomoção neles. Fazendo isso, todos começam a subir neles para começarem a tentativa de fuga e lutar. Rogério abre o grande portão da quadra e anda até perto dos Cimons e de seus companheiros, subindo encima de um Cimon. - Essa é a luta que nos levantamos para fazê-la! Sofremos, fomos machucados, perdemos amigos, mas agora estamos aqui para fazer a nossa segunda chance! Podemos perdê-la ou podemos ganhá-la, mas estamos na luta mais uma vez para mudarmos o que fizeram com esse lugar que foi destruído injustamente! Já é hora de irmos, portanto, vou dizer de uma vez só... AVANTE, NEW WORLD! - exclama Rogério. - AVANTE! - exclama todos os outros juntos. Assim, puxando todas as cordas, todos os Cimons começam a correr em uma enorme velocidade e ultrapassam o portão a caminho da saída longa do sítio em campo aberto. - Seguram firme, eles estão indo cada vez mais rápido! - diz Scott. - Nós estamos, cair daqui é o que não podemos fazer de jeito nenhum! - afirma Patrick. - Preparem-se para o ataque dos Soldados, eles já vão ver que vamos se aproximar, faremos uma luta direta de exército com exército de frente! - afirma Rogério. - Vou fazer o maior número de bolas de fogos nesses imbecis! - diz Léo. - O maior número de poderes é o que devemos usar! - diz Róguine. - Esse campo é infinito, que droga é essa? - afirma Gabriel. - Você nem deve ter olhado para o tamanho desse sítio no mapa! - diz Cristiano. Em um grande campo de concentração dos Soldados da Morte no meio do sítio, três deles observam em uma torre de vigilância os Cimons se aproximando para fugir. Eles avisam ao rádio de emergência a todos os outros Soldados sobre a tentativa de fuga. Rapidamente em poucos minutos todos os Soldados da Morte pegam bombas e todas as armas possíveis e a maioria do sítio consegue se reunir no campo de concentração para atacarem. Mais de cem deles preparam as bombas, tanques, pistolas, metralhadoras, granadas e outros tipos de armas para atirarem de longe sem precisar se chocarem com os Cimons. Róguine pega um binóculo no seu bolso e vê bem de longe os Soldados já se preparando. - Escutem logo, centenas já estão no campo de concentração com bombas e tudo! - alerta ele. - Então deu tempo deles se ajustarem! Que droga! - reclama Rogério. - Vão nos botar no fundo do poço agora, vamos morrer! - diz Scott. - Não se nos esforçarmos uma barbaridade! - diz Cristiano. - Se aparecer qualquer bomba ou algo assim, desviem na hora! Fiquem totalmente em atenção, a qualquer momento podemos morrer! - diz Roger. O Soldado de Morte líder do sítio sobe em um enorme tanque, pega o binóculo e observa a aproximação das criaturas. - Escutem-me todos agora, COMECEM A ATACAR! - ordena o líder.


Várias granadas e bombas poderosas são soltadas pelo ar. - Olhem lá, cuidado! - exclama Scott. As bombas e granadas logo atingem os Cimons e na hora Rogério, Leonardo, Cristiano e os Cimons embaixo deles rolam no chão desviando, logo se levantando em estado de desespero. Quatro Cimons morrem na hora com as três bombas, e granadas de menor poderio caem sobre todos eles. Scott, Gabriel, Róguine e Patrick, que estão mais atrás, pulam para o lado com outras criaturas desviando de inúmeras granadas. Um Cimon morre pela granada. Mais duas bombas são atiradas pelo ar e Rogério e Scott com seus Cimons pulam alto desviando a centímetros de uma delas. A outra atinge dois Cimons e mata-os. - A maioria consegue resistir! - afirma o vice líder dos Soldados no campo de concentração. - Então todos colocam quatro mini bombas atômicas de uma vez! - ordena o líder. Elas logo são jogadas pelo ar. Vendo as bombas, todos correm para o lado direito juntos pulando em uma intensa velocidade. As bombas chegam ao solo e fazem um enorme estrago fazendo um grande incêndio e buraco na grama. Grande parte da potência da bomba chegam aos Cimons machucando-os seriamente, inclusive Roger e os outros. Logo dez granadas são jogadas na exata direção de todos. Eles pulam e rolam pelo chão para desviar, porém doze são atingidos e ficam no chão sangrando se preparando para morrer. Leonardo tira uma fortíssima metralhadora de seu bolso, mira em frente e logo atira de uma vez de longe para atingir os Soldados. - Isso não vai ajudar em nada, solta isso! - alerta Róguine. Léo faz isso. Mais trinta granadas são atiradas e seis Cimons morrem na mesma hora, enquanto o resto continua na corrida. - Glenn, as granadas estão se esgotando e as mini bombas atômicas acabaram, o que fazemos? - pergunta o vice líder. - Vamos atirar todas as granadas que sobraram, incluindo as duas bombas mais fortes que temos, nós vamos exterminá-los logo, pode ter certeza! - diz Glenn. As últimas granadas existentes são atiradas no ar e uma das duas bombas também. A correria continua e a bomba atinge metade dos Cimons, inclusive Rogério e todos os outros fazendo eles caírem e oito Cimons morrerem. Já as granadas atingem os Cimons que não foram atingidos pela bomba e matam três. Enquanto ficam caídos, a outra metade dos Cimons segue a corrida. Eles imediatamente se levantam com os bichos resistindo a dor e os danos em seus corpos, sobem nos Cimons e todos os bichos sobreviventes tornam a correr. - Eu não acredito que passamos por isso, inacreditável! - comenta Patrick. - Com aquele nosso banho, ficamos muito mais resistentes, isso quer dizer muita coisa! - diz Scott. - Por exemplo, o que eu pensei agora! - diz Róguine. - Qual a sua ideia? - pergunta Léo. Róguine comenta sobre a ideia enquanto Glenn e o vice líder do sítio ajeitam a última bomba para o último ataque a distância deles. Após ajeitarem, eles atiram a bomba no ar. - Você já sabe como fazer, não é, Gabriel? - pergunta Róguine. - Sim, claro! - afirma ele. Com a bomba chegando a poucos metros de todos eles, Róguine e Gabriel utilizam o poder do furacão e conseguem segurar com muita força a bomba. - Eu não vou conseguir resistir isso por muito tempo! - diz Gabriel enquanto segura a bomba junto com ele na correria. - Quando eu falar já, nós vamos com toda a força possível jogar essa bomba pra longe daqui! - afirma Róguine. - Não sei se vai dar certo! - afirma Gabriel. - Isso tem que dar certo! Se não der, não há outro jeito de sobrevivermos agora! - diz Róguine. - Ok, vou tentar! - diz ele. - Vou contar! Um, dois, três! - conta Róguine. Na hora, a bomba é atirada pelos dois um pouco longe deles, explode na grama e a potência chega a dez dos Cimons que estão mais atrás, que caem, mas depois se levantam. - Conseguimos! - comemora Gabriel após muito drama e esforço.


- Nós estamos muito perto de chegar ao campo de concentração, não sabemos se eles possuem mais armas, mas nós temos que chegar até eles pra batalharmos frente a frente! - diz Rogério. - Eu acho melhor descermos deles pra lutarmos com mais facilidade! - afirma Leonardo. - Bem pensado, vamos descer agora dos bichos! - pede Rogério. Todos fazem isso e correm a pé ao lado dos Cimons. - Eles estão demorando muito para voltar a atacar, o armamento deve ter acabado! - diz Cristiano. - Então vamos preparar o nosso próprio! - diz Gabriel. Todos começam a colocar os seus poderes à ativa se preparando para o ataque. No campo de concentração, todas as armas se esgotam. - O que vamos ter que fazer agora? Eles estão muito perto de nós! - diz o vice líder. - Já que essa é a luta deles, vamos fazê-la! Escutem-me todos, na hora em que eles estiverem a poucos metros de nós, vamos atacá-los frente a frente! - diz Glenn. - Depois desse tempo todo sem ataques, de fato eles não têm armas grandes! - diz Patrick. - Atenção, estamos a apenas trezentos metros deles, é agora ou nunca a decisão do destino de New World! É hora de colocarmos tudo pra fora e dar um basta em tudo! É hora de tirarmos cada sangue deles e mostrar quem somos! - diz Rogério. - Vamos agora mesmo atacá-los! - ordena Glenn. Todos os Soldados saem do campo de concentração com pistolas e outros tipos de pequenas armas e correm para começar o ataque. - Eles já estão atrás de nós! - diz Scott. Segundos depois, tanto os Cimons quanto os Soldados se vêem de frente. - É AGORA! - grita Rogério. Assim, os Cimons se chocam com os Soldados e começa a luta frente a frente. De uma vez, os Cimons atropelam vinte Soldados da Morte matando eles. Gabriel usa o poder do furacão, segura dois Soldados e joga eles para longe enquanto dá inúmeros golpes e pulos. Leonardo dá vários golpes com as pernas e braços enquanto joga fogos em todos os Soldados entre ele. Róguine usa o choque e consegue matar cinco de uma vez. Quinze Cimons são mortos e alguns fogem rumo ao portão do sítio, enquanto a maioria luta. Cristiano tenta flutuar entre todos e consegue, mas muitos Soldados atiram nele. Assim, ele voa e desvia de inúmeros tiros, enquanto recebe alguns que o machucam. Rogério tenta matar o máximo de Soldados possíveis fazendo uma enorme quantidade de golpes em segundos, matando dez de uma vez e não conseguindo matar outros. Patrick tem o corpo inteiro com pele de ferro e tem dificuldade para dar golpes pelo peso que o ferro possui, mas consegue matar alguns e leva muitos golpes dolorosos. Scott também fica com dificuldade, mas ainda assim mata seis de uma vez e fica preso entre alguns levando muitos tiros. Cristiano tenta fazer algum tipo de ilusionismo, mas de tantos tiros que estão dando, acaba tendo que se concentrar nos desvios. Ele entra entre os Soldados, ajuda Gabriel que está tentando segurar alguns Soldados e pega uma metralhadora. Ele volta a voar e enquanto desvia das balas, atira em muitos Soldados matando alguns. Em uma enorme velocidade, Rogério mata dez Soldados de uma vez com socos e chutes e depois fica mais cansado levando muitos golpes e tiros, mas continua a lutar. A luta fica cada vez mais intensa e muitos Cimons conseguem matar vinte e seis Soldados, mas a maioria dos mais fortes logo morrem com os tiros e golpes dos Soldados não resistindo. Cinco Cimons desistem da luta e correm para o portão. A maioria continua lutando. Cristiano leva um tiro no olho e sem querer derruba a metralhadora preocupando a todos. Leonardo dá um pequeno salto, corre na cabeça de três Soldados e dá um enorme salto girando de trezentos e sessenta graus fazendo um grande círculo de fogo.


O círculo de fogo cai e mata sete Soldados na hora. Leonardo tenta fazer isso mais uma vez, mas cai de cabeça no chão e é espancado por seis Soldados, que também atiram nele muitas vezes. Muito perto de sua morte, Rogério e Scott ajudam-o e dão inúmeros chutes no ar em todos eles mantendo a velocidade intensa, Leonardo se levanta e solta todo o seu poder do fogo neles e consegue, com as mãos de Rogério e Scott, matarem dezesseis Soldados. Os Cimons ficam mais rápidos nos golpes e um deles começa a fazer um giro muito rápido para atingir os Soldados. Outros onze Cimons fazem isso e logo sete Soldados são atingidos e caem. Quatro deles morrem, mas Gabriel e Róguine, juntos, pegam os outros três com seus furacões e jogam eles para longe. Depois vários outros Soldados os atacam e Gabriel começa a fazer golpes de kung fu e Róguine passa a usar o poder do ar para se defender um pouco. Patrick se acostuma mais com o peso de seu corpo e consegue com muito mais rapidez dar socos e chutes mortais em todos os Soldados ao redor fazendo alguns desmaiarem e outros morrerem. Os doze Cimons continuam dando os giros e matam mais dez Soldados. Sete Soldados atiram nos Cimons que estão girando e Leonardo logo joga fogo em todos matando-os. Róguine, completamente cansado, sobe em um Cimon e com ele começa a atropelar todos os Soldados pela frente matando muitos. Mas o Cimon é recebido com um forte tiro na cabeça e cai junto com Róguine morrendo. Róguine se levanta e é cercado por vários Soldados que atiram sem parar nele. Mas ele usa o poder do ar para sua defesa e consegue segurar todas as balas em sua direção. Com isso, Leonardo, Rogério e Cristiano se juntam e começam a lutar contra eles. Leonardo atira fogo em todos eles uma grande rapidez, Rogério continua dando golpes e Cristiano atira enquanto flutua em uma pistola que ele roubou. - É o Róguine que está se defendendo! - afirma Cris. Rogério e eles conseguem matar todos os Soldados que cercaram Róguine. - Essa foi dura, hein! - diz Rogério. - Vamos terminar com isso de uma vez! - afirma Róguine, segurando as balas ainda. Sobrando trinta Soldados para matar, logo todos eles se juntam. - Se preparam, porque pode ficar mais complicado ainda! - diz Leonardo. - A parte mais difícil já passou, mas precisamos acabar com essa luta de uma vez pra ficarmos livres! - diz Scott. Todos os Soldados restantes se juntam e correm em direção a eles. Logo Róguine atira as balas com o poder do ar em cada Soldado. Assim, logo dezesseis deles morrem. Os outros catorze atiram neles sem parar e Scott leva oito tiros letais no peito com balas poderosas e se joga no chão. Ele grita sem parar e Gabriel para de lutar para ver como ele está. Todos os outros lutam um do lado do outro desviando das balas e atacando com seus poderes. Os sete Cimons que ainda não fugiram ajudam-os dando vários golpes com as patas. Não resistindo às forças deles e dos Cimons, eles conseguem terminar de matar todos os Soldados da Morte em batalha. Os Cimons restantes logo partem para o portão do sítio em busca da fuga. Eles correm para ver o que aconteceu com Scott. - Scott, por favor, me responda, você está bem? - pergunta Gabriel aterrorizado. - Precisamos sair daqui, você consegue se levantar? - pergunta Patrick. - Não! Eu... não estou... conseguindo falar muito! - afirma Scott com dificuldade de respiração. - Preste atenção, você está com muita dor? - pergunta Cristiano com muita tensão. Scott balança a cabeça confirmando. - Meu Deus! - se preocupa Leonardo.


- Você tem certeza que não vai conseguir se levantar? - pergunta Rogério. Scott tenta fazer isso levantando um pouco as suas costas, mas a dor é tão forte que ele coloca o corpo inteiro de volta à grama. - Precisamos socorrer ele, a situação dele é muito séria! - diz Cristiano. Uma grande quantidade de sangue sai de seu peito fazendo todos ficarem em silêncio. Róguine logo tenta colocar de volta o sangue em seu corpo, e consegue, mas Scott cospe sangue e se prepara para morrer. - Tem de haver um jeito! Isso não pode acontecer! Vamos correr até o portão, fugir daqui e fazer alguma coisa! - diz Patrick às lágrimas. Scott tenta falar, mas continua cuspindo sangue se virando um pouco ao lado para isso. - Vamos sair daqui logo com ele, o que estamos esperando? - pergunta Leonardo desesperado e com enorme tristeza. - Não... há um outro jeito! - afirma Scott. - Claro que há, nós vamos conseguir te salvar! - diz Cristiano. - Meu coração já foi afetado, então fujam...logo...daqui! E salvem New World! - diz Scott perto da morte. - Não! Isso não vai acontecer! - diz Cristiano não aceitando. - Cris, não há o que possamos fazer! - diz Róguine. - Claro que há, pare de falar besteira, ele vai resistir! - afirma Cristiano. - Não vai, infelizmente já acabou tudo pra ele! - lamenta Leonardo. Todos ficam perplexos e começam a ficar de luto silenciosamente. - Sentirei falta de você, amigo! - diz Cristiano de joelhos. - Eu não consigo acreditar! Logo agora que vencemos! - lamenta Patrick. - Prestem atenção, não podemos mais ficar aqui, estou ouvindo pessoas que estão vindo pra nos atacar, não temos tempo! - alerta Rogério. Assim, todos se levantam. - Tenham... sorte nessa! Que Deus o protejam! - diz Scott atordoado esperando o seu fim. - Adeus! - dizem todos com um sentimento de derrota e tristeza profunda. Assim, sem perder tempo, eles começam a correr para os portões. Scott olha para o céu, exalta mentalmente pelo o que fez por New World e fecha os olhos para morrer. Enquanto eles correm para o portão, alguns Soldados sem equipamentos tentam atacá-los, mas não conseguem por causa da velocidade alta que eles estão correndo. Dois minutos depois, eles chegam de frente ao portão destruído pelos Cimons, são atacados por sete Soldados da Morte que estão encima do muro atirando, mas eles passam pelo portão e saem do sítio. Os Soldados descem do muro e correm para tentar matá-los. Rogério e os outros no caminho acham pequenas oito naves pretas presas no chão a correntes. - Parem de correr! - pede Róguine. Todos fazem isso. - Já sabem o que fazer, não? - pergunta Rog. Os Soldados logo atiram neles de perto. Róguine usa mais uma vez o poder do ar e coloca em volta a todos segurando as balas. Um minuto e meio depois, todas as balas deles acabam. Róguine joga todas as balas encima deles de volta matando todos eles. - Temos que fugir daqui com uma dessas naves, vamos quebrar uma corrente! - dá a ideia Rogério. Sem demorar, Leonardo logo atira o poder do fogo em toda a corrente de uma nave junto com Róguine. Ela queima e consegue ser destruída. Rogério tenta abrir a porta da nave, mas ela está trancada. Logo ele quebra uma das janelas dela e entra, com os outros fazendo o mesmo. A nave apita alto por causa da quebra da janela e Róguine senta na cadeira da frente para pilotá-la. - Vão nos encontrar aqui, esse barulho tem que parar! - diz Cristiano. Gabriel sai da nave e dá um forte soco na pequena caixinha de som quebrando ela e volta à nave. - Resolvido! - diz ele. Róguine pega a chave da nave que pegou de um Soldado na luta em seu bolso e liga o motor da nave. Após isso, ela começa a correr para decolar. Segundos depois, a nave decola e rapidamente chega até as nuvens. Róguine checa pelo computador da nave se a força Eingang Ohne está desativada, e vê que não está. Ele logo quebra o computador da nave para ela não ser rastreada. Róguine também abre uma gaveta da nave para ver se há um GPS, e encontra. Após isso, a nave vai a caminho das nuvens para ir para bem longe do sítio pra eles se asilarem em algum local.


- Mesmo naquela situação difícil, nós conseguimos fugir! - diz Leonardo. - Fizemos isso, pegamos eles desprevenidos, mas isso custou a vida de Scott! - afirma Cristiano. - Não foi algo fácil de ser feito, lutamos e demos nosso sangue pra conseguir o que conseguimos, mas sofremos muito agora, mais do que comemoramos! - diz Patrick. - Eu pensei que todos sairiam com vida, já que estávamos no estágio final da luta, mas Scott teve o azar e infelizmente vamos continuar na luta por New World sem ele! - lamenta Rogério. - Ele foi o meu melhor amigo desde quando eu o conheci! Tinha espírito de líder e nunca deixava alguém na mão! Scott me ensinou a ser forte e nunca desistia de lutar para o que era certo, eu nunca pensei que justo naquele momento isso aconteceria, foi uma infelicidade em um momento muito inoportuno! - lamenta Cristiano. - Ele já chegou a desistir de lutar! Na época que morávamos na comunidade, ele tentou se matar por ele ter sacrificado as pessoas que o seguiam para não lutar há anos atrás! Ele tinha um remorso enorme, ele não estava conseguindo conviver com isso, mas eu mostrei a ele que não era pra ele fazer isso, disse que ele tinha o dever de lutar por essa galáxia e hoje vemos o quanto ele nos ajudou! Ele chegou a desistir, mas voltou atrás e continuou ao nosso lado! - diz Róguine. - Scott vai deixar um legado para a luta que estamos fazendo, assim como todos que morreram nas mãos de Cavaleiro da Morte! - afirma Rogério. - Róguine, para onde vamos ir, já que não podemos ir para o espaço? - pergunta Leonardo. - Não sei, mas tem que ser um lugar bem escondido, não podemos ser descobertos fácil! O GPS pode dizer onde iremos, mas o nosso principal guia será o Controle, ele é a nossa única esperança junto com o Pai! - afirma Róguine. - Que dê tudo certo para a nossa viagem, precisamos de muita força depois desse momento horrível - diz Gabriel. No mesmo momento, uma grande explosão acontece atrás da nave quebrando a parte de trás. - O que foi isso? - se preocupa Leonardo. Todos acabam se assustando. - Alguém deve ter achado essa nave, o motor dela foi danificado, ela vai cair! - alerta Róguine com medo. Assim, todo o óleo do motor vaza em segundos e a nave começa a cair rápido. Róguine logo usa o poder do ar pra segurar todos, mas não consegue segurar a nave, pois ela está em puro movimento. Cristiano consegue flutuar e Gabriel se segura sozinho com o seu poder do furacão. Pouco tempo depois, a nave cai no solo e começa a pegar fogo. Róguine joga o poder da água em toda a sua volta e apaga o incêndio. Todos se machucam um pouco na queda. - Consegui segurá-los a tempo! - diz Róguine. - Precisamos saber logo quem nos atacou! - diz Patrick. - Dê-me o seu binóculo, Rog! - pede Cristiano. Pegando o binóculo, ele se levanta, sai da nave e tenta ver se há alguém de longe. Droga! - lamenta ele. Os outros saem da nave também. - O que você está vendo? - pergunta Rogério. - Cavaleiro da Morte! - responde Cris. Eles ficam de boca aberta e surpresos. - Ele está acompanhado de alguém? - pergunta Léo. - Não, só tem uma nave pousada e ele andando em direção a nós! - afirma Cris. - O único jeito de resolvermos isso é atacarmos ele! - diz Róguine. - E é o que vamos fazer! Vamos nos esconder dele nas árvores dessas montanhas e pegar ele de surpresa depois! Temos que criar um plano rápido! - diz Roger. - Enquanto vocês tramam, eu o distraio! - diz Cristiano. - Ok, vamos logo, ele está se aproximando! - diz Rogério. Eles não perdem tempo e logo se escondem. Cristiano caminha para conversar com Cavaleiro da Morte. Após alguns segundos, Cavaleiro o avista de longe.


Um minuto depois, eles se vêem frente a frente. - Vocês não desistiram mesmo, não? - diz Cavaleiro. - Não somos covardes, lutamos para o bem estar dos outros, diferente de você! - afirma Cristiano. - Achei interessante a força de vontade que vocês têm! Conseguiram fugir da morte quase inevitável, soltaram as criaturas de minha propriedade e ainda mataram todos os meus Soldados experientes dentro daquele sítio! O que eu devo fazer pra colocar vocês na linha? - pergunta Cavaleiro. - Talvez nos matar? - debocha Cristiano. Cavaleiro da Morte ri. - Boa ideia sua, talvez sofrer por anos não seja a solução e sim a morte! Vocês talvez sejam loucos o suficiente para não saberem quem eu sou e ainda pisarem na bola comigo de novo! Se já não basta acabarem com minha prisão, ainda matam centenas dos meus Soldados, vocês realmente não me conhecem, mesmo assistindo o sangue de seus amigos escorrerem e mesmo também verem os órgãos deles para fora! Isso foi divertido e incrível, não foi? - diz Cavaleiro da Morte. - Nós conhecemos você, sabemos o que é capaz e tudo que fez, por isso estamos agora de pé na luta contra o senhor que destruiu a paz de bilhões de pessoas e tirou a vida de bilhões também! Você é um covarde nojento que não sabe viver sem prejudicar os outros, o meu amigo morreu hoje por honra e o mínimo que eu posso fazer é te matar e livrar New World de você! - diz Cristiano. - Palavras fortes, Cristiano! Só que há uma barreira enorme que você não pode ultrapassar, essa barreira sou eu! Suas ideias ridículas não vão fazer sua galáxia medíocre se livrar de mim! Quem tem poder para fazer algo para o bem próprio, faz! Você não tem, e nem a sua galáxia, então, meu amigo, você se meteu com a pessoa errada! - diz Cavaleiro da Morte. - Não, é você que se meteu com as pessoas erradas! - afirma Cristiano. Uma enorme rocha cai sobre Cavaleiro da Morte. - Boa, Roger, caiu certo! - diz Leonardo. - Vamos nos preparar antes que ele levante essa rocha a tempo! - diz Róguine. Cavaleiro logo levanta a rocha. Rogério pula e dá um forte soco no rosto dele. Após isso, Leonardo começa a jogar o poder do fogo encima dele. Cavaleiro logo afasta o poder na hora com o poder furacão enquanto Patrick chuta as costas dele. Cavaleiro dá um grande chute em Patrick e joga ele para trás. Róguine joga muita quantidade de ar encima do rosto de Cavaleiro para o atrapalhar na luta e Leonardo pula e chuta cabeça dele, enquanto Rogério, Cristiano e Patrick tentam o segurar tentando prender seus braços e pernas. A ideia não dá certo e Cavaleiro pula, se solta e chuta o rosto de todos eles. Cavaleiro usa o poder do furacão enquanto Róguine faz o mesmo, fazendo o ar de cada um se chocar. Leonardo chega por trás e joga mais uma vez fogo em Cavaleiro. Cristiano consegue fazer uma ilusão simples de um sol e coloca na cara de Cavaleiro, fazendo ele não enxergar muita coisa. Assim, Leonardo continua a jogar fogo e Rogério e os outros tentam fazer uma outra forma de ataque, com todos continuando a dar socos e chutes. Cavaleiro logo chuta o rosto de Gabriel de volta, pega ele e o joga pra bem longe machucando sério. Cavaleiro logo dá vários socos neles, consegue pegar Leonardo de trás e o joga ele no chão com um braço. Ele chuta a sua cabeça duas vezes fazendo ele sangrar um pouco e depois joga o poder do choque em Rogério, Cristiano, Patrick e Róguine. Patrick logo corre e dá três socos nele, mas Cavaleiro chuta três vezes as suas pernas, o derruba e chuta a sua cabeça várias vezes, com ele transformado em metal. Róguine joga o poder do choque e do fogo ao mesmo tempo em Cavaleiro da Morte, e ele usa o poder do furacão para segurar os dele.


Patrick se levanta e ataca com vários chutes em suas costas. Enquanto Cavaleiro continua fazendo uma grande força para resistir os poderes de Róguine, Cristiano flutua e cria uma ilusão de estrela colocando na frente de seus olhos. Rogério chuta as pernas de Cavaleiro quatro vezes e ele mais uma vez chuta Rogério, mas agora no queixo, e o derruba fazendo ele ter muita dor. Gabriel retorna à luta e ajuda a Róguine com o poder do furacão para os poderes de choque e fogo chegarem a Cavaleiro. Com ele fazendo isso com toda a força possível, os poderes chegam a Cavaleiro e ele se queima enquanto leva choque. Ele grita de dor e Cristiano dá vários socos sem parar em suas costas. Leonardo se levanta após um golpe fatal na cabeça e torna a jogar fogo. Cavaleiro se revolta, atira choque em Leonardo fazendo ele cair, corre e mesmo com Róguine e Gabriel jogando os poderes, ele dá seis chutes e socos nos dois, Gabriel cai e Róguine revida com dois fortes socos cortando um pouco o rosto dele. Gabriel tenta dar um soco nele, mas Cavaleiro segura o seu braço e aperta-o até esmagar completamente. Róguine continua o agredindo e ele solta Gabriel mais uma vez jogando ele para longe. Cavaleiro rapidamente pega Róguine pelo pescoço e o enforca. Rogério dá um fortíssimo chute em suas pernas fazendo ele cair e soltar Róguine. Rogério dá um chute fatal em seu rosto fazendo ele sangrar. Tornando a fazer um chute, Cavaleiro pega uma de suas pernas, se levanta, segura Rogério e taca ele no chão fazendo ele ter um sangramento na cabeça. Leonardo tenta jogar fogo nele, mas Cavaleiro logo usa o poder do ar e faz o fogo retornar a Léo, que desvia. Patrick corre em direção a ele, pula, mas é recebido com um chute na barriga por Cavaleiro. Enquanto isso, Róguine volta a jogar choque e fogo nele, mas Cavaleiro, com toda a força, se defende com mais facilidade e ainda faz o fogo e os choques voltarem a ele, que recebe os poderes e cai gritando de dor. Cavaleiro logo chuta suas costas, mas Rogério se levanta, pula e segura o pescoço dele o enforcando. Cavaleiro se mexe bastante, soca Rogério por trás e logo corre e bate as suas costas fortemente em uma árvore machucando Roger para ele cair, e acontece. Gabriel chega perto após cair em uma montanha, tenta levantar um pouco Cavaleiro com o poder do furacão e consegue. - Vão logo! - diz ele. Leonardo logo faz um fogo em um formato de corda e prende os braços de Cavaleiro com eles, Róguine coloca três facas girando em torno de suas pernas e um choque permanente em sua barriga fazendo ele ter uma enorme dor, Cristiano faz uma outra ilusão, agora como uma luz de sol fazendo ele não enxergar outra coisa e Patrick e Rogério seguram cada braço de Cavaleiro. Após tudo isso, eles conseguem prender Cavaleiro da Morte. Ele grita de dor e faz muita força para escapar, mas acaba não conseguindo. - Continuem fazendo muita força! - pede Rogério. - Seu canalha, agora você está nas nossas mãos! - diz Patrick. - E aí? Vamos matá-lo agora? - pergunta Leonardo. - Não, antes precisamos saber como vamos desativar a Eingang Ohne! - diz Róguine. - Pergunte logo então, não está fácil segurar ele! - afirma Gabriel. - Preste atenção agora, como podemos desativar a Eingang Ohne? Fale logo ou lhe matamos! - ameaça Róguine. - Vocês vão me matar de qualquer jeito, não sou idiota! - diz Cavaleiro. - Fale logo, ou você terá a morte mais dolorosa que alguém pode ter! A mais lenta também! - diz Róguine. - Nunca! Matem-me logo e se virem! - diz ele. - Róguine dá um soco nele. - Quer sofrer por uma hora na maior dor possível ou prefere entregar logo para ser assassinado em segundos? A escolha é sua! - diz Róguine. - Vamos matar ele logo, ele pode se soltar, está difícil controlarmos ele assim! - alerta Cristiano.


- Não! Nós precisamos dessa informação, ou perderemos muito tempo! Diga logo, desgraçado, diga! - pede Róguine beliscando o seu pescoço. - Tudo bem, calma, eu vou dizer! Mas vocês estão percebendo algo? - pergunta Cavaleiro. - Do que você está falando? - pergunta Patrick. Cavaleiro da Morte logo dá um enorme soco em Róguine, dá dois grandes chutes em Patrick e Rogério, atira choque em Gabriel fazendo ele perder o controle do furacão, atira fogo em Leonardo e se mexe muito fazendo a ilusão de Cristiano sair de seu rosto. As facas colocadas por Róguine caem, Cristino tenta fazer uma outra ilusão rápido, não consegue, tenta dar um soco nele, mas Cavaleiro dá um soco tão imenso que Cristiano cai e não consegue mais levantar e leva muitos chutes. Róguine e Leonardo tentam ao máximo atirar seus poderes de novo, mas Cavaleiro consegue tirá-los facilmente só com o seu choque. Gabriel tenta o levantar, mas logo Cavaleiro da Morte o levanta com o furacão e joga ele há muitos metros do local dando uma queda seríssima a ele. Róguine e Leonardo são atingidos com o choque de Cavaleiro e não conseguem atacar ele com seus poderes enfraquecendo. Assim, Cavaleiro acaba jogando fogo, choque e trovão encima dos dois. Rogério, vendo que estão quase morrendo, levanta-se, dá um soco e um chute com o joelho na barriga dele. Cavaleiro logo revida com um chute na perna o derrubando. Cavaleiro se agacha e dá inúmeros socos em Rogério, que fica cada vez mais enfraquecido. Róguine e Leonardo ficam sentados tentando a recuperação dos golpes. Patrick logo ajuda-o e dá um chute na cabeça com toda a força possível. Cavaleiro agachado o chuta e Patrick torna a dar chutes. Ele logo se levanta e trava Patrick, dando nove socos em seu rosto quebrando metade de sua cara com metal. Outros inúmeros chutes ele dá derrubando Patrick, que tenta se levantar, mas é recebido com outro chute letal e desmaia. Rogério não demora e continua dando golpes em Cavaleiro na maior velocidade possível sem dar muita chance. O rosto inteiro de Cavaleiro sangra, assim como o de Rogério. Cavaleiro trava um soco, aperta muito o braço de Rogério, porém ele consegue dar outro soco com o outro. Rogério se agacha muito rápido e dá um soco muito letal na parte inferior de sua barriga. Cavaleiro da Morte joga choque e fogo nele com toda a força e Roger fica muito enfraquecido e se ajoelha. Cris se levanta, mas leva um chute no queixo e desmaia. - Eu só não joguei isso em você antes porque eu quero te matar com minhas próprias mãos, e é isso que farei! - afirma Cavaleiro da Morte, com o corpo inteiro com sangue. - Espere! - diz Róguine deitado no chão ao lado de Leonardo sem energia e força. - Diga suas últimas palavras! - diz Cavaleiro. - Nada disso acabou ainda e... nós temos mais um! - afirma Róguine. Cavaleiro olha para trás, Scott aparece e dá um grande chute pelo ar em sua cabeça. Léo e Roger ficam surpresos e Caveleiro logo joga muitos trovões encima de Scott. Mesmo assim, Scott mal se machuca, chuta sua barriga duas vezes e logo joga um choque muito forte nele, que acaba caindo. Scott pega um machado de seu bolso e joga no peito de Cavaleiro. Ele se machuca sério, cai e Scott pula uma vez encima dele e dá muitos chutes em sua cabeça. Ele tenta pegar o machado de volta, mas Cavaleiro segura e bate ele na cabeça de Scott fazendo um furo. Levantando, Cavaleiro segura o machado e tenta atacá-lo de todos os lados e posições possíveis, porém Scott desvia de todas. Enquanto acontece os desvios, Leonardo levanta após se recuperar um pouco, e com todas as forças, joga fogo em Cavaleiro de um pouco longe. Cavaleiro se desequilibra um pouco na luta, Scott pega o machado em sua mão, bate na cabeça dele, Cavaleiro pega de volta e joga o machado em seu pé.


No meio de todo o fogo, Scott cai com o machado atravessado no seu pé, Cavaleiro pega rapidamente ele pela sua camisa e joga ele no fogo. Róguine logo joga uma grande onda de água e apaga o fogo. Scott fica deitado e sofre muito com as queimaduras e os golpes. Cavaleiro joga mais choque em Róguine e Leonardo, confirmando a sua vitória na luta. - Como eu já tinha dito antes, vocês mexeram com a pessoa errada! Tentaram de tudo me derrubar, com esperanças de fazer qualquer porcaria para New World, mas como sempre, não sendo novidade alguma, vocês perderam! Ninguém mais vai lembrar de vocês, que se arriscaram ao máximo pra fazer uma coisa impossível, e mais uma vez saíram como fracassados! O destino de vocês é esse e não há mais como serem ajudados ou apoiados! Confesso que me surpreendi, ninguém até agora tentou fazer algo contra mim com tanta força, mas meu poder me fez ficar vivo, vencedor e rei de tudo! Agora, como eu deveria ter feito há meses, vou assassinar um de cada vez, lentamente e dolorosamente! - afirma Cavaleiro da Morte. Ele anda para chegar perto de Rogério com o machado na mão. Estando perto, ele se abaixa. - Agora é o fim de toda a sua luta, de uma vez por todas! - diz Cavaleiro a Rogério. Assim, ele coloca o machado no peito cortando ele inteiro. Muito sangue sai da boca e do peito de Rogério. - Quer dizer mais alguma coisa, guerreiro? Fale, perdedor, suas declarações finais! - diz Cavaleiro. - Eu... queria... dizer... que... EU SOU ROGÉRIO! - diz ele. Cavaleiro leva um enorme soco dele caindo para metros longe. Rogério, tendo já passado pelo tempo de recebimento de dois poderes da água da piscina, tira o machado de si e fica com o corpo inteiro recheado de choque e trovão, com todos os seus ferimentos sendo curados na hora. - Você matou a minha filha covardemente, tirou tudo o que era direito de nós e aos outros dessa galáxia e transformou tudo isso em um inferno, você vai pagar caro! - afirma Rogério. Ele atira uma forte quantidade de trovão encima de Cavaleiro o machucando. Cavaleiro se levanta e atira fogo de longe nele sem parar. Rogério tira o fogo de si com o choque e continua a atirar trovão nele. Cavaleiro da Morte perde o controle e é bastante machucado com os trovões de Rogério. - Você não é ninguém! - diz Cavaleiro. Assim, de tanto receber trovão, ele em uma grande rapidez joga muito trovão nele também. Porém Roger consegue desviar do ataque e ainda atira choque nele. Cavaleiro da Morte decide não atacar e se defende com o choque, fogo e trovão ao mesmo tempo. Continuando a atacar e vendo que não há como atingir mais ele, Roger para de atirar poder e corre para golpeá-lo com as próprias mãos. Mesmo sendo atingido pelos poderes, Rogério consegue dá um grande soco e chute em Cavaleiro. Após isso, Roger usa o machado e acerta a cabeça dele cinco vezes. Cavaleiro enraiva-se mais e tenta pegar o machado, mas Roger acerta ele em sua barriga. Ele gira o machado e logo acerta o queixo de Cavaleiro jogando ele para bem longe. Tendo uma forte queda e Roger se aproximando dele para atacar mais, ele acaba jogando todos os seus poderes possíveis encima de Roger, como fogo, água, choque, trovão e furacão. Rogério desvia de muitos desses ataques, é atingido com fogo, queima um pouco seu rosto, mas chega de surpresa entre todos esses poderes de Cavaleiro e acerta o pé dele com o machado. Ele cai e Rogério chuta sua cabeça duas vezes, pega o machado que furou o pé e acerta suas costas. Em meio a tantos ataques muito letais, Cavaleiro se levanta, pega o machado das costas e acerta na cabeça de Rogério. Roger se machuca muito sério e Cavaleiro dá inúmeros ataques em sua barriga. Mesmo tendo desviar, Cavaleiro consegue acertar a sua barriga cinco vezes.


Rogério pensa em um plano, se abaixa e soca com toda a força a perna de Cavaleiro da Morte, mas ele não cai e Roger logo é chutado pelo olho. Um sangramento sério no olho de Roger começa e Cavaleiro dá muitos golpes em sua cabeça e pernas. Rogério consegue ficar em pé e começa a acertar todos os desvios nos ataques dos machados. Uma hora, Cavaleiro sem querer deixa o machado cair de sua mão, Roger logo pega ele e acerta o nariz de Cavaleiro o fazendo cair para trás. Rogério, sabendo que está tendo uma grande ajuda do Controle na luta, e também que o contato aconteceu automaticamente, tira três árvores do lugar e joga-as encima dele. Após isso, com todos os dois bem desgastados, Roger começa outro ataque com o machado, porém Cavaleiro antes dá um chute tão forte, que Rogério voa a muito metros do chão e cai rolando perto de um penhasco. Cavaleiro joga o máximo de poderes para Rogério cair do penhasco. Fazendo toda a força e resistindo muito, Rogério anda com dificuldade contra os poderes dele se defendendo com o choque, trovão e toda a sua força física. Continuando a jogar os poderes, Cavaleiro da Morte não desiste e espera a queda dele do penhasco. Depois de um bom tempo atirando e Roger resistindo com muita força e dificuldade, Cavaleiro para de atirar e os dois se vêem. - Como chegou tão a esse nível? - pergunta ele. - Porque é inevitável! Depois do que fez, isso tinha que acontecer, seja cedo ou tarde! - afirma Rogério. Os dois correm para atacar um ao outro. Com a nave de Cavaleiro sobrevoando encima deles, na beirada do penhasco, Rogério desvia-se dele se arrastando no chão, se levanta e com ele estando à sua frente, Rogério sem demorar joga o seu machado encima de Cavaleiro da Morte e ele cai do penhasco, com a arma também caindo. Sem demorar, a nave se abaixa e solta uma escada para ele subir. Rogério tenta ver quem está lá dentro andando um pouco para trás e Róguine acena a mão para ele lá dentro. Rogério dá um grande pulo e sobe na escada. Róguine abre uma das portas da pequena nave e ele entra nela. Rapidamente, com Leonardo pilotando-a, a nave corre até as nuvens. Cavaleiro da Morte, estando caindo no fundo do penhasco tendo sobrevivido, vê de longe a sua nave indo para longe. Ele bate muito forte nas pedras ao seu lado de muita raiva por ter falhado na luta. Entrando na nave, Rogério vê que todos os companheiros estão nela. - Rogério, nós vencemos! - afirma Róguine. Os dois se abraçam. Assim, todos da nave começam a se abraçar por terem vencido Cavaleiro da Morte. - Essa nave dele pode atravessar por qualquer Eingang Ohne! E ela não pode ser rastreada, a não ser que Cavaleiro tenha uma pequena máquina em seu bolso, mas ela foi quebrada na luta e eu peguei a chave da nave! - diz Leonardo. - É inacreditável, que mesmo passarmos por tudo isso, tendo que passar por centenas de Soldados e ainda tendo que enfrentar o cara mais poderoso que já existiu, conseguimos o que queríamos e estamos há passos de revertermos tudo o que ele fez! - diz Gabriel. - O Controle me ajudou a passar por ele, na verdade ajudou a todos nós! Talvez se não fosse o apoio dele, não conseguiríamos! - diz Rogério. - O Controle nos ajudou, porém nos esforçamos, e agora, independente se Cavaleiro da Morte estiver morto ou não, demos um passo enorme e seguiremos no caminho para salvar essa galáxia que tanto precisa de nós! - afirma Róguine. - Como você conseguiu sobreviver a aquilo, Scott? - pergunta Cristiano. - Quando eu estava deitado perto de morrer, Laryanne me encontrou e pediu para os Soldados não me matarem, dizendo que eu era um deles e estava sem o traje! Depois eles me colocaram de cama e alguns médicos pararam os sangramentos e me medicaram. O Controle e os efeitos daquela água, que de algum modo pode curar ferimentos, me ajudaram! Eu me senti como fosse um controlador. Depois de eu ter curado um pouco dos ferimentos, e até no peito, Laryanne me tirou de lá e eu corri para procurar vocês! Assaltei um Soldado da Morte já desconfiado que posso achar alguma nave lá fora e peguei a chave dele! Após isso, eu saí do sítio e encontrei as naves, entrei em uma delas e saí procurando! Um tempinho depois eu vi de longe vocês lutando e eu entrei na briga! E o machado eu achei no chão! - explica Scott.



- Mesmo com sufoco e muita dificuldade, nenhum de nós morreram e podemos comemorar muito, acredito que ainda tenha muito o que possamos fazer! Mostramos para nós mesmos o que podemos, e também que unidos tudo faremos! VIVA A NEW WORLD! - diz Cristiano. - VIVA A NEW WORLD! - gritam todos os outros também. Assim, eles partem para resgatar Lucimar, Claudia e Maria Clara na floresta para irem ao espaço.