segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Missões - Episódio 107: Relógio

- Gostei desse experimento, transformei esse rato em pó! - diz Cavaleiro da Morte. - É um poder de fogo mais potente e mais poderoso do que o primeiro - afirma Jan, um dos capitães do exército da base. - Tem tudo para fazer mais estrago! Ansioso para usá-lo nas batalhas, Cavaleiro da Morte? - pergunta Nick, outro capitão. - Sim, mas apenas nas batalhas contra exércitos de Victor Hudson mais fáceis de combater! Não quero brigar frente a frente com algum controlador mais forte, mas se eu precisar quebrar a cara de algum, eu faço! - afirma Cavaleiro. - Por que você não produz mais desses relógios e faça com que nós capitães de exércitos usemos? - pergunta Jan. - Ele é único e exclusivo para mim, pois é a minha maior fonte de poder e só eu sei produzir isso! E eu já dou uma bela força a vocês, eu transporto os poderes desse relógio a naves, armas e pessoas, mas só eu os controlo! - diz Cavaleiro. - Entendo, futuro rei de New World! - elogia Nick. - Gosto do seu otimismo, narigudo, temos ainda muito o que batalhar e conquistar até eu ter a posse dessa galáxia e destruir esse capitalismo que assola ela! - afirma Cavaleiro da Morte. - Se tudo acontecer de acordo com que estamos planejando e imaginando, nós vamos! - diz Nick. - É essa confiança que devemos ter! - diz Cavaleiro. 


Na floresta, Vegas exige explicação sobre como eles devem capturar o relógio e fugir, mas Coudet fica pensativo e não fala. - E aí? Não vai falar nada? Não quer responder a minha pergunta? - pergunta Vegas. - Isso é uma loucura! A base é muito grande, eu não sei se vocês vão conseguir esse relógio e fugir de lá, não é nada simples! - diz Coudet. - Mesmo se não for simples, precisamos fazer isso! Nós queremos informações, o máximo que você puder, ou você morre! - diz Vegas. - Nessa base há milhares de soldados, tantos que eu acredito que facilmente vocês poderão entrar nela porque os guardas não conhecem todo mundo! Eles só vão pedir esse cartão de soldado e assim vocês poderão entrar! Dentro da base, nos primeiros metros há várias lanchonetes e também banheiros, porque ela é muito grande! Depois das lanchonetes e banheiros, há vários grandes campos de concentração com armas e equipamentos de treinamento, vários mesmo, porque como eu disse são milhares de homens que treinam nessa base! E próximo aos campos de concentração, há um corredor privado que dá o caminho ao quarto onde moram e ficam os capitães do exército, e é onde o Cavaleiro da Morte estava com eles ontem e talvez esteja até agora! Não é certo, mas acho que está! - diz Coudet. - E como nós podemos invadir esse corredor e pegar o relógio lá dentro? - pergunta Rogério. - Há câmeras por todos os lados da base e tem muita gente no local! Seria muito arriscado vocês fazerem isso! E a porta do corredor é feita de um dos ferros mais resistentes que existem, é muito difícil de quebrar ela! - diz Coudet. - Nós podemos quebrá-la, somos bastante fortes, mas precisamos de um jeito de invadir sem que ninguém veja! - afirma Róguine. - Talvez uma ideia que possamos fazer é irmos até a sala onde tem as gravações das câmeras e quebrarmos o computador que transmite as imagens - afirma Scott. - O problema é que não é qualquer um que pode entrar nessa sala! Só os capitães de exércitos podem fazer isso, já nós soldados não, pois temos que pedir autorização! - diz Coudet. - Então com que jeito você acha válido de entrarmos lá? Você tem uma ideia, Coudet? - pergunta Vegas. - Eu acho que apenas invadindo ela rapidamente e matar os olheiros das câmeras sem barulho e a sangue frio! Teria que ser algo bem rápido e cauteloso! - diz Coudet. - Podemos tentar fazer isso então! Uma parte de nós invadimos a sala das câmeras e a outra tenta quebrar a porta do corredor e invadir os quartos dos capitães! - diz Leonardo. - Com muitas pessoas no local, não tem como invadir escondidos, porquemuitos vão ver e vão tentar matar vocês! Como eu disse, não é uma coisa tão simples! E ainda pode ser que a porta dos olheiros esteja trancada! Vocês ainda teriam que quebrar essa porta também na frente de todos! - alerta Coudet.


- Resumindo, não tem como fazermos isso na frente de todo mundo com muita gente, teríamos que lutar contra milhares de homens, e isso é bem arriscado! - diz Cristiano. - Correr riscos nós precisamos, mas não acho que apenas vocês seis, e ainda separados, conseguiriam lutar contra milhares! Precisamos achar uma outra alternativa - diz Vegas. - Para a gente conseguir pegar esse relógio, a gente teria que fazer todo mundo sair da base, assim a gente poderia agir! - diz Leonardo. - Eu já pensei em uma ideia! Não sei se vai dar para fazer isso, mas podemos explodir uma bomba na floresta, que faça muito barulho, e não uma bomba pequena, e sim grande, para todos dentro da base escutarem a explosão e saírem de lá! Vocês três, Vegas, Norman e Róguine, podem ficar juntos e explodir essa bomba! Assim eu e o restante tentamos capturar esse relógio e ir embora com ele! - diz Rogério. - Vocês têm uma bomba potente na mochila de vocês? - pergunta Leonardo a Norman e Vegas. - Não temos, mas talvez o Coudet possa pegar uma para a gente! - diz Vegas. - Não, ele não é confiável! Se ele entrar lá ele deve entregar a gente! - diz Leonardo. - Mas precisamos de algum jeito pegar uma! Coudet, um soldado pode pegar uma pistola de bomba dentro da base e sair com ela? - pergunta Vegas. - Não, só é permitido usar armas poderosas desse tipo dentro da base nos treinamentos ou em batalhas! Mas armas menores somos permitidos usar fora! - diz Coudet. - E se a gente pegasse uma arma que atira bomba escondidos e colocasse em uma mochila? - pergunta Leonardo. - Talvez vocês possam fazer isso, mas teriam que ser bem rápidos, pois tem muita gente treinando em cada campo de treinamento! Mas se vocês forem pegos colocando a arma na mochila, se darão muito mal! - afirma Coudet. - Então é isso que vamos fazer! - diz Rogério. - Concordo, vocês podem ir para um canto e colocarem a arma com cautela! - diz Vegas. - Então o plano é o seguinte, vocês quatro, Róguine, Vegas, Norman e Coudet, vão ficar aqui esperando eu chegar com a arma! Rogério, Scott e Patrick vão me ajudar a cobrir a visão de todo mundo para que eu coloque a arma na minha mochila! Gabriel e Cristiano vão esperar a bomba explodir e todos saírem da base, para que invadam a sala das câmeras e quebre os computadores, para que as imagens delas não sejam mais registradas! Enquanto isso, com a barra limpa, Rogério, Scott e Patrick vão invadir corredor e o quarto dos líderes para pegarem o relógio e fugirem! Não sabemos se o relógio estará lá, então se vocês encontrarem vai ser uma sorte, mas não custa tentar! Eu vou ficar junto com vocês quatro que vão atirar a bomba! Quando um de vocês atirar, ou talvez eu, vamos correr muito rápido e nos esconder para bem longe dentro da floresta para que ninguém nos veja, enquanto os outros cinco agem dentro da base! - diz Leonardo. - Exato, ótima estratégia! Tomara que dê certo! - diz Scott. - Talvez não dê, mas vamos tentar! Se não conseguirmos esse relógio com esse plano, acharemos outro jeito! - diz Róguine. - Antes disso precisamos matar alguns soldados escondidos e pegarmos os cartões deles que precisamos para a gente entrar na base! - diz Scott. - Vamos fazer isso logo agora! - diz Léo. - É melhor vocês não demorarem, porque esse é um horário que muitos soldados estão entrando na base! E pode faltar soldados para vocês matarem se não irem rápido! - diz Coudet. - Então vamos? - pergunta Rogério. - Eu fico com o Coudet acorrentado aqui! Podem ir todos vocês - diz Vegas. 


Assim, eles caminham para mais perto aonde os soldados estão caminhando para a base. - É melhor nós usarmos os nossos poderes ao invés de atirarmos, porque as balas podem fazer muito barulho e fica mais arriscado nos verem! - diz Róguine. - Vamos usar o poder do fogo! A gente chega de surpresa, enfia o fogo em volta de todos, sufocamos e matamos! - diz Leonardo. - Boa ideia! - diz Gabriel. Minutos depois eles chegam em um local da floresta, um pouco afastado da base, mas que soldados podem passar, e ficam atrás de árvores. - Agora vamos esperar alguns aparecerem! Quando eu falar já, todos atiram fogo na hora! Em segundos acabamos com eles! - diz Rogério. Assim, com todos escondidos atrás de árvores, esperam soldados chegarem. Dois minutos depois, aparecem quatro caminhando e conversando. Já! - alerta Roger. Todos eles logo saem do lado das árvores e atiram o poder do fogo. Eles fazem o fogo entrar dentro da boca de cada um e queimá-los por dentro. Por poucos segundos, os soldados morrem. Cristiano pega uma garrafa da mochila de Leonardo e joga água nos corpos deles para apagar o fogo. Depois disso, Leonardo pega os cartões de soldado dos bolsos deles e coloca no seu. Agora vamos tirar as roupas deles para a gente usar depois! Rápido, antes que apareça mais soldados! - diz Léo. Eles fazem isso e colocam as roupas dentro da mochila de Leonardo. - Temos quatro cartões e quatro roupas, agora precisamos pegar só mais dois soldados! Vamos fazer a mesma coisa! - diz Rogério. Todos tornam a ficar atrás de árvores. Minutos depois, aparecem três soldados. Mais uma vez eles atiram fogo e rapidamente os matam.


Vegas, sentado com o Coudet acorrentado, dá água para ele beber. - Você tem o mesmo nome daquele controlador! E o rosto também é um pouco parecido! - comenta Coudet. - Na verdade eu sou ele! - afirma Vegas. - O quê? Como assim? - pergunta Coudet, confuso. - Eu sou o Vegas do futuro e estou voltando no tempo para capturar o relógio e voltar ao presente! - diz Vegas. - Oi? Peraí... que doideira! E o que aconteceu no futuro? - pergunta Coudet. - Cavaleiro da Morte venceu a guerra, Victor Hudson e todos os exércitos de nós controladores morreram e assim ele se tornou o rei de New World sendo responsável por mortes de bilhões de pessoas pela galáxia, por implementar o socialismo e causar muita fome e miséria! E ele também isolou o povo da Terra, fazendo todos os terráqueos terem memórias falsas e passarem a viver uma realidade a partir delas, sem saberem mais da existência de New World! Eu e Norman nos escondemos após o fim da guerra e construímos uma máquina do tempo! Róguine nos encontrou junto com alguns amigos dele e agora queremos pegar esse relógio, voltarmos para o nosso tempo e lutarmos contra exércitos de Cavaleiro usando o dispositivo, que é bastante poderoso! - diz Vegas. - Uau! Realmente você é o Vegas, que história absurda! Mas vocês não vão conseguir reverter isso! - afirma Coudet. - Por que não? - pergunta Vegas. - A galáxia não pode ser o que foi antes! O capitalismo é uma coisa terrível e Cavaleiro da Morte quer fazer uma revolução para ela! Fico feliz que ele tenha conseguido fazer isso no futuro, mas vocês não podem mudar isso! - diz Coudet. - A sua mente foi manipulada, como o Cavaleiro da Morte fez com muitos homens para ele ter seus exércitos e tentar dominar New World! Ele é um psicopata sanguinário, você não deveria apoiá-lo! - diz Vegas. - Eu apoio, o capitalismo tem que morrer! Cavaleiro da Morte é a salvação para a implementação do socialismo! - afirma Coudet. - Isso não dá certo! Cavaleiro da Morte se aproveitou disso para conseguir aliados, manipular muita gente e se tornar um ditador tirano! Ele é o maior genocida que já existiu! - afirma Vegas.


Rogério e os outros chegam. - E aí? Conseguiram pegar tudo? - pergunta Vegas. - Sim, estamos com os cartões e as roupas! Agora vamos colocá-las e assim vamos entrar na base! - diz Rogério. Depois, Roger, Leonardo, Cristiano, Scott, Patrick e Gabriel tiram as roupas que estão, colocam as dos soldados e Léo dá um cartão para cada um. - Agora vamos lá! A hora é agora! - diz Scott. Norman coloca uma câmera para Rogério, Cristiano e a outra para Scott. Assim, ele faz o seu transmiv passar imagens delas. - Essas câmeras são muito pequenas, os guardas nem vão se dar conta delas, a não ser que sejam bons observadores! - diz Norman. - Então estão todos cientes do que vão fazer? - pergunta Rogério. Todos dizem que sim. - Eu estou confiante que a gente vá conseguir! Espero que de primeira tenhamos sorte de achar esse relógio! - diz Scott. - Eu também espero! - afirma Rogério. - Vamos em frente então! - diz Léo. Assim, com eles vestidos de soldados e com seus cartões, começam a caminhar para a entrada da base. - Eu confio em vocês! - diz Vegas. Norman e Vegas sentam e vêem as imagens das câmeras no transmiv. Minutos depois, eles chegam de frente a base. - A fila para entrar está bastante grande, odeio isso! - diz Cristiano. - Estou com receio deles verem as câmeras! - diz Patrick. - Tomara que não vejam, mas como o Norman disse, é difícil de perceberem! - diz Scott. Eles logo entram na fila e esperam a vez para entrarem. Após alguns minutos, a vez de Leonardo chega. Ele mostra o cartão de soldado ao guarda. Assim, o guarda libera ele e Léo entra na base. Os outros também mostram seus cartões e entram. Todos caminham e observam a base, que em seu início possui uma grande praça de alimentação com várias lanchonetes e restaurantes. - Realmente esse lugar é muito grande! - comenta Scott, caminhando junto com eles. - Precisamos pegar uma arma de bomba bem forte para colocarmos essa gente toda para fora daqui! - diz Leonardo. - Vai ser complicado! Agora vamos procurar logo um campo de treinamento! - diz Rogério. Todos ficam bem surpresos com o tamanho da base e a quantidade de restaurantes. - Isso aqui é um shopping? Está parecendo! - diz Léo. - São bastante gente que treinam por aqui, dá para entender esse excesso de restaurantes! - diz Rogério. Após caminharem por quinze minutos, eles chegam no lugar onde há vários grandes campos de treinamento, e observam de fora os treinos a tiros e bombas. - Incrível! - comenta Gabriel. - Em qual campo a gente vai? - pergunta Scott. - Precisamos ir a algum que tem menos pessoas, para ser mais fácil de ninguém ver colocarmos uma arma na minha mochila! - diz Leonardo. Eles observam cada campo de concentração, que possuem paredes de vidros transparentes que permite a visão de fora. - Vai ser difícil, tem muitos homens treinando em todos! - diz Cristiano. - É só a gente tomar cuidado, vamos cercar a mochila! - diz Patrick. - Vamos ver os outros, talvez um não tenha tanta gente! - diz Rogério. 


Eles veem os outros campos de concentração, e um acaba chamando a atenção deles. - Eu gostei desse aqui! É o que tem menos pessoas disparado! - diz Cristiano. - Tem várias pistolas de bombas, e das mais pesadas! Eu acho que é melhor irmos para esse! De todos que tem, é o melhor para tentarmos roubar uma arma! Os riscos de nos descobrirem é menor! - diz Rogério. - Vocês acham esse aqui bom também? Eu acho! - diz Leonardo. Todos confirmam que gostaram. - Vamos entrar nesse campo então! Se preparem! - diz Rogério. 


domingo, 17 de janeiro de 2021

Missões - Episódio 106: A Base

- Enfim, chegamos! - diz Norman. - Aqui só tem mato - diz Gabriel. - Sim, estamos próximos à base militar! Agora vamos tirar nossas roupas de viagem no tempo! - diz Vegas. Todos logo tiram, deixam as de baixo e colocam na mochila de Norman. - Agora para que lado nós vamos? - pergunta Leonardo. - Vamos para a esquerda, é nessa direção que a base militar fica, e depois de encontrarmos ela, vamos observá-la e achar um jeito de invadirmos! - diz Vegas. - Eu já tinha pensado em um! - diz Scott. Qual? - pergunta Vegas. - Talvez a gente poderia capturar soldados do exército que estiverem fora da base, colocar a roupa deles e entrarmos disfarçados lá! - diz ele. - Ótima ideia, Scott! Pode ser uma boa estratégia! - diz Vegas. - Talvez a gente não tenha pensado em um ponto! Eu, Vegas e Norman somos famosos na galáxia e se entrássemos na base com roupas de soldado eles iriam nos reconhecer! A não ser que eles usem capacete, eu não me lembro se eles usam ou não! - diz Róguine. - Realmente, eu e Norman não tínhamos pensado nisso antes, é um problema! - afirma Vegas. - Você sabe se eles usavam capacete? Você lembra? - pergunta Norman. - Eu não sei se eles são obrigados a entrar na base sem capacete, primeiro temos que ver, vamos! - diz Vegas. Assim, todos caminham na floresta para acharem e observarem a base. Poucos minutos depois, eles acham a base e veem ela, escondidos detrás das árvores. - Ela é enorme! Mas não vejo ninguém - diz Patrick. - Só estamos vendo um lado dela, mas precisamos observar a porta de entrada, precisamos saber o que precisamos fazer para invadir! - diz Vegas. - Verdade, só olhar essa parte não adianta de nada - diz Rogério. - Vamos caminhar para a esquerda, talvez lá esteja a porta de entrada - afirma Scott. Todos fazem isso e caminham um pouco. Depois, eles acham ela. - Há muitos homens fora e dentro da base! - diz Vegas. - Como estamos vendo, todos estão sem um capacete de proteção e estão mostrando cartões para aqueles três seguranças para poderem entrar! - diz Rogério. - Então precisamos ter alguns desses cartões! - diz Scott. - Não só isso, a gente tem que usar esse uniforme cinza de soldado, senão vão nos estranhar - diz Léo. - O único jeito de invadirmos é sequestrarmos alguns soldados, colocarmos as roupas deles e a gente ter esse cartão! - diz Rogério. - Então vocês vão fazer exatamente isso! - diz Norman. 


- O problema de vocês três não poderem entrar é que se descobrirmos que somos invasores, podemos ser capturados e vocês podem nem saber! - diz Rogério. - Não, eu tenho na minha mochila três câmeras e as imagens de cada uma são transmitidas em uma pequena tela que eu tenho, igual a uma televisão, mas menor, eu não tinha mostrado para vocês antes! - diz Norman. - Tipo um celular? - pergunta Leonardo. - O que é celular? - pergunta Norman. - Léo, ele não é da Terra! - diz Roger. - Ah, sim, claro... então mostre esse tablet, smartphone, ou sei lá o nome disso! - diz Leonardo. -  O nome desse aparelho é ''transmiv", ele apenas serve para passar imagens das minhas três pequenas câmeras! - diz Norman. Ele logo pega o seu transmiv e as câmeras, mostrando a todos. - Ele é bem idêntico ao aparelho celular que existe lá na Terra, tem mais ou menos o mesmo tamanho, funciona para comunicação e também para várias outras coisas! - diz Rogério. - Vocês vão colar essas câmeras em algum lugar do corpo de vocês em cima da roupa, e só três de vocês vão poder usá-las! Elas são bem pequenas, acredito que ninguém vai reparar! - afirma Norman. - Sim, mas temos que matar alguns soldados primeiro! - diz Cristiano. - Não podemos matar alguns em frente a base, obviamente, senão vão ver e teríamos que invadi-la na porrada! Tem que ser em um local mais afastado para ninguém descobrir! - diz Róguine. - Com certeza deve haver soldados caminhando na floresta, a gente pode pegar eles de surpresa! - diz Cristiano. 


- Essas armas que estão contigo são capazes de matar soldados com poucos tiros? - pergunta Leonardo. - Sim, elas são bastante potentes! De uma vez só ela dispara muitas balas e pode matar de uma até muitas pessoas fortes em poucos segundos! - diz Vegas. - O problema é que ela faz muito barulho, e temos que fazer isso em um local muito bem longe da base! - diz Norman. - Isso não é um problema, muitos deles devem estar por aí, mas temos que tomar cuidado, vários podem estar em nossa volta, e talvez alguém esteja vindo para cá! - diz Vegas. Um soldado, caminhando detrás deles, acha-os. - Quem são vocês? - pergunta ele. Sem demorar, na hora Leonardo corre e dá dois socos muito fortes nele. Assim, ele cai no chão, e Léo logo coloca sua mão na boca dele, começando a enforcá-lo. Vegas rapidamente pega uma de suas armas da sua mochila e aponta na cabeça dele, com o soldado não conseguindo reagir e estar rendido. Rogério vê se há alguma arma em suas calças, e vê que não tem. - Preste atenção, ele vai parar de enforcar você, mas se você gritar, eu vou logo atirar na sua cabeça e você vai morrer! - avisa Vegas ao soldado. - É melhor matá-lo logo! - diz Leonardo. - Não! Ele pode ser útil! Deve saber como é dentro da base, não mate-o! - diz Vegas. Leonardo para de enforcar ele, mas fica em cima dele e segurando-o. - Não faça nada, se abrir a boca você vai se dar mal! - ameaça Léo. - Tudo bem, tudo bem! - diz ele, desesperado. - Temos que ver se há outros por aqui perto, onde estamos é muito perigoso! - diz Scott. - Eu vou ver! - diz Roger. Ele logo observa todos os lados e caminha um pouco para ver se há mais alguém. - Pessoal, no momento não temos pessoas perto daqui, mas é melhor irmos para um lugar mais afastado com esse cara, aqui podemos ser descobertos rápido! - afirma Rogério. - É melhor a gente ir para um lugar da floresta que esteja um pouco afastado e detrás da base! Acredito que lá não tenha ninguém! - diz Vegas. - Sim, vamos logo, aqui é arriscado! - diz Scott. 


Assim, todos logo caminham para um lugar mais longe, com o soldado sendo segurado por Leonardo e Scott, e Vegas continuando a apontar sua arma nele. Minutos depois, eles encontram um lugar mais afastado, silencioso e vazio da floresta. - Agora se ajoelhe no chão! - ordena Vegas. O soldado faz isso. - Agora que estamos sozinhos aqui, quero que você fale uma coisa importante para mim, o relógio poderoso de Cavaleiro da Morte está dentro dessa base? - pergunta Vegas. - Eu não sei dizer a vocês, não faço ideia! - diz ele. Vegas bate a sua arma no nariz do soldado, fazendo ele sangrar. - Eu não quero saber se você sabe ou não, porque nós precisamos dessa informação! Se você não dizê-la, eu vou te matar! - ameaça Vegas. - Mesmo se eu não souber? - pergunta o soldado. - Sim, caso você não saiba, eu vou disparar a bala na sua cabeça agora, ou talvez eu te torture! - diz Vegas. - Não, tudo bem, sem problemas, eu vou falar! - afirma ele. - Eu quero todas as informações, se eu não achá-las suficientes, sua vida acaba aqui! - diz Vegas. - Tudo bem, mas promete não me matar? - pergunta o soldado. - Sim, é um trato! Você me fala tudo sobre o relógio em troca da sua vida! - diz ele. - Ok, tudo bem... o relógio está mesmo dentro da base! Ele deve estar na sala particular dos chefes do exército! Nessa sala, o Cavaleiro da Morte está fazendo alguns ajustes no relógio! Ele está com os capitães do exército recebendo ajuda e suporte! - diz ele. - Que ajustes são esses? Explique-me! - manda Vegas. - Eu não entendo muito desse relógio, porque o Cavaleiro da Morte não deixa o exército saber tantas informações sobre ele, apenas os capitães! Provavelmente deve ser um aumento de poderes, ou algum poder novo, eu não sei, não tenho essa informação! - diz o soldado. 


- Você sabe se nesse exato momento, o Cavaleiro e os capitães estão dentro dessa sala? - pergunta Rogério. - Eu não sei, eu ainda não entrei na base hoje, porque eu estou hospedado em um motel próximo a ela para dormir! Mas ontem eles ficaram dentro o dia inteiro, e eu estive treinando tiros no campo de concentração que tem dentro da base ontem! Hoje nos deram mais descanso, mas eu estava indo treinar agora - afirma o soldado. - Ok, agora deixa eu ver o seu cartão, e me diga o seu nome! - pede Vegas. - Meu nome é Coudet - diz ele, entregando o seu cartão. - Todos devem ter esse cartão cartão de soldado para entrar na base, e se algum soldado perder, automaticamente um outro nos mata, por ordem de Cavaleiro da Morte e os capitães de exércitos! - diz Coudet. - Todos esses cartões são iguais? - pergunta Vegas. - Sim, pelo menos de todos os soldados dessa base são - diz ele. - Ok, quero que agora você me fale como nós podemos pegar esse relógio e fugir! - pede Vegas.


Dentro da base, na sala particular, Cavaleiro da Morte, ao lado de dois capitães de exército, testam o poder do fogo do relógio em um rato numa mesa de experimentos, matando-o. 




terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Missões - Episódio 105: Por New World

No dia seguinte, às seis horas da manhã, Rogério acorda com o despertador de seu relógio. Ele se levanta da cama, sai do quarto e vai até a cozinha, encontrando Leonardo, sentado em uma mesa comendo pão. - E aí, Léo, já acordou? - pergunta Roger. - Nem consegui dormir, fiquei a noite inteira pensando nessa viagem no tempo! - afirma Leonardo. - Foi difícil de eu dormir também, dias depois de termos lutado bastante, agora temos mais coisas pela frente! - diz Rogério. - Nós somos loucos, mal saímos de uma luta e já vamos partir para outra, somos as pessoas certas para mudar tudo - diz Léo. - De fato somos, nós provamos isso! Mesmo depois de muitas perdas, muitos tropeços, estamos aqui, prontos para fazermos mais uma loucura - diz Rogério. - Espero que consigamos pegar esse relógio poderoso sem perdermos ninguém! Eu sou forte, mas eu não quero mais ver nenhum amigo meu morto de novo, muito menos você! - diz Rogério. - Nem eu, mas pela galáxia e para libertarmos bilhões de pessoas, sacrifícios podem ser necessários! Minha filha morreu, seu irmão morreu, Robert, Alberto e outros amigos nossos! Desistir dessa luta seria a morte deles serem em vão! Temos uma chance de ouro agora, não sei se vamos conseguir, não sei se vamos perder, mas ao menos temos que tentar fazer de tudo! - afirma Rogério. - Eu tenho receio de perder mais alguém, minha família inteira se foi, você é o único vivo junto comigo que sobreviveu desde que entramos em Missions pela primeira vez! E agora somos poucos, temos Scott, Patrick, Gabriel, Cristiano, Róguine... temos que fazer de tudo para nos proteger uns aos outros nessa loucura de viagem no tempo que vamos nos meter agora! - diz Leonardo. - Faremos isso com certeza, irmão! Aqui agora somos todos uma família, mas vamos todos trabalhar em equipe! Todos aqui perderam pessoas, se perdermos mais alguém será uma fatalidade de um risco que estamos tomando, risco inevitável que deve ser feito para New World ser livre de novo! Se eu tiver que me sacrificar pela sua vida e a de todos aqui, eu faço! Eu perdi tudo, assim como todos, e caso eu morrer nessa nossa missão em Hagaliuo, ou depois, que seja atirando, salvando vocês ou para manter viva a esperança de New World! - diz Rogério. Leonardo se levanta e abraça Rogério. - Pode contar comigo, se eu perdi um irmão, eu tenho você pelo menos! - diz Léo. Três horas depois, Norman e Vegas acordam e se levantam da cama. - Hoje é o dia! - comenta Norman. - Esperamos muito tempo para esse momento, até que enfim ele chegou! - diz Vegas. Os dois se arrumam no quarto e depois entram na sala dos fundos da máquina do tempo. - Agora vamos preparar tudo, a brincadeira vai começar! - diz Vegas. - Eu estou nervoso e ansioso, confesso! - afirma Norman. - Você é fraco, lhe falta um calmante! - brinca Vegas. - E lhe falta um nariz de palhaço! - diz Norman. - Pode dar-me, que eu coloco no seu! - brinca ele mais uma vez. - Antes que a gente fique uma hora ironizando e sacaneando um ao outro, vamos preparar tudo para a viagem, isso é maior que uma piada - afirma Norman. - Maior que uma piada só o seu nariz - brinca ele de novo. Norman olha para o rosto de Vegas com a cara de bravo. Vegas segura risada. - Ok, bem... vamos ao que interessa, depois vou lhe dar um calmante, digo isso sem zoar, nervosismo sempre atrapalha! - diz ele. - Ok, homem da calmaria, vou tomar sim, sei que preciso - diz Norman. 


Scott, Patrick, Gabriel e Cristiano também acordam, e vêem Rogério e Leonardo jogando videogame. - Posso jogar junto com vocês? - pergunta Gabriel. - Claro, vem aqui, deixe só terminar a nossa partida - diz Leonardo. - Eu também vou querer, vocês também? - pergunta Patrick a Scott e Cristiano. Os dois dizem que preferem tomar café. Assim, eles vão para a cozinha e nela, Cristiano senta em uma mesa e Scott prepara pães e café. - Por que você está com essa cara? - pergunta Scott, vendo que Cristiano está preocupado. - Você deve saber, vamos arriscar nossas vidas de novo hoje! - diz ele. - Eu sei, eu também estou preocupado! Na verdade todos nós estamos, mas podemos passar por mais um obstáculo, eu estou confiante! - diz Scott. - Espero que esteja certo, mas é uma dúvida, não fazemos ideia do problema que vamos nos meter, só quando começarmos o plano, eu ainda tenho uma família, mas eu vou ser frio de novo! - diz Cristiano. - Eu acho que dar tudo certo, se hoje estamos aqui bem e vivos, é porque ainda podemos passar por mais coisas! - afirma Scott. - Com certeza, mas espero que hoje não seja uma despedida permanente de mim para a minha mãe, minha filha e a Claudia! Eu ainda tenho medo - diz Cris. - Todos nós estamos, mas temos que ser calmos e confiantes, o que está em jogo não é só as nossas vidas, é a da galáxia toda também, vamos a Hagaliuo por New World! -  diz Scott. Na sala da máquina do tempo, Vegas e Norman terminam de criar dentro do buraco negro, pelos comandos da máquina, a dimensão clone, e colocam ela para começar a existir em outubro de 1938. Depois disso, eles ligam e preparam as roupas de viagem no tempo, com tecido branco que cobre todas as partes do corpo e por cima dele há um forte metal cinza, que serve para fazer o usuário sobreviver no buraco negro e ser resistente a quedas ou batidas, e no capacete transparente da roupa há ar para respirar. - Agora podemos começar a viagem! Está tudo finalizado! - diz Norman. - Vamos esperar eles almoçarem e assim entramos no buraco negro e começamos! - diz Vegas. - São que horas? - pergunta Norman. - São exatamente nove horas e quarenta e quatro! Depois do almoço de meio dia a gente começa - afirma Vegas. Assim, todos jogam videogame, outros leem revistas, assistem filmes em DvD na televisão, brincam de jogos de tabuleiro e fazem coisas para se divertir, antes de viajarem a 1938. Às meio dia, Vegas faz o almoço e juntos em uma mesa todos comem, sendo ele bife com alface e ovo. Após almoçarem, todos descansam por meia hora. Depois disso, Vegas e Norman chamam todo mundo para irem ao laboratório da máquina do tempo. Assim todos ficam reunidos. - Agora vamos começar a viagem? - pergunta Gabriel. - Acho que sim, chegou a grande hora! Hora de começarmos a mudar o rumo de New World! Todos estão de acordo em irmos a Hagaliuo nesse momento? - pergunta Vegas. Todos confirmam que sim. - Ótimo, nós acabamos de preparar as roupas para vocês! Elas devem ser usadas enquanto nós estarmos dentro do buraco negro na passagem para 1938, como proteção, como eu disse ontem! Agora coloquem elas! - diz Vegas. Ele e os outros colocam as roupas, juntos aos capacetes.


- A caminhada que começaremos agora pode ser longa, eu e Norman, como eu já disse, esperamos muito tempo para fazermos isso! Ficamos décadas esperançosos para que um dia pudéssemos fazer o que vamos fazer hoje! Quebramos nossas cabeças, passamos muitos dias e noites focados nisso, para que conseguíssemos viajar no tempo! Eu peço que todos tenham calma, tenham coragem e muito foco, porque uma coisa muito valiosa está em jogo: a liberdade! Poderíamos desistir ou apenas viver seguros e tranquilos nesse banker, mas o Controle nos escolheu e o destino nos escolheu também para que façamos a mudança! Independente do que acontecer, lutem até o final! Se esforcem, porque essa tirania de Cavaleiro da Morte não pode durar mais tanto tempo! Somos os escolhidos e agora o nosso papel, irmãos, é de livrarmos New World, e eu sei que podemos, eu acredito em mim e em cada um de vocês! Nossa missão agora deve ser difícil, então vamos nos ajudar e nos proteger o máximo possível! Vamos lutar, confiantes que podemos achar e pegar aquele relógio, retornarmos para cá com ele, com todos vivos! Se não conseguirmos isso, será uma coisa a lamentar, porém se estamos aqui, prontos para isso, devemos saber que arriscar a nossa vida pode ser necessário! Então, missionários, vamos em frente por New World! - faz o discurso Vegas. - Todos que estão aqui perderam gente e enfrentaram coisas terríveis! É hora de mostrarmos mais a nossa força e também de quem é New World! Essa galáxia não é de Cavaleiro, não é de seu exército e de nenhum ser humano horrível que está junto a ele! É de todos nós! Estou disposto a me sacrificar por todos! Assim como qualquer um aqui, eu já perdi muito, quase tudo, porque ainda tenho vocês, mas para um bom futuro, estou junto nessa! - diz Rogério. - Eu também estou! - diz Léo. - E eu também! - diz Scott. Assim, Cristiano logo abraça fortemente Claudia. - Não sei se vou voltar, mas saiba que eu te amo, e se eu não vou estar aqui mais, não se preocupe, para mim o que importa é que vocês estão bem! - afirma Cris. - Eu espero que vocês voltem, tenho muita fé, proteja o Gabriel, não deixe que nada aconteça com ele! - diz Claudia aos choros.  - Vou fazer de tudo, torço para que dê tudo certo, agora temos que ir! - diz Cris. Gabriel também abraça-a. - Tchau, filho, se cuide, vá com Deus! - diz ela. - Eu vou, mãe, tenho certeza que vou fazer tudo certo, eu vou voltar, eu acredito! - se despede Gabriel. Assim, todos os outros se despedem de Claudia, Lucimar e Maria Clara. Após isso, vestidos da roupa tecnológica, se preparam para entrar na máquina do tempo. - Vamos para um local bem perto da base! Como foi dito pelo controlador Jeiry, a base fica em uma floresta bem grande, com bastante mata, então nós vamos aparecer nela, a duzentos metros da base, e vamos achar um jeito de nos infiltrar nela! - explica Vegas. Ele abre a porta de frente da máquina do tempo e depois eles entram. Com todos dentro, Norman fecha a porta. - Não fiquem assustados, essa roupa vai nos proteger de qualquer batida, esse buraco negro não deve nos colocar em perigo, e ficaremos nele por apenas dois minutos! - diz Vegas. - Eu estou assustado, por favor, não façam morrermos aqui, eu estou receoso! - diz Leonardo. - Fique tranquilo, não vai acontecer nada! Está tudo sob controle e bem planejado! Agora eu vou apertar o botão desse pequeno controle aqui que fará esse buraco negro nos engolir! Para voltarmos para cá, onde estivermos eu ou Vegas vai apertar o botão para entrarmos no buraco novamente e retornarmos para casa! Não podemos de jeito nenhum perdê-lo, senão será impossível o nosso retorno! Para quem eu entregar, guarde bem ele no bolso e cuide! - diz Norman. Assim, todos fecham os seus capacetes. - Ok, melhor você não enrolar muito, aperte logo! - diz Vegas. - É para já! Bem... vou apertar em três... dois... um! - diz ele. Após apertar o botão, o buraco negro engole-os e e eles entram. 


Dentro do buraco negro inteiramente colorido, todos são atirados para vários lados e são movimentados bastante pelo ar forte de dentro dele. Eles gritam de emoção pela adrenalina de dentro do buraco. Após dois minutos, todos saem dele e chegam ao chão de uma grama de uma floresta de Hagaliuo, no ano de 1938. 




terça-feira, 29 de dezembro de 2020

Missões - Episódio 104: A Conexão

- Você está se sentindo bem? - pergunta Norman. - Sim, não estou sentindo tonteira e nem nada! - diz Rogério. - Ótimo, você é bem resistente e forte! - diz Norman. - Eu sei! - afirma Roger. Norman termina de tirar o sangue de Rogério e derrama-o em uma grande tigela. Depois, todos voltam para a sala dos fundos da máquina do tempo. Através de um pequeno aparelho que serve para coletar coisas muito pequenas, em especial bactérias e fungos, Norman começa a tirar os protetores do sangue de Rogério. - Como vocês, só dentro desse banker, conseguiram ter tudo isso? - pergunta Leonardo. - Algumas coisas nós levamos quando estávamos nos refugiando para cá! Mas várias das máquinas e objetos bem tecnológicos que temos aqui, nós pegamos de alguns lugares dessa cidade! Um pouco arriscado sair daqui, mas nunca aconteceu nada com a gente e não encontramos ninguém, esse lugar está totalmente abandonado - diz Vegas. - Estou tirando as bactérias protetoras, depois que eu terminar vou colocá-las dentro da vidraça da máquina e vou tentar aumentá-las de tamanho, e por sorte esses protetores que o Rogério tem no sangue, são bem mais fáceis de crescerem rápido! A nossa sorte está absurda hoje - diz Norman. - Se der para conseguirmos o que queremos hoje, vai ser uma premiação de todo o nosso esforço e tudo que passamos! - diz Rogério. - Nós merecemos isso, mas na verdade a galáxia merece também, podemos viver bem aqui mas eu acredito que somos capazes de qualquer coisa! - afirma Patrick. Minutos depois, Norman termina de tirar os protetores do sangue e subindo a escada da máquina e abrindo a parte de cima dela, joga os protetores para dentro dela ao lado dos colins, através do aparelho que com ele coletou-os. - Pronto, agora eu vou mexer em alguns comandos e tentar fazer eles se sincronizarem com os cinco colins. São vinte e quatro novos protetores agora nessa máquina, espero que eu consigo! - diz Norman. - Você vai, e preste bem atenção no que está fazendo! - avisa Róguine. - Eu vou te ajudar, essa é a nossa grande chance e tenho que ter certeza de que você vai fazer tudo certo! - diz Vegas. - Agora vamos lá, fé! - diz Norman, um pouco nervoso. Todos ficam ansiosos e apreensivos. - Se der errado, vai ser uma grande chance perdida - diz Gabriel. - Não vai, vamos confiar nele! - diz Scott. - Hoje ou outros dia algo terá que dar certo, custe o que custar! - afirma Róguine. Na máquina, Norman movimenta pelos comandos os protetores para a direção dos colins. Ele tenta fazer com que os colins reconheçam os protetores que chegaram e se conectem a eles. Todos se levantam do sofá e olham para a tela da máquina, onde mostra os protetores que são bastante pequenos. - Está conseguindo? - pergunta Scott. - Os colins ainda não deram resposta - diz Norman. Com os protetores próximos aos colins e também às outras bactérias protetoras que já estavam ali, Norman e Vegas mexem em mais comandos e tentam fazer os protetores reconhecerem os colins, e também vice versa, aguardando o contato. - Olhem isso! Os colins começaram a tremer agora, o que isso significa? - pergunta Scott. - Espere! Isso é um sinal! - diz Norman. - Sinal de quê? -  pergunta Gabriel. - Eu não sei, mas pode ser que os colins tenham reconhecido! - afirma Norman. - Eles estão tremendo bastante, vamos o que isso significa, tomara que seja o que queremos! - diz Vegas. - Os protetores começaram a tremer agora também, é um sinal bom? - pergunta Claudia. - Sim, muito bom! - afirma Norman. - Os protetores e colins parecem que estão se conhecendo, pelo que estamos vendo, estão se conectando! - diz Vegas. - Deixe eu ver melhor isso... - diz Norman. - Parece que as coisas estão dando tudo certo! - diz Róguine. - Vocês têm certeza de que eles estão ficando juntos mesmo? Olhem bem para não criarem expectativas e a gente se decepcionar! - diz Leonardo. - Parece que não, eles estão se sincronizando mesmo, todos eles, sem exceções! - afirma Vegas.



Assim, todas as bactérias protetoras e todos os colins se juntam e enfim terminam a sincronização. - Acabou! Nós conseguimos! - comemora Norman. Ele logo abraça Vegas, estando muito contente com o sucesso do plano. - A espera acabou, irmão! Nós vamos viajar no tempo, finalmente! - diz Norman. - Sim, deu tudo certo! Depois de tanto tempo trabalhando duro, conseguimos! - diz Vegas. Todos também ficam felizes. - Estou contente que eu tenha contribuído para isso, agora vamos seguir com o plano! - diz Rogério. - Você é um milagroso, se não fosse você, dificilmente teríamos alguma chance de viajar no tempo, agora nós temos! - diz Vegas. - Isso aí! Agora temos um grande caminho a seguir! - diz Róguine. - Temos sim, amigo, é apenas o início, mas está sendo um grande passo dado! - afirma Vegas. - Agora que felizmente podemos viajar, o que falta para a gente fazer isso? Onde nós vamos ir primeiro? - pergunta Scott. - Primeiro nós temos que aumentar mais os protetores e os colins, porque quanto maiores, mais longe no tempo podemos alcançar na realidade clone! Com esse tamanho deles, ainda não é o suficiente para voltarmos ao ano de 1938, em uma base militar de Cavaleiro da Morte em Hagiliuo, que é o quarto planeta do sistema solar de New World! - diz Vegas. - Além de podermos voltar no tempo na outra dimensão, nós podemos chegar direto aos lugares que queremos? - pergunta Cristiano. - Sim, a energia coliar também permite isso! - afirma Vegas. - E por que você quer que iremos a essa base militar? - pergunta Scott. - Lembram quando eu falei sobre o controlador Jeiry, que esteve em uma batalha em Missions e venceu uma contra um exército de Cavaleiro da Morte na guerra? Então, o comandante desse exército, derrotado, foi obrigado a confessar os planos do exército dele e dos outros também, que eram todos de Cavaleiro! E falou sobre o relógio poderoso que Cavaleiro da Morte criou para poder derrotar os exércitos de Victor Hudson e dos controladores na guerra! O dispositivo, como eu já disse, tem poderes incríveis e que Cavaleiro usou esses poderes para dar mais força a seus homens de exército, armas, bombas e tudo que se imaginar! Uma das informações que Jeiry pegou desse comandante, e a mais importante sobre esse relógio, é que ele estaria regularmente com Cavaleiro em uma base militar importante do planeta Hagaliuo! Eu recebi essa informação do Jeiry no início de 1939, mas essas informações ele pegou meses antes, em 1938, que foi o ano que começou a guerra! - diz Vegas. - Então o seu plano é nós invadirmos essa base militar, pegarmos esse relógio e voltarmos para cá? - pergunta Leonardo. - Sim, isso mesmo! É uma base militar muito grande e importante, por isso temos que tomar cuidado e não podemos ser pegos! - afirma Vegas. - Em que dia de 1938 nós podemos chegar até lá? - pergunta Rogério. - Eu lembro que quando eu estava conversando com Jeiry, ele me disse que recebeu essa informação três meses antes, e aquela nossa conversa, que eu nunca esqueci, aconteceu em janeiro de 1939, então nós devemos viajar para algum dia de outubro de 1938! - diz Vegas. - Você tem ideia de como é a base e como vamos invadir? - pergunta Rogério. - Não, mas quando chegarmos lá, veremos como vamos invadir, porém presumo que podemos entrar disfarçados como soldados qualquer, e procurar o relógio dentro da base! - diz ele. - É uma missão bem complicada, mas espero que consigamos fazê-la - diz Norman. - Temos que conseguir, o nosso papel é esse! - diz Vegas. Norman vai até a máquina e com os comandos começa a aumentar o tamanho dos protetores novos que chegaram do sangue de Rogério e também dos colins.



Uma hora e meia depois, os protetores ficam bem maiores, os colins também, e assim, o buraco negro de dentro da máquina possui a condição de dentro dele ser criado uma dimensão clone. - Agora está tudo pronto, pessoal! No momento podemos viajar no tempo! Agora mesmo eu posso criar uma outra dimensão dentro do buraco negro, e depois entrando nele podemos chegar em Hagaliuo, próximo da base militar, que já sabemos exatamente a localização, e vamos para 1938! - diz Norman. - Precisamos ir agora? - pergunta Cristiano. - Não, talvez mais tarde ou amanhã! Vocês que decidem! - diz Vegas. - Eu prefiro amanhã, eu quero passar um tempo com minha esposa, minha mãe e minha irmã! Eu não sei se eu vou voltar a ver elas depois! - afirma Cris. - Você está certo! Então já está decidido, amanhã nós vamos começar a viagem! - diz Vegas. - É bem melhor, queremos descansar mais primeiro, depois da luta complicada que tivemos em Saumurto e essa viagem para chegarmos aqui! - diz Róguine. 




quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

Missões - Episódio 103: Protetores

Norman e Vegas, na gaveta de um armário da sala onde estão todos, pegam uma caixa de equipamentos médicos. Todos, com exceção de Claudia, Lucimar e Maria Clara, que não são controladoras, começam a ter um pouco de seus sangues tirados para Vegas e Norman checarem se alguém possui as bactérias protetoras dos colins no sangue ou não. Enquanto Norman tira o sangue de Leonardo, Rogério vai ao banheiro, que fica na mesma sala. Após todos terem seus sangues tirados, com exceção de Rogério que está no banheiro, Vegas e Norman saem para irem a outra sala onde eles mais costumam fazer experimentos. Todos os outros permanecem na mesma. Os dois entram na sala. - É muito difícil de alguém ter essa sorte, e se a lógica acontecer, qual você acha a alternativa mais viável de acharmos protetores? - pergunta Norman. - Teríamos que achar mais colins no reino quântico, simples assim! E tentar descobrir se há uma possibilidade de tirarmos eles dos colins que seguem e colocarmos nos cinco que temos! - afirma Vegas. - E ser for impossível? Desistiríamos do plano de viagem no tempo? - pergunta Norman. - Talvez, para descobrirmos se é possível ou não, pode não ser fácil! Se não for, teremos que achar mais alternativas, porque não podemos desistir da nossa missão sem ter certeza de nada! Eu acredito na salvação dessa galáxia, não vou abaixar a cabeça até ter a certeza e ter todas as coisas comprovadas de que não seja possível viajar no tempo! - diz Vegas. - Estou junto com você! - afirma Norman. Rogério sai do banheiro. - Todo mundo já foi checado, só faltou você - diz Leonardo. - Cadê eles? - pergunta Rogério. - Foram para o outro laboratório olhar os nossos sangues! - diz Scott. - Róguine, você que é o mais sábio aqui, acha possível alguém ter protetores no sangue? - pergunta Patrick. - Eu só descobri que existem eles agora, eu não sei, mas se alguém ter, será uma coincidência muito grande e uma sorte que vai nos fortalecer muito, além de um passo muito grande para o nosso objetivo! - diz Róguine. Vinte minutos depois, Vegas e Norman retornam à sala onde estão eles. - E aí? Já sabem? - pergunta Cristiano. - Sim, vimos e analisamos os seus sangues e nenhum está com as bactérias infelizmente! Como já dissemos, é uma coisa bem rara! - afirma Norman. - Vocês ainda não checaram meu sangue, só faltou eu! - diz Rogério. - Ok, vou coletar o seu agora! - diz Vegas. Ele tira o sangue de Rogério e vai ao laboratório de novo, junto com Norman. Vegas derrama o pingo do sangue dele em uma taça. Assim, ele pega um microscópio muito avançado e nele, dando um zoom muito grande para observar o sangue, fica abismado e coloca sua mão na boca. - O que você está vendo, Vegas? - pergunta Norman estranhando a reação dele. - O impossível! - diz Vegas. Norman olha para a imagem do microscópio e também fica surpreso. Os dois correm e voltam para a outra sala, com Vegas abrindo a porta empurrando-a muito forte. - Por que correram tão rápido para cá? - pergunta Róguine. - Porque a sorte nos pegou de surpresa, venham com a gente, vocês saberão o que é! - diz Vegas. Todos saem da sala e vão ao laboratório. - Falem logo o que é, estou curioso! - diz Gabriel. - Esse é o nosso microscópio, que se chama "Hyper Advanced-44", e observamos o sangue de Rogério aqui! Para o nosso espanto e também o de vocês, ele não apenas possui os protetores no sangue, como também a energia coliar, que está junta e sendo segurada por todos eles, e é um dos tipos de energias coliares mais fortes e rápidas que existem, suficiente para se juntarem às energias coliares dos nossos cinco colins, acelerarem muito o ritmo do processo de crescimento dos nossos colins e as energias que eles possuem, e darem a possibilidade de já hoje viajarmos no tempo na época da guerra de New World dos anos 1930 e 1940! - afirma Vegas. - Isso é sério ou é uma brincadeira? - pergunta Leonardo desconfiado. 


- Não é uma brincadeira, pode observar no microscópio! - diz ele. Leonardo faz isso e vendo os protetores junto às suas energias coliares, se assusta. - Inacreditável, é verdade mesmo! - diz ele. - Então você quer dizer que podemos fazer a viagem no tempo agora e que eu sou um absurdo de sortudo? - pergunta Roger espantado. - Sim, nós podemos sim, muito provavelmente! - afirma Vegas. Todos começam a observar a imagem do microscópio. - Isso é um milagre, como pode ter ocorrido isso? - diz Norman. - É a sorte do universo, irmão! O universo escolheu Rogério ter tudo o que precisávamos! - diz Vegas. - Depois de tudo que passamos, podemos agir de uma vez por todas agora! - diz Norman. - Eu sabia que você teria alguma ideia de dar esperança a essa galáxia, amigo! Eu te procurei e ela renasceu! - diz Róguine. - Não apenas eu, como também Norman que trabalhou comigo aqui por muito tempo, e vocês que sofreram muito até chegar aqui, e vir Rogério, que passou por momentos muito complicados, foi aprisionado por quinze anos por culpa de seu irmão, e dentro de si tem o suficiente para a gente começar o que queremos a décadas! - diz Vegas. - Obrigado, é uma honra ser logo eu! - diz Roger. - Irmão, sua sorte pode tirar a galáxia dessa situação! - diz Leonardo. - Acredito que poderá, talvez! - afirma Rogério. - Porém ainda não há toda a certeza que podemos viajar no tempo agora, só o pouco de sangue que coletamos dele não possui o número de protetores e energias coliares suficientes para fazermos a viagem agora! E não sei se será possível passar essas bactérias protetoras e energias para ficarem juntas e sincronizadas com os colins que temos na máquina, depende muito do que cada protetor pode fazer ou não! - diz Vegas. - Quanto do meu sangue você precisa? - pergunta Rogério. - Para viajarmos agora, um litro e meio mais ou menos! Nós coletamos os protetores do seu sangue e vemos se eles conseguem se juntar aos nossos colins! - diz Vegas. - Não precisa perder o seu sangue permanentemente, depois que coletarmos, podemos devolver ele de novo a seu corpo! - diz Norman. - Então pode tirar agora, precisamos fazer essa viagem no tempo, não podemos deixar de conseguir fazer isso! - afirma Roger. Ele se senta em uma cadeira e Norman começa a tiragem do sangue de Rogério. - Você pode sentir algumas tonturas, mas não se preocupe, não é o suficiente para acontecer algo sério, você tem bastante sangue - avisa Norman. Claudia vai para o canto da sala e chama Cristiano. - Fala, Claudia! - diz ele. - Se der para viajarem no tempo, eu, a Clara e sua mãe não vamos poder ir, é muito risco! - diz ela. - Claro que não, vocês não têm poderes, vocês devem ficar aqui! - diz ele. - E você quer ir com eles? - pergunta ela. - Sim, quero! Vai ser para a galáxia e eu quero ajudá-los, me sinto parte disso! - diz Cristiano. - Você acha que precisa ir mesmo? Eu não quero te perder, nós já corremos riscos demais, fique aqui com o Gabriel e Patrick, eu quero vocês aqui com a gente seguros! - afirma Claudia. - Eu entendo, sei que depois de muita coisa podemos ficar bem aqui, mas a galáxia está em caos, e eu acho que posso fazer diferença! - diz Cris. - Deixe eles irem, não precisamos disso, é para a gente ficar em paz aqui e bem! Tenho medo de algo acontecer com vocês, não quero que passem esse risco! - diz Claudia. - Eu, Gabriel e Patrick, estamos com eles, nós queremos lutar por New World! Infelizmente temos que correr esses riscos e talvez sejamos as únicas pessoas no momento que podem salvar bilhões de pessoas que estão sofrendo e passando fome nessa ditadura de Cavaleiro da Morte! - diz Cristiano. - E se der errado? - pergunta ela. - Isso pode acontecer, mas tentar nós vamos tentar, até o fim! Todos nós aqui perdemos muitas coisas e pessoas, mas vamos agora tentar ao menos recuperar a liberdade de muitas, pense bem nisso! - diz ele. Assim, Cristiano volta para ficar junto aos outros e Claudia também.





terça-feira, 22 de dezembro de 2020

Missões - Episódio 102: Projeto New World

Que porcaria é essa? - exclama Leonardo. - Não faço a mínima ideia! - diz Rogério. Todos os outros também ouvem a explosão e sobem para o andar mais alto onde estão Rogério e Leonardo, incluindo Vegas e Norman. - O que é isso, podem nos explicar? - pergunta Roger. - Que brinquedo é esse? Coisa estranha! - comenta Patrick. Vegas e Norman logo entram na sala, passam por cima da porta com raios em volta e mexem na máquina onde possui uma superfície muito grande com inúmeros botões e comandos, e também logo acima com uma vidraça de cerca de três metros e meio de altura e dois de comprimento tendo dentro dela várias estranhas coisas coloridas de diferentes formatos flutuando. Após Vegas mexer nos botões e nos comandos, Norman sobe em uma escada e tapa com a tampa a parte de cima da vidraça da máquina. Já Vegas recolhe duas das criaturas estranhas que saíram da máquina e foram lançadas ao chão. Assim, coloca-as no lixo. - Explique isso, Vegas! Que máquina é essa? Que coisas são essas? Você não contou para nós sobre isso! - pede Róguine. - Eu entendo, parece ser estranho para vocês, e é mesmo! Eu só não queria contar isso antes, para vocês serem surpreendidos! - afirma Vegas. - Do que você está falando? - pergunta Scott. - Surpresos nós já estamos, acabou de ter uma explosão que quebrou a porta e do nada encontramos uma máquina estranha dessa com essas coisas esquisitas! - diz Róguine. - Fale logo o que é isso! - diz Leonardo. - Calma aí! Norman, você se esqueceu de fazer alguma coisa na máquina, apertar algum comando, aumentar o tamanho das bactérias...? - pergunta Vegas. - Bactérias? - se surpreende Gabriel. - Não, eu me lembro que fiz tudo o que deveria fazer! Eu aumentei o tamanho das bactérias, mudei o ritmo da energia “coliar” e mantive a superfície fria - afirma Norman. - Então alguma coisa de errado deve ter acontecido! - diz Vegas. - Será que a energia está no limite do seu ritmo para essa vidraça aguentar? - pergunta Norman. - Eu acho que sim, essa explosão nunca aconteceu, é a primeira vez! - diz Vegas. - Eu estou boiando, você sabe do que ele está falando? - chega Gabriel para Cristiano e pergunta. Nada! - diz ele. - Tudo isso está muito mal explicado, eu gostaria que vocês dessem uma explicação melhor, não fazemos ideia do que estão dizendo! - diz Rogério. - Calma, nós vamos dar! Eu só estou querendo saber exatamente o que aconteceu aqui - afirma Vegas. Ele checa todos os botões da máquina que ele ainda não havia checado e percebe que tudo está certo com os comandos. - Pois é, Norman, você está certo! No momento essa vidraça não aguenta mais o crescimento das energias das bactérias, acho que chegamos no ponto final! - diz Vegas. - Ou seja, não vai ter mais como? - pergunta Norman. - Talvez não! - afirma Vegas decepcionado. - Qual é o objetivo que vocês tem nessa máquina? O que ela faz com essas bactérias? - pergunta Cristiano. - Vocês vão ficar bem surpresos quando descobrirem do que se trata, mas antes de eu falar, eu primeiro vou explicar aonde que eu cheguei até construí-la! Tenho certeza que vocês vão ficar de bocas abertas! - diz Vegas. - Deve ser uma brincadeira bem complexa e científica - diz Gabriel. - Só que isso está longe de ser uma brincadeira, é um objetivo que eu e Norman temos há vários anos e estamos construindo com muito cuidado! - afirma Vegas. - Talvez eu imagine qual é esse objetivo, só não faço ideia de como será feito! - diz Róguine dando um belo sorriso. - Vou explicar tudo detalhadamente para que fique tudo claro! Vocês sabem que eu adoro ciência e estudo muito aprofundadamente ela, não sabem? O Róguine deve ter falado muito sobre mim para vocês - diz ele.


- Sim, sabemos, inclusive ele disse que caso vocês perdessem a guerra, você iria se esconder em um banker lendo muitos livros de ciência bebendo chocolate quente, e está acontecendo! - diz Scott. - Rs - ri Vegas. - Sim! Eu até duvidei que perderíamos a guerra, mas acabei fazendo o que eu falei! - diz ele. - Então... continue contando! - diz Léo. - Então, eu sempre fui muito apegado a ciência e tecnologia! Desde que nasci eu sempre pesquisei sobre qualquer coisa relacionada a ciência! Desde muito tempo eu escuto documentários e leio sobre coisas científicas, ou pelo menos eu ouvia ou lia! E isso foi determinante para eu virar um controlador, porque pesquisando a fundo como é ser um, eu consegui esse feito e sempre explorei bastante as várias variedades que existem sobre tecnologia e ciência! Antes daquela guerra terrível que houve há décadas atrás, eu não era um cientista, mas eu já tinha muito conhecimento, e sabia de várias coisas! E foi pesquisando que eu descobri um fato importante que fez eu e Norman começarmos a trabalhar profundo nele - diz Vegas. - O que seria? - pergunta Léo. - Muitas décadas depois do fim da guerra, exatamente no ano de 1982 e dentro desse banker, eu li um livro que me chamou muito a atenção, e eu o achei em uma biblioteca há um quilômetro daqui onde possui centenas de livros! O nome é “Mistérios quânticos”, do cientista John Sopa, um dos maiores de todos os tempos, e nele há muitas coisas anormais e curiosas relatadas por John sobre o mundo quântico, e o que mais me chamou a atenção, e que me acendeu uma lâmpada em minha cabeça, é a existência de bactérias que através de uma energia contida nelas chamada “coliar”, poderiam mudar o tempo ao seu redor! - do Vegas. - Espere aí, você está falando dessas mesmas bactérias que estão dentro dessa máquina? - pergunta Scott. - Sim, elas mesmas! Eu li o livro, e ele foi publicado em 1938, ou seja, perto de ocorrer aquela guerra! Segundo o livro, que logo eu vou mostrar a vocês, essas bactérias foram analisadas pelo laboratório de Winpool, uma cidade do planeta Ouplasu, e elas dentro do mundo quântico são muito pequenas, e John e outros cientistas perceberam coisas estranhas! Essas bactérias quando andam, elas às vezes voltam na mesma posição que antes, entrando como se fosse em um loop temporal, repetindo os mesmos movimentos, só que apenas desaparecendo de suas atuais posições e voltando para a anterior de alguns segundos atrás, sem voltar com movimento! E em microscópios muito eficazes na época, dava para perceber que eles soltam uma energia ao seu redor antes de entrarem no loop temporal e em alguns momentos esses loops se repetem poucas, mais ou menos ou muitas vezes! E não são apenas as bactérias que se colocam em um loop, tudo que estiver ao redor delas em uma determinada distância entrará em loop também! O cientista John nomeou essas bactérias como Colins, e como a galáxia estava quase entrando em guerra, ele não teve tempo suficiente de estudar mais a fundo sobre o funcionamento dessas bactérias, e nem de criar um equipamento que raptaria elas! Em 1982 eu li isso e logo imaginei que através delas poderia haver a possibilidade de usá-las para voltar no tempo! - diz Vegas. - Uau! Eu nunca tinha lido esse livro antes, quando ele foi lançado eu não fiquei sabendo dele, mas isso é incrível! Estou muito... uau, como assim viagem no tempo? E você está usando elas agora com esse objetivo? E como?! - pergunta e fica empolgado Róguine.


- Exatamente! É surpreendente mesmo, mas calma que eu ainda vou explicar mais coisas! Então, o livro diz que essas bactérias variam de tamanho uma das outras e que o espaço que a energia delas usa para fazer o loop é um pouco maior que elas mesmas e tem uma largura um pouco maior também! Como vocês podem ver ali na máquina, aqueles choques que estão em volta das bactérias são as energias coliares, uma em cada bactéria, que fazem o loop temporal, e vocês podem observar que não parece que elas estão fazendo um loop temporal, mas na verdade estão sim! Pode ser que no momento elas estejam repetindo seus movimentos ou fazendo movimentos novos, mas sim, elas fazem loop temporal, mas como elas estão muito maiores como eram no mundo quântico, os loops acabam ocorrendo em prazos mais longos de acordo com o tamanho! - diz Vegas. - Inacreditável! Eu nunca iria imaginar que essa máquina era para hospedar bactérias que viajam no tempo, eu estou muito impressionado com isso! - diz Gabriel surpreendido. - Eu estou realmente muito impressionado também, e está demorando trinta anos para você completar essa gambiarra! É impressionante e chocante - diz Rogério. - De fato! Eu nunca iria imaginar que fosse possível viajar no tempo, mas parece que é um projeto apenas para fazer experimentos, e nós teríamos que estar dentro dessa vidraça com essas bactérias estranhas para fazer isso - diz Leonardo. - Mas não é nada do que você está pensando, o objetivo é muito maior que esse! - afirma Vegas. - Então qual é? - pergunta Cris. - Essas bactérias são capazes de algo muito maior do que eu disse agora! Foram necessários muitos anos de estudos e pesquisas para que eu descobrisse mais coisas sobre as bactérias Colins! Eu e Norman descobrimos e nós decidimos começar um plano de longuíssimo prazo e muito difícil, que é fazer a energia coliar percorrer um espaço muito maior! Porém vocês mais uma vez ficarão um pouco chocados, ou melhor, muito, sobre o que eu vou dizer do que essas bactérias são capazes de fazer! Eu costumo chamá-las de "pequenos celestiais"- diz Vegas. - O nosso trabalho é bastante duro e ainda não terminou, e é algo muito grande e difícil, nem sabemos se vamos conseguir completar! - afirma Norman. - Sim, mas seguimos persistindo no nosso plano! Bom, mas continuando, eu vou ser mais direto sobre qual é o nosso objetivo construindo essa máquina do tempo, se preparam para a surpresa! Bem.. nós basicamente queremos voltar para os anos 1940, quando estava ocorrendo a guerra, para acharmos um relógio muito poderoso que Cavaleiro da Morte criou! É um relógio que serve para comandar e usar poderes extraordinários, e ele pode dar esses poderes deste relógio a qualquer ser ou objeto! Ele construiu esse dispositivo monstruoso sozinho e colocou os poderes dele nas naves e no seu exército para ele vencer a guerra espacial! Eu não sei se você, Róguine, já ouviu falar dele, porque eu acredito que poucos já ouviram sobre isso! - diz Vegas. - Não, eu nunca ouvi nada! Mas quem te contou? - pergunta Róguine, após todos colocarem a mão na boca mais uma vez por surpresa da revelação. 


 - As informações sobre esse relógio são confidenciais sendo vazadas por alguém próximo de Cavaleiro da Morte! Eu não sei quem é, mas o Jeiry, um controlador que não era muito próximo de mim, mas que estava junto comigo em uma batalha em Gabyrtaule, me falou sobre isso, e que pegou essa informação do comandante de um exército de Cavaleiro da Morte em Missions, após Jeiry ganhar uma batalha contra ele! Eu esqueci o nome desse comandante, mas ele disse isso depois que Jeiry obrigou a ele confessar os planos de alguns outros exércitos que estavam em Missions, que na época costumávamos chamar de Hugosir, que é o nome original, mas como vocês explicaram toda a história desse planeta que foi trancado pela força Eigaing Ohne, por Cyurg, também pode ser chamado de Missions - diz Vegas. - Impressionante, então nós entramos nessa vidraça e viajamos no tempo, certo? - diz Rogério. - Exato! Vou explicar como funciona e como nós nos colocamos em uma viagem... essa máquina tem a opção de poder escolher em que época podemos viajar! No momento essas bactérias estão em uma evolução bem avançada da energia coliar, e eu descobri um jeito de fazê-las viajarem no tempo com nós ao lado delas, porém com a máquina fazendo o espaço de todo o tempo do universo podendo ser projetados apenas dentro da máquina. Explicando melhor, basicamente podemos viajar no tempo e percorrer qualquer espaço de qualquer época do universo dentro dessa vidraça! Nós viajamos para uma realidade clone da nossa e essa máquina possui um pequeno buraco negro, que é feito pela energia coliar dessas bactérias, e entramos nele para chegarmos à outra realidade! É aquele pequeno círculo azul e roxo ali perto dos Colins! - diz Vegas. - Como você conseguiu descobrir isso tudo? É uma coisa doida que eu nunca imaginaria que era isso na primeira vez que eu vi essa máquina! - afirma Rogério. - Foram necessários muitos livros e um grande conhecimento de mundo quântico e as coisas bizarras que ele pode fazer! Eu fiz muitos testes com os Colins, estudando a fundo o que eles são! E descobri também o jeito de provocar que os colins criem um buraco negro! É muito complexo, então eu estou resumindo o "Projeto New World", que é o nome que eu dei para essa nossa missão - diz Vegas. - Mas agora que duas dessas bactérias foram lançadas ao chão, o que vai dar de errado no plano? - pergunta Leonardo. - Eu coloquei cada um dos sete Colins que raptamos para ficarem totalmente sincronizados e fazendo um só período de loop temporal, e a diferença é que cada um torna um loop mais longo, porque todos se ajudam. Seria diferente se usássemos apenas um Colin, porque assim um loop seria bem mais curto! O problema é que perdemos dois desses Colins e infelizmente descobrimos agora que essa vidraça não é capaz de suportar a energia coliar suficiente que precisamos para viajarmos no tempo! Ela causa ventos fortes no ar que fizeram a tampa sair e as bactérias serem lançadas para fora e morrerem com a queda! - afirma Vegas. - Então vão ter que construir outra vidraça? - pergunta Cristiano. - Construir uma não é fácil, pois demoramos bastante tempo para fazermos essa, e o ar não possui resistência suficiente para aguentar essas energias coliares dessas bactérias! As dos Colins que pegamos causam ventos mais intensos que o comum, e a vidraça infelizmente é frágil a elas - diz ele. - Vocês têm alguma ideia de resolver isso? Algum modo dessa vidraça que hospeda as bactérias e a energia... resistir? - pergunta Rogério.


- Talvez... o que o Vegas não contou ainda, é sobre as bactérias que ficam em volta dos colins, que nós chamamos de “protetores”, que são muito menores que os colins. A função deles é não permitir com que a energia coliar de cada colin ultrapasse um espaço que vá além dos protetores, eles basicamente seguram a energia coliar e são resistentes a ela! Existem três protetores para cada colin. Infelizmente, para o nosso azar, os protetores dos colins que possuímos, são muito frágeis e boa parte das energias coliares passam deles e permitem com que elas causem ventos fortes na superfície da vidraça e acabou fazendo agora com que a tampa da máquina saísse e que duas bactérias fossem atiradas no ar! E se continuarmos aumentando o tamanho dos colins e aumentando também o ritmo de crescimento da força das energias coliares, como já foi provado, essa vidraça uma hora não vai mais resistir e irá quebrar! E os colins precisam estar dentro dessa máquina, porque ela possui uma refrigeração de -134 graus, que é a temperatura ideal para que eles vivam, pois se tiver uma bem maior ou bem menor, eles não sobrevivem! - diz Norman. - Já que a vidraça é frágil e esses protetores são fracos, como eu já havia perguntado, vocês têm uma solução? - pergunta Rogério. - Talvez sim, e isso que eu vou dizer é uma possibilidade! Por coincidência grande, e sem nenhuma explicação, as bactérias protetoras dos colins ficam hospedadas no sangue de alguns controladores, não fazendo nenhuma função, apenas ficam hospedadas! E esses protetores nem ficam junto aos colins e sim fora deles, que nem aparecem e por coincidência sem explicação, só as bactérias protetoras ficam no sangue de um controlador! Mas isso é raro de acontecer e poucos são os controladores que possuem os protetores no sangue - diz Norman. - Quantos são eles que ficam no sangue? - pergunta Scott. - Não há um número exato, mas geralmente são de quarentena a cinquenta protetores que esses raros controladores possuem, e um número bem mais do que o suficiente para conseguir segurar as energias coliares e deixar elas crescerem de força o bastante para que possamos viajar ao final dos anos 1930 ou aos anos de 1940 durante a guerra galáctica, para que alcancemos esse objetivo: acharmos e pegarmos o dispositivo poderoso criado por Cavaleiro da Morte, voltarmos a nossa realidade normal como essa e usando esse aparelho, lutarmos contra Cavaleiro da Morte e seu grande exército, para libertarmos a galáxia desse reinado tirano e assassino dele! - diz Norman. - Engraçado que o Vegas antes tinha dito que ele não faria nada para salvar a galáxia e não acreditava nisso - afirma Gabriel. - Eu na verdade menti para que depois vocês se surpreendessem com essa missão que estamos planejando, como já aconteceu! - diz Vegas. - Voltando a falar das bactérias, eu já afirmo que é muito difícil e quase impossível de algum de vocês, que seja controlador, ter as bactérias protetoras no sangue, mas não custa checar para ter certeza! - diz Norman. - Então você quer pegar um pouco do sangue de cada um e ver se alguém tem, não é? - pergunta Leonardo. - Exato! Vocês topam fazer isso? Eu e Vegas até já fizemos esse teste sanguíneo, mas vimos que não temos - afirma Norman. 

Rogério, Leonardo, Róguine, Scott, Cristiano, Patrick e Gabriel confirmam que querem checar. - Então agora eu e Vegas vamos começar a checagem! - diz Norman. 




quarta-feira, 20 de maio de 2020

Missões - Episódio 101: O Banker

Eles chegam ao campo de flores e a nave pousa lá. Róguine desliga a nave, todos descem dela e ele tranca-a. - Vamos esperar eles saírem do banker ou alguém grita? - pergunta Patrick. - Eu vou gritar o meu nome, como o Santys falou! - diz Róguine. - Vegas! Norman! É o Róguine! Eu sou o Róguine, estou aqui! - grita ele bastante alto. - Eu acho melhor nos armarmos, talvez eles nos ataquem na hora, levantem as armas! - alerta Rogério. Eles levantam. Atrás deles, a porta do banker é aberta. Eles viram-se para atrás e veem um homem de capacete apontando a sua arma de dentro do banker. - Quem são vocês? O que querem? - pergunta ele. Com todos apontando suas armas ao homem, Róguine coloca sua arma no chão e chega mais perto dele. - Saia, não chegue muito perto! - avisa o homem. - Pode ficar calmo, não queremos machucar ninguém! - diz ele. - Então diga logo o que vocês estão fazendo aqui! - pede ele. - Eu vou ser direto! Eu sou o Róguine, antigo controlador amigo do Norman e do Vegas! Nós fomos ao bar que íamos bastante e encontramos o Santys lá, que revelou que eles vivem aqui! - revela Rog. O homem fica muito surpreso, tira o capacete, olha para Róguine e depois de alguns segundos o reconhece. - Inacreditável! Você está vivo! - diz ele, logo se levantando e saindo do banker. - Norman o seu nome, não? - diz Róguine o reconhecendo. Ele começa a chorar e logo abraça Róguine. - Eu não consigo acreditar, você veio, meu amigo! Você está vivo! - diz Norman às lágrimas. - Sim, eu vim, e não foi fácil! - afirma Róguine. - Como você chegou? E quem são eles? Ai, minha mãe do céu, é difícil de acreditar! - diz Norman emocionado. É uma longa história! Mas onde está Vegas? - pergunta Róguine. Outro homem acaba saindo do banker. Ele olha atentamente para Róguine. - Espere um pouco... Róguine? - diz ele. - Vegas! - se surpreende Róguine. Os dois logo correm e se abraçam fortemente. - Belisca e me acorde, é inacreditável, você voltou! - diz Vegas extremamente emocionado. - Saudades de você, parceiro! Eu voltei pra valer! - afirma Róguine colocando suas mãos no ombro dele. Após isso, Róguine apresenta Rogério e o restante a Vegas e Norman, fazendo todos se cumprimentarem. - É melhor nós entrarmos no banker e nos sentar para conversarmos melhor! - diz Vegas. Todos logo entram no banker. - Estou até agora sem acreditar nisso, parece que temos muito papo pra falar! - comenta Vegas, enquanto eles descem as escadas do banker. - Sim, temos, e muito! - afirma Róguine. Descendo as escadas, eles logo sentam em alguns sofás e poltronas da sala, onde tem televisão, algumas estantes, mesas e é bem espaçosa. - Vocês querem que eu faça um café, para nós batermos um papo melhor? - pergunta Vegas. - Sim, eu quero, por favor - pede Róguine. - Eu nunca imaginaria que depois de todo esse tempo, isolados e sem saber da notícia de muita gente, surgiria você do nada em frente à nossa casa, você está devendo muitas explicações! - diz Norman dando um riso. - Sim, eu estou sim - afirma Róguine dando uma risada também. - Eu já imagino o que você passou até você descobrir onde ficamos! - diz Norman. - Amigo, eu passei por muita coisa, confesso que achar você foi muito mais fácil do que eu imaginava, mas antes de procurar vocês muita coisa aconteceu mesmo! - diz Róguine. - Depois que estávamos cientes que perderíamos a guerra, eu, Vegas e Santys decidimos recrutar o máximo de pessoas da família e amigos para nos esconder e vivermos nesse banker, mas não conseguimos! - diz Norman. - Mas por que? - pergunta Rog.


- Cavaleiro da Morte estava cada vez mais perto de vencer a guerra, já tinha matado Victor Hudson e o tempo que nós tivemos era pouco para chamarmos pessoas próximas da gente de diferentes lugares! Era questão de dias até Cavaleiro vencer a guerra e ir a qualquer planeta significava um risco muito grande! Infelizmente vários amigos nossos, e também pessoas da família, morreram ao nosso lado em uma batalha em 1944 no planeta Niumanytre, onde foi a nossa última! Foi no fim da guerra, quando boa parte dos exércitos e bases de Victor Hudson já estavam mortos e destruídos! Nós conseguimos vencer a batalha, mas só sobraram nós três, e era certeza que se ligássemos ou tentasse algum contato por rádio ou telefone, seríamos rastreados! E outros familiares nossos ou estavam mortos, ou estavam a três planetas de nós! - diz Norman. Vegas termina de fazer o café e dá uma xícara a Róguine e Cristiano. - Foi fácil vocês fugirem de Niumanytre e se isolarem aqui? - pergunta Róguine. - Não, tivemos que fugir de algumas naves do exército inimigo e tomar muita cautela, mas ainda bem conseguimos e décadas depois estamos bem, com exceção de Santys, acredito! - diz Norman. - Nós visitamos ele, está completamente pálido! - comenta Róguine. - Ele se viciou muito em bebidas, eu e Norman sempre alertamos ele a não exagerar na dose, mas ele não nos escutava e começou a fazer algumas besteiras, inclusive a nos perturbar! - diz Vegas. - O que ele fez? - pergunta Róguine. - Quebrou uma das televisões, a sorte é que temos outra! Além disso ele quebrou inúmeros pratos da cozinha, xingava sem motivo, quebrava muita coisa, nos batia... ele se transformou completamente por causa das bebidas! Nós até tentamos tirar isso dele à força, mas não adiantava, ele sabe fabricar cerveja, e quando tentávamos tirar bebida dele, ele fazia confusão! Ele tirava a nossa paz, e chegou uma hora que não estávamos mais aguentando e decidimos expulsá-lo daqui até ele abandonar as bebidas! Foi difícil fazer isso, porque é nosso amigo, mas estava complicada a situação - diz Vegas. - Quando eu vi o Santys hoje, ele não estava assim ruim da cabeça! Ele estava obeso e com um corpo estranho e pálido, mas ele se comportou normalmente, nós conversamos muito - afirma Róguine. - Com certeza ele estava com uma cerveja na mão enquanto conversava! - diz Norman. - Você está certo, eu até alertei ele sobre as bebidas, mas parece que não vai adiantar, só está esperando a própria morte, ele se sente fracassado - diz Rog. - Santys talvez perdeu mais do que nós, ele tinha uma família enorme, e tudo foi por água a baixo! Mas ele infelizmente não superou isso e usou o álcool como ferramenta para esquecer das desgraças passadas! - diz Vegas. - Mas mudando de assunto, conte o que aconteceu até você chegar aqui! - pede Norman. Assim, todos ajudam a Róguine falar os acontecimentos do fim da guerra em 1944 até aquele momento. Vegas entrega o café a Róguine. Ele começa a bebê-lo. - Acho que faltou um pouco de pó - comenta Róguine sobre o café. - Trezentos anos fazendo café da manhã e até agora não acerta um! - diz Norman dando uma riso. - E você que consegue ficar uma hora perto do forno e queima todos os bolos que faz! - retruca Vegas. - Bolo é meio complicado de fazer, agora café da manhã é demais, irmão, você ainda me supera! - afirma Norman. - Falou o grande especialista em fazer bolos, eu vou te ensinar a fazer torrada, aí você vai acertar! - sacaneia Vegas. Todos dão risadas. - E eu vou te dar uma receita pra aprender a fazer pão e café, é um pouco difícil mas eu acho que você vai conseguir fazer bem! - devolve Vegas.


- Melhor que você eu acho que sim - diz Norman. - Desculpe, Róguine, perdão, pessoal! A gente estava aqui falando de coisas sérias e vem esse bobo falar de pão e café, já podemos continuar o que estávamos falando! - diz Vegas. - Tudo bem, deixe eu só me segurar aqui - diz Róguine, colocando a mão na boca segurando risada. - Por mim já podem continuar o papo de café, bolo, eu até que gostei, achei interessante! - afirma Patrick. - Ok... (rs), continuando, a briga que tivemos contra Cavaleiro da Morte foi feia, a gente começou a tentar sufocar ele com nossos poderes, e conseguimos, chegou uma hora que prendemos ele, tentei fazer ele dizer como podemos desativar a força Eigaing Ohne, mas ele se soltou rapidamente! Ele é muito poderoso e não conseguimos prendê-lo por muito tempo! - diz Róguine. Vegas o interrompe. - E depois? - pergunta ele. - Continuamos a luta, o Scott que achávamos que tinha morrido, apareceu, nos ajudou, mas o Cavaleiro conseguiu quebrar todo mundo! A nossa esperança de sobrevivência estava toda ali! Ficou todo mundo deitado e ajoelhado, e ele falando que já tinha vencido e que não podíamos mais fazer nada! E Cavaleiro, chegando perto de Rogério, enfiou a sua facona no peito dele, mas como tínhamos recebido o poder do líquido que eu falei agora pouco, e juntando a isso o Controle nos ajudando, Rogério recebeu uma cura imediata e ainda ficou com o corpo inteiro com choque e trovão! Se recuperou totalmente com muita sorte e só ficou brigando com Cavaleiro! No fim da luta o Cavaleiro acabou caindo de um penhasco e resgatamos Rogério com a nave dele! O Leonardo conseguiu pegar a chave durante a luta e agora estamos com ela, e não sabemos como ficou Cavaleiro da Morte depois disso, mas com certeza ele ficou bem, o penhasco não era tão perigoso assim para ele - diz Róguine. - A nossa vontade de mudar New World ficou mais forte depois de nos livramos de Cavaleiro, muito por causa disso procuramos vocês, tendo uma ponta de esperança que poderíamos achá-los e poder fazer alguma coisa! - diz Rogério. Vegas coça o queixo. - Vocês já tiveram algum plano de derrotar Cavaleiro? - pergunta Leonardo. - Olha... nunca pensamos disso, acho que tivemos uma segunda chance aqui dentro desse banker, realmente é muito difícil deter tudo o que aquele sociopata construiu! Tudo o que ele tinha que fazer para si, ele fez, não tem como voltar mais atrás, já era! - afirma Vegas. - Mas deve haver um jeito! - diz Rogério. - Infelizmente não há, somos apenas mais de meia dúzia de pessoas, o que podemos fazer? - pergunta Norman. - Não sei, o Controle nos guiou todo esse tempo para um dia chegarmos nesse objetivo! Pode ser loucura, mas nós ainda acreditamos nisso, sei que podemos fazer qualquer coisa, nos superamos dentro daquele sítio e assim como vocês, perdemos tudo! Minha esposa morreu por causa do Wind, vi muitos amigos meus morrerem de tanto lutar e tive que aguentar minha filha indo embora ao meu lado por aquele desgraçado! Começamos com esse objetivo, alguns foram sacrificados por isso e fizemos uma verdadeira prova de fogo essa semana, para que depois não façamos mais nada? Não pode ser em vão! - diz Rogério. - Acho que vocês deveriam esquecer disso, eu analisei todas as possibilidades, eu teria de ser um mágico para reverter tudo o que foi destruído! Você é um mágico também, Norman? - pergunta Vegas. - Na cozinha eu sou - diz ele. - Ah, sai pra lá! - diz Vegas. - É sério, você nunca imaginou em tentar, de qualquer forma, mudar tudo isso? O Controle nunca te deu ideia? - pergunta Róguine.


- Nunca me deu, talvez porque nunca mais tenho precisado! - diz Vegas. - Por que acha que não precisou? - pergunta Róguine. - Por que não existe mais um jeito, eu acho que o nosso destino é esse, dentro desse banker vivendo os nossos vários próximos dias tranquilos já convictos que New World já era! - diz Vegas. - Não é o que o Controle acha, e também não é o que achamos! É como o Rogério disse, perdemos coisas, perdemos pessoas, e tudo isso não pode ser em vão, tem que servir para que bilhões de pessoas sejam salvas, para que novas gerações tenham paz! Toda a injustiça e violência começou há quase oitenta anos atrás, mas não quer dizer que ela tem de continuar, bilhões estão contando com a gente! Sabe, somos todos controladores, podemos fazer coisas enormes, muito melhores do que fizemos esse tempo todo! Podemos estar bem, mas o resto da humanidade na galáxia não! - diz Scott. - Emocionante essa sua afirmação, mas a minha simples resposta é não! Tudo isso já era, o Controle quer que sejamos deuses e não somos! E temos que aceitar a realidade, não tem como, tudo já foi perdido, por isso temos que seguir em frente aqui, sorte de nós que estamos aqui juntos! - afirma Vegas. - Eu lhe entendo, mas de mim e das pessoas que estão comigo, o propósito é outro, estamos dispostos a nos arriscar e fazer o que for preciso! Se não é o que você e o Norman querem, tudo bem, vamos seguir o nosso caminho mesmo assim! - afirma Róguine. - Podem seguir, estão à vontade para ficarem aqui e bolarem qualquer plano maluco e mirabolante, só não me metam nessa! - diz Vegas. - Vamos deixar esse papo chato para lá, conheçam melhor esse banker, ele é grande, tem umas setes salas e é de luxo! - diz Norman. Todos se levantam dos sofás e passeiam por ele, observando salas com quadros, computadores e algumas máquinas luxuosas de produzir roupa, armas, tecido e outras coisas. - Aquela sala lá do fundo, é sobre o quê? - pergunta Gabriel, sobre a última do corredor do andar mais baixo, o terceiro. - É só uma sala de bagunça, não tem nada demais lá - diz Norman. Vendo todas as salas, todos se espalham em diferentes delas para ver como as máquinas funcionam. Rogério e Leonardo entram na sala de computadores, a mais perto da última do corredor do andar mais baixo, e ficam sozinhos lá olhando e mexendo em alguns computadores de alta tecnologia. - Incrível como ele conseguiu colocar tudo isso aqui dentro às escondidas! - diz Leonardo. - É, antes da guerra estourar ele já planejou tudo isso aqui, caso perdesse a guerra, pois é um gênio - comenta Rogério. - E ele nem acreditou que perderia aquela guerra, mas é bom que ele conseguiu se planejar bem - diz Leonardo. - Sim! Sabe, a minha vontade é de viver aqui dentro mesmo, sem se preocupar com nada, tendo recursos e tudo! Mas sinto que o peso dessa galáxia está todo nas nossas costas, nós somos capazes de virar o jogo, é uma coisa muito difícil, mas eu sinto que podemos! - afirma Rogério. - Sabe-se lá como faremos isso, e se vamos fazer! - diz Léo. - Nós vamos achar um jeito, a razão não explica, mas eu sinto isso, estou confiante, não sei o porquê - diz Rogério. - Talvez porque você foi o único hoje de pé junto comigo que esteve desde o início, quando estávamos tendo problemas com Paolo, pois passamos por muitas coisas desde lá! - diz Leonardo. - Antes eu ainda tive problemas, com os meus quinze anos de cadeia que o canalha do meu irmão me fez passar! E vendo minha filha morrer por causa daquele psicopata, o Tomas, Alberto, Robert... eu me sinto mais determinado em desfazer o que aquele ditador fez com bilhões de pessoas, e lutar por isso! - afirma Rogério. - Com você falando assim, eu também fico, onde você vai, eu vou também, parceiro! Se você pular, eu também pulo! Se entrar no buraco, eu entro junto contigo! Tudo para que a justiça seja feita e Cavaleiro da Morte pague tudo o que fez! - afirma Leonardo.


Logo depois, eles ouvem um barulho muito alto de explosão. - Que droga é essa? - exclama Leonardo. Os dois rapidamente saem da sala de computadores e veem a porta da última sala do corredor caída e quebrada, com alguns raios sobre ela. Dentro da sala, também veem uma máquina com colorações estranhas nela.